PESQUISE NA WEB

sábado, 23 de fevereiro de 2013

Pesquisa explica como foca pode dormir com metade do cérebro


Cientistas da Universidade da Califórnia, nos EUA, e da Universidade de Toronto, no Canadá, identificaram alguns dos "segredos" químicos que fazem com que as focas possam dormir com apenas metade do cérebro, mantendo a outra metade acordada enquanto descansam. O estudo foi publicado na edição deste mês do "Journal of Neuroscience". O comportamento, similar ao de algumas espécies de baleia, ocorre quando as focas estão na água. É uma forma de manter-se alerta ao descansar caso surjam predadores, por exemplo, de acordo com os cientistas. 

Quando as focas descansam em terra firme, eles agem como outros animais e fazem ambos os lados do cérebro dormirem ao mesmo tempo, afirma a pesquisadora Jennifer Lapierre, da Universidade de Toronto, uma das autoras do estudo. Lapierre mediu as alterações químicas nos dois lados do cérebro das focas e descobriu grande concentração de um neurotransmissor, a acetilcolina (ACh), em uma das metades - justamente o lado acordado do órgão, segundo a pesquisadora. "A descoberta indica que a acetilcolina leva a um estado de alerta em um dos lados do cérebro do animal", diz uma nota da Universidade de Toronto. A substância deve estar associada à manutenção do "despertar" de parte do cérebro da foca, indica a pesquisadora. Na outra metade do órgão, a ACh foi encontrada em quantidade reduzida. 

Outro achado é que a serotonina, neurotransmissor associado à sensação de bem-estar, estava presente em níveis iguais em ambos os lados do cérebro das focas, tanto na hora em que elas dormiam quanto nos momentos em que estavam acordadas. Estas descobertas podem ajudar a entender a insônia em seres humanos, diz Jerome Siegel, pesquisador da Universidade da Califórnia. O estudo dá mais um passo para a busca de soluções para o problema, dizem os cientistas. "As focas fazem uma coisa biologicamente incrível: dormir com metade do cérebro, uma de cada vez. O lado esquerdo pode descansar enquanto o direito está acordado. Elas fazem isso quando estão na água", reforça o professor de biologia John Peever, também um dos autores da pesquisa.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Enquanto 'flerta', molusco macho se finge de fêmea para enganar rival


Flagra da 'malandragem': o molusco macho (identificado pela letra M, à direita) aparece com camuflagem similar à da fêmea (identificada com a letra F) do lado que está exposto para um rival, que não aparece na foto (indicado pela seta com a letra A). Do outro lado, ele exibe o padrão listrado na tentativa de atrair a parceira. (Foto: Culum Brown/Reprodução)

Pesquisadores detectaram uma habilidade surpreendente desenvolvida por uma variedade de molusco marinho para sobreviver no mundo selvagem do acasalamento: os machos de Sepia plangon têm a capacidade de mudar a cor da pele instantaneamente e ficar com a camuflagem típica da fêmea apenas em um dos lados do corpo - aquele que está voltado para um macho rival. A Sepia plangon é um tipo de choco, animal "primo" da lula, que vive no mar do leste da Austrália. Enquanto "flerta", por exemplo, com uma fêmea receptiva à direita, mantendo esse lado com o desenho listrado característico dos machos da espécie, o choco se "traveste" de fêmea para enganar algum concorrente que esteja posicionado à sua esquerda. O truque do molusco foi flagrado diversas vezes pela equipe do pesquisador Culum Brown, da Universidade Macquarie. A "malandragem" foi identificada em cerca de 40% dos casos em que havia uma um macho cortejando uma fêmea com um competidor ao redor. Os cientistas viram situações em que o recurso funcionou, mas também outras em que o macho disfarçado foi descoberto, o que terminava em briga. Nesses casos, vale a lei do mais forte. As populações de Speia plangon têm mais machos que fêmeas e, por isso, elas são bastante disputadas. "Neste contexto, a seleção natural deveria favorecer fortemente qualquer tática que reduz a probabilidade de interrupção do cortejo e, com isso, maximiza o sucesso reprodutivo dos machos", conclui o estudo.

Estudo diz que lula precisa de descanso após sexo duradouro


Cientistas analisaram o comportamento sexual das lulas e comprovaram que a espécie marinha precisa descansar seus músculos por, no mínimo, 30 minutos após uma relação sexual duradoura -- de ao menos três horas. Segundo pesquisa feita por biólogos da Universidade de Melbourne, na Austrália, e divulgada na última edição da revista "Biology Letters" (publicada na última quarta-feira, 18), a fadiga que atinge o molusco pode ser prejudicial e ainda expor espécimes a predadores -- que levam vantagem na hora da caçada. Os cientistas analisaram exemplares de lula da espécie Euprymna tasmanica, que vivem na costa sul Austrália e em partes da Tanzânia. Esses animais chegam a atingir até sete centímetros de comprimento. Essa espécie consegue se acasalar por até três horas seguidas, após um ritual em que o macho agarra a fêmea e a prende para a cópula. Durante a relação, ambos os espécimes mudam de cor e podem até produzir uma nuvem de tinta escura, que ajuda o casal a fugir de predadores. Um casal de lulas australianas foi capturado pelos biólogos e colocado em um tanque, onde a fêmea e o macho foram obrigados a nadar contra a corrente, com a finalidade de testar sua resistência. Isto foi feito após uma relação sexual entre os exemplares. Os pesquisadores comprovaram que após o acasalamento, tanto a lula macho, quanto a lula fêmea, precisaram de 30 minutos para recuperar sua capacidade de natação anterior. De acordo com o estudo, isto sugere que a lula sofre de fadiga muscular temporária. De acordo com a pesquisa, este momento de fadiga pode prejudicar a espécie no momento de fugir de predadores, por exemplo, obrigando-a se esconder na areia para evitar ataques.

Lesma-do-mar com órgão sexual 'descartável' surpreende cientistas


A observação de uma lesma-do-mar capaz que se reproduzir usando um órgão sexual "descartável" está surpreendendo os cientistas. Pesquisadores japoneses vinham observando há algum tempo os hábitos de acasalamento inusitados da espécie Chromodoris reticulata, encontrada no Oceano Pacífico. Agora, eles publicaram um estudo sobre o tema na revista "Biology Letters", da Real Sociedade Britânica, relatando o registro, pela primeira vez, de uma criatura que pode copular repetidas vezes com o que foi descrito com um "pênis descartável". Acredita-se que quase todas as lesmas-do-mar (também conhecidas como nudibrânquios) sejam "hermafroditas simultâneos". Isso significa que esses animais têm tanto órgãos sexuais masculinos quanto femininos e podem usá-los ao mesmo tempo. Conforme explica Bernard Picton, especialista em invertebrados marinhos do Museu Nacional da Irlanda do Norte, os órgãos sexuais, em geral, ficam do lado direito do corpo das lesmas e, durante a cópula, os dois animais se unem por esse lado, fecundando-se simultaneamente.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 08 - Indonésia




Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 07 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 06 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 05 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 04 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 03 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 02 - Indonésia





Fauna e flora marinhas nas Ilhas Raja Ampat 01 - Indonésia





As Ilhas Raja Ampat formam um arquipélago situado a noroeste da península da Cabeça de Pássaro, no noroeste da ilha da Nova Guiné. Pertence administrativamente à província de Papua Ocidental, antiga Irian Jaya, da Indonésia. O arquipélago é formado por quatro ilhas principais: Misool, Salawati, Batanta e Waigeo, e mais de 1.500 pequenos ilhéus e bancos de areia. A sua área total (terrestre e marinha) é de aproximadamente 40.000 km², e nele fica o maior parque nacional marinho da Indonésia, na Baía de Cenderawasih.