PESQUISE NA WEB

sábado, 17 de maio de 2014

Orcas são vistas no mar do Rio de Janeiro

 
Um grupo que praticava pesca submarina registrou várias orcas por volta das 12h deste sábado (17) no mar do Rio. O flagrante foi feito perto das Ilhas Tijucas, a quatro quilômetros da costa da cidade, entre as praias de São Conrado e da Barra da Tijuca. De acordo com o analista de mercado financeiro Bruno Barros, o grupo foi praticar pesca submarina na ilha, quando foi surpreendido com os animais. "Eu fui mergulhar em uma laje submersa para fora do mar, foi quando eu vi as orcas nadando por fora. Pensei: Não vou cair ali porque essa baleia é brava, ela não é dócil. Aí resolvi cair pertinho da pedra. No primeiro mergulho, quando eu estava voltando para o barco, meu amigo gritou: “As orcas estão aqui”. Elas subiram ao lado do barco, molharam todos no barco e estavam há uns 15 metros de mim. Eu subi no barco rápido, e elas foram acompanhando a gente, chegando bem perto do barco”, afirmou.

quinta-feira, 15 de maio de 2014

Homem é surpreendido ao capturar "Tartaruga Dinossauro"


 
Uma postagem que se tornou "viral" (mais de 100.000 "curtidas" e 10.000 compartilhamentos, em poucas horas) na internet. "O animal é uma "tartaruga-aligátor" (Macrochelys temminckii), espécie que habita rios, lagos e pântanos, mais comumente encontrada no sul dos EUA. Um pescador de Oklahoma, nos EUA, se surpreendeu quando tentava pegar alguns bagres ao encontrar um animal de aparência pré-histórica. Trata-se de uma tartaruga gigante, a qual foi fotografada em seus braços antes de ser liberada novamente na natureza. Dave Harrel postou a imagem na internet, a qual logo se tornou viral. Rapidamente, ela foi compartilhada mais de 10 mil vezes no Facebook. Harrel explicou que ele e um amigo, Audey Clark, foram pescar em Mill Creek, Eufaula Lake, quando viram algo extremamente grande. Os doistiveram um grande trabalho para conseguirem pegar o animal; a tartaruga foi fotografada e liberada na água de forma ilesa." Pelo seu aspecto, a "tartaruga-aligátor" é vista (e preservada) como "um fóssil vivo". Na região Norte do Brasil e em várias áreas amazônicas da América do Sul podem ser encontrados animais, razoavelmente semelhantes tão bizarros quanto este (mas de tamanho bem menor), as "tartarugas matá-matá". " Matá-matá (ou matamata) (Chelus fimbriata) é uma espécie de cágado de água doce pertencente à família Chelidae. É a única espécie do gênero Chelus. Encontrada predominantemente nas águas doces da América do Sul, é um animal carnívoro que se alimenta de invertebrados aquáticos e peixes. A matá-matá tem uma aparência bem diferente das demais tartarugas. Tem uma carapaça marrom (castanha) ou preta e pode medir até 44.9 cm. A couraça é reduzida, estreita, sem articulações, encurtada na frente e reta atrás. A cabeça também é bastante distinta, triangular, grande, extremamente achatada. Tem numerosas abas de pele. Tem dois barbilhos no queixo e dois adicionais barbilhos filamentosos na mandíbula. O focinho é longo e tubiforme. A mandíbula superior não é nem curva nem chanfrada. Cabeça, pescoço, rabo e membros são marrons acinzentados nos adultos. O pescoço é bastante longo, maior que a vértebra dentro da carapaça, e é franjado com pequenas abas de pele ao longo dos dois lados, assemelhando-se a um galho de árvore. Cada pata dianteira tem cinco garras com membranas natatórias. Machos têm couraças côncavas e rabos compridos e longos. A matá-matá prefere rios lentos, lagos calmos, pântanos e brejos. Seu habitat compreende o norte da Bolívia, leste do Peru, Equador, leste da Colômbia, Venezuela, as Guianas e o norte e centro do Brasil. Prefere águas rasas onde possa alcançar a superfície para respirar. Pode segurar a respiração por muito tempo, ficando imóvel no fundo. Prefere rastejar no fundo a nadar e, sempre que possível, evita expor-se à luz do sol. Caso perceba um predador à espreita, ela fica submersa e imóvel, com suas abas esquisitas ajudando-a a se camuflar na vegetação em volta, até que um peixe chegue perto. Então a mata-mata impulsiona sua cabeça para fora e abre sua enorme boca o máximo que puder, criando uma pressão que suga a presa para dentro da boca. Ao fechar a boca, a água é expelida lentamente, e o peixe é engolido inteiro. A presa precisa ser do tamanho apropriado para a tartaruga; matamatas não conseguem mastigar muito bem, devido à anatomia de sua boca."

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Pesquisadores esperam 'reviver' rã extinta há 30 anos com clonagem


 
Cientistas do Projeto Lazarus estão trabalhando para "reviver" uma espécie de rã australiana, extinta há cerca de 30 anos, utilizando técnicas de clonagem. Eles conseguiram implantar de forma bem-sucedida núcleos retirados de células "mortas" do animal, que estavam congeladas há anos, em células de um anfíbio de outra espécie aparentada. A rã extinta, da espécie Rheobatrachus silus, era conhecida por sua forma bizarra de cuidar dos filhotes: ela engolia os ovos, incubava os filhotes no estômago e depois "dava a luz" a eles pela boca, segundo os cientistas. O animal foi considerado extinto em 1983. Os pesquisadores preservaram exemplares da rã congelados e conseguiram, com repetidos experimentos, transferir núcleos de células somáticas (já especializadas em algum tecido, como a pele) para células embrionárias de outra espécie de anfíbio: a Mixophyes fasciolatus, uma "parente distante", segundo os cientistas. Ao substituir o núcleo ativo das células da Mixophyes fasciolatus pelo núcleo "morto" da rã extinta, os cientistas conseguiram que ocorresse espontaneamente a divisão celular e que novas células surgissem. Os embriões, no entanto, morreram após alguns dias. Apesar disso, testes genéticos confirmaram que as novas células obtidas continham material genético da rã extinta. "Nós estamos observando um 'ressuscitar dos mortos', passo a passo", disse o professor Mike Archer, da Universidade de New South Wales, em Sydney, na Austrália. "Nós reativamos células mortas usando células vivas e 'revivemos' o genoma da rã extinta no processo. Agora nós temos células preservadas criogenicamente do animal extinto, para usar em futuros experimentos de clonagem", disse Archer. "Estamos confiantes que os obstáculos agora são tecnológicos e não biológicos, e que vamos ser bem-sucedidos", analisou o pesquisador no estudo.

Cientistas descobrem 14 novas espécies de 'rãs dançarinas' na Índia


 
Um grupo de cientistas descobriu na Índia 14 novas espécies de um tipo de rã único no mundo, consideradas "relíquias viventes", embora seu habitat esteja cada vez mais ameaçado. Esse anfíbio conhecido como "rã dançarina", pelo movimento das patas traseiras dos machos durante o cortejo, só é encontrado em Western Ghats, uma cordilheira ao oeste da Índia em frente ao mar da Arábia, disse o cientista Sathyabhama Dás Biju. O trabalho científico foi dirigido por este especialista em anfíbios, um reconhecido biólogo da Universidade de Délhi, que estudou durante 12 anos essas espécies com outros especialistas de diferentes centros do gigante asiático. A investigação, publicada no "Ceylon Journal of Science", é fruto do trabalho de campo realizado nos estados indianos de Kerala, Tamil Nadu, Karnataka e Maharashtra. Análises de DNA e características morfológicas foram indispensáveis na identificação das novas espécies. As rãs pertencem à família das Micrixalidae e a um gênero único da Índia, denominado Micrixalus, do qual eram conhecidas outras 11 espécies até agora e cujas origens se remetem há 85 milhões de anos, o que justifica a consideração de "relíquias viventes". Estes pequenos animais vivem em correntes rápidas de água nas montanhas, em um habitat no qual 75 novos anfíbios foram descobertos nos últimos 15 anos. Segundo a fonte, uma centena de espécies ainda pode ser descrita cientificamente no local. No entanto, os locais onde vivem se mostram cada vez mais ameaçados pela ação humana. Por isso as novas espécies "requerem ações imediatas para sua conservação", já que a maioria vive em áreas sem proteção ambiental, advertem os cientistas. O trabalho realizado pelos cientistas pôs em evidência a fragilidade do local, "altamente degradado e ameaçado pela pressão humana", com consequências como a dissecação dos riachos vitais para a sobrevivência dessas rãs consideradas "espécies raras".

sábado, 3 de maio de 2014

Peixinho-dourado aprende a 'dirigir' em aquário motorizado

 
Uma empresa de design digital na Holanda desenvolveu um aquário que anda sobre rodas que se movem em resposta ao movimento de um peixinho-dourado. Thomas de Wolf, do Studio diip e responsável pelo projeto, explica que o aquário foi colocado sobre uma plataforma com rodas movidas por motores, e que uma câmera conectada por cabos a um pequeno computador localizado embaixo da plataforma funciona como um sensor. A câmera capta a cor laranja do peixe e manda a informação de seus movimentos para o computador fazendo com que o aquário se movimente. Especialistas em peixes dizem que movimentos muito rápidos podem ser estressantes para o peixe, mas os envolvidos no projeto estão desenvolvendo um protótipo maior para amenizar o desconforto do peixinho-dourado.