PESQUISE NA WEB

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Caranguejo-gigante-japonês é atração em aquário de Malta


Um caranguejo-gigante-japonês, também chamado de caranguejo-aranha-gigante (Macrocheira kaempferi), chamou atenção de turistas no aquário nacional de Malta, em Qawra, perto da capital Valletta. Essa espécie de caranguejo pode atingir uma envergadura, medida com as patas esticadas, de 3,8 metros e pesar quase 20 kg.

Família de orcas é avistada no litoral norte de São Paulo



Uma família de orcas foi avistada no litoral norte, próximo a praia Brava, em Ubatuba (SP). Cerca de sete orcas estavam na região nos últimos dias e foram monitoradas pelo Instituto Argonauta. De acordo com o instituto, os animais foram flagrados a partir da última quinra (24) e estão saudáveis e fortes. Nesta época, nos últimos anos, tem sido comum encontrar orcas no litoral norte. Elas estariam seguindo em direção ao norte em busca de águas mais quentes. As orcas são os maiores membros da família dos golfinhos e podem atingir quase 10 metros de comprimento e pesar até 10 toneladas.

Italiano diz ter desenvolvido técnica para 'hipnotizar' tubarões



Um mergulhador italiano afirma ter descoberto uma técnica para "hipnotizar" tubarões. Riccardo Sturla Avogadri tirou fotos e gravou vídeos onde aparece com as mãos na cabeça de um tubarão imóvel para provar a eficiência de sua técnica. E também exibe suas "habilidades" para turistas e curiosos. Ele disse ao programa de rádio Outlook, da BBC, que sua técnica permite colocar os tubarões em "transe", de forma que possam ser examinados por pesquisadores e cientistas sem o estresse da captura. Segundo o italiano, o primeiro passo para imobilizar um tubarão consiste em atraí-lo usando barulho, comida ou produtos químicos. Para o tubarão branco ele usa sangue de foca, por exemplo. Avogadri diz que, em geral, a isca fica em uma caixa que permite ao peixe sentir o odor e até ver a comida – embora ele não possa mordê-la. De acordo com o italiano, quando o tubarão se aproxima em uma posição boa e com velocidade adequada, é possível colocá-lo em relaxamento. Ele diz colocar as mãos em uma posição específica, que faz com que os animais pensem que seus dedos são peixes. "Eu faço o tubarão tentar morder minhas mãos. Essa é a parte mais difícil e perigosa, porque se eu for muito rápido o tubarão vai embora e se eu for muito devagar ele me morde". Avogadri conta que mergulha protegido por uma roupa especial feita de aço. Caso seja mordido, os dentes do tubarão não perfuram o traje. Segundo ele, antes de morder, o animal abre a boca para deixar a água entrar e obter oxigênio por meio das guelras. O peixe em seguida fecha a boca e só depois dá a mordida. "Eu consigo imobilizar o tubarão quando ele está com a boca fechada. Nesse momento, ele não está respirando e eu coloco a mão no nariz dele e começo a fazer uma espécie de massagem", diz. De acordo com o italiano, a massagem estimula um órgão sensorial do tubarão chamado ampola de Lorenzini. "Eles gostam quando você faz movimentos circulares, começam a sentir uma sensação boa", conta. "Eles tentam fugir durante uns cinco ou seis segundos, mas quando sentem essa sensação e percebem que não há perigo, muitas vezes param." Depois de colocar o tubarão em "transe" com a massagem, Avogadri diz que começa a retirar parasitas da pele do peixe. "O animal pode ir embora, mas percebe que fiz uma coisa boa para ele e por isso, volta – talvez pense que sou uma espécie de 'estação de limpeza'." Segundo o mergulhador, os tubarões não podem permanecer muito tempo parados - eles precisam estar constantemente em movimento para respirar. Para superar esse problema, Avogadri diz que movimenta o animal na direção da superfície. Com isso, aproveita para exibir o peixe para turistas que mergulham usando equipamentos simples, como snorkels e máscaras. O italiano admite que não é possível aplicar a técnica em todos os tubarões, mas garante que nunca teve um acidente grave. "As vezes estou no meio de um grupo de 20 tubarões e tenho de perceber quais são mais confiantes. Quando acho um bom tubarão, tento atraí-lo".

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Fotógrafo flagra tartaruga marinha nadando em praia de Guarujá


Um morador da Baixada Santista que passava o fim de semana em uma praia de Guarujá, no litoral de São Paulo, recebeu uma visita especial enquanto mergulhava. Uma tartaruga marinha de pouco mais de 1 metro se aproximou do banhista e fez companhia para ele durante cerca de 20 minutos. A presença do animal foi registrada pelo fotógrafo Lucas Dias, também conhecido como 'Trk', em fotos e vídeos. Ele conta que estava a poucos metros da faixa de areia da praia do Tombo quando avistou a tartaruga. Segundo ele, o animal não parecia estar machucado ou cansado. "Acho que ela só estava passeando mesmo. Fiquei um tempinho acompanhando ela. A praia do Tombo é uma das mais limpas do Brasil. Os moradores locais sabem cuidar do espaço", disse. A praia do Tombo, em Guarujá, detém há seis anos o título de 'Bandeira Azul', iniciativa da Foundation for Environmental Education, organização que reconhece o equilíbrio entre a preservação ambiental e o desenvolvimento economico para manter a qualidade do local.

Separado de fêmeas, peixe-boi 'garanhão' ganha novo lar para curar depressão


Assim como o deus mitológico que lhe empresta o nome, o peixe-boi-marinho Netuno vivia como todo-poderoso no oceanário da Ilha de Itamaracá, em Pernambuco. Mas os dias de glória do maior reprodutor da espécie em cativeiro do Brasil acabaram: para evitar que cruzasse com outros peixes-bois da sua família, o que poderia gerar filhotes com problemas genéticos, o animal foi separado de suas seis fêmeas. Assista ao vídeo. Não demorou muito para Netuno perder peso e entrar em depressão. Para curá-la, o Centro de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos (CMA), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), decidiu levar o peixe-boi, que tem 25 anos e pesa 420 quilos, para uma espécie de retiro em um recinto de adaptação no leito do Rio Tatuamunha, em Porto das Pedras, no litoral norte de Alagoas. Ali Netuno deve permanecer pelo resto da vida. Como não tem capacidade de voltar à natureza, pela grande afinidade com pessoas, o peixe-boi será usado para trabalhos de educação ambiental. Ele também ficará isolado porque indivíduos soltos no litoral alagoano são alguns dos seus 15 filhotes. A história de Netuno tem cores de tragédia greco-romanas, mas a decisão foi tomada pensando na conservação da espécie, explica à BBC Brasil Fabia Luna, chefe da CMA. "Não podíamos deixar Netuno junto com as fêmeas pois isso poderia gerar filhotes com problemas devido ao alto grau de consaguinidade. Ele, inclusive, já reproduziu com uma das filhas dele", assinala Fabia. "Se não tomássemos essa medida, com o passar do tempo, a população de peixes-bois poderia se extinguir por si só por defeitos genéticos. Exemplos disso são machos sem qualidade de esperma ou fêmeas que não conseguem cuidar dos filhotes", acrescenta a especialista. Fabia diz acreditar que Netuno poderá curar a depressão no novo lar. "Em Itamaracá, ele vivia em uma espécie de piscina. Agora, em Alagoas, ele passa a viver uma área cercada, mas com características semelhantes a um mangue, com água natural", explica. Atualmente, o peixe-boi-marinho corre risco de extinção. Estima-se que no Brasil só haja entre 500 a 1 mil exemplares da espécie, do Amapá a Alagoas. O animal, que é diferente do peixe-boi-da-amazônia, vive predominantemente no mar, mas precisa beber água doce de tempos em tempos para sobreviver. Quando estão prestes a dar à luz, as fêmeas da espécie também se deslocam ao estuário dos rios ─ onde a correnteza é menor. "Mas por causa da destruição desses ecossistemas pelo homem, muitas fêmeas acabam dando a luz no mar, e o filhote é levado pela correnteza. Aí eles acabam encalhando na areia das praias". Netuno foi levado para o novo lar na semana passada. A operação de translocação (transporte), realizada em sua maior parte durante a madrugada, durou 12 horas e mobilizou 40 técnicos. Outro peixe-boi-marinho, Zoé, também foi transferido para Alagoas. Os animais foram transportados em dois caminhões do tipo Munk (providos de guindastes). Protegido por leis nacionais, o peixe-boi é classificado como espécie "em perigo" de extinção, segundo a lista de espécies ameaçadas da fauna, publicada em dezembro de 2014. Entre as causas, estão os encalhes, os atropelamentos por embarcação e a ingestão de lixo. Mas a situação já foi pior. A espécie já chegou a estar "criticamente em perigo" de extinção. Desde 1994, no entanto, quando foi criado o programa de reintrodução de peixe-boi marinho no Brasil, 42 peixes-bois-marinhos, entre animais resgatados quando filhotes a criados em cativeiro, foram reintroduzidos à natureza. "Conseguimos aumentar a população do peixe-boi-marinho e repovoá-la em áreas onde a espécie era considerada extinta, como no norte de Alagoas", conclui Fabia.

Baleia orca morre em SeaWorld nos Estados Unidos


Uma baleia orca de 18 anos morreu no parque SeaWorld em San Antonio, nos Estados Unidos, disse o parque nesta terça-feira (22), aumentando as preocupações de grupos de direitos dos animais que têm criticado o local há anos por causa do tratamento dado aos mamíferos marinhos cativos. A baleia do sexo feminino chamada Unna foi a terceira a morrer no parque do Texas em seis meses. O SeaWorld declarou em comunicado que Unna morreu na segunda-feira de um “tipo resistente de fungo chamado Candida”. A baleia assassina, ou orca, havia sido tratada por especialistas de vários pontos do país, acrescentou o comunicado. "Ao mesmo tempo que havia algumas indicações de que o tratamento estava tendo um efeito positivo, Unna permanecera em condição séria e sob cuidados diários por 24 horas”, afirmou o SeaWorld, completando que uma necropsia será feita. O parque tem enfrentado críticas duras e queda nos rendimentos desde o documentário de 2013 “Blackfish”, que mostra o cativeiro e a exibição pública das baleias assassinas como inerentemente cruel. O filme, criticado pelo SeaWorld como incorreto, também explorou as circunstâncias que causaram a morte, em 2010, de uma treinadora do parque, que foi puxada para a água e afogada por uma orca.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Pescador italiano fisga bagre 'monstruoso'



O pescador italiano Yuri Grisendi, de 38 anos, fisgou um bagre gigante no Rio Ródano, na Itália. Grisendi capturou um bagre com impressionantes 2,6 metros e 120 quilos. Grisendi, que pesca há 20 anos, disse que esse é o maior peixe que pegou. "É absolutamente enorme", afirmou. "É, de longe, o maior peixe que já capturei". Assista ao vídeoO pescador italiano destacou que precisou de paciência e força para conseguir vencer a batalha com o enorme bagre.

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Fotógrafo brasileiro flagra ataque de tubarão branco a foca na África do Sul

 


O fotógrafo brasileiro Daniel Botelho já havia mergulhado ao lado de tubarões-brancos no México e na África do Sul. No mês passado, conseguiu realizar um sonho antigo de voltar ao país africano e clicar o animal fora d’água, em ação predatória. Ele passou três meses em Gansbaai, a 150 km da Cidade do Cabo, e registrou os animais atacando focas no "Shark Alley", corredor lar de tubarões entre uma ilha e uma grande pedra a cerca de 5 km da costa. As fotos feitas a partir de diferentes ângulos do ataque mostram que, ao avançar sobre a presa, o tubarão projeta seu corpo de mais de uma tonelada totalmente para fora da água. “Esse é um ataque impressionante, que considero uma das predações mais poderosas que já vi na natureza”, diz o fotógrafo. A raridade e a agilidade desse poderoso ataque conduziram a preparação do trabalho de Daniel. Segundo o fotógrafo, um flagrante desses acontece a cada sete dias. No entanto, o tempo ruim, a agitação marítima e águas turvas fizeram com que a estatística se alongasse. Antes das 6h da manhã e a uma temperatura média de 8ºC ele já estava a postos, com a câmera na mão e o olhar atrás do aparelho concentrado nas focas, esperando o pulo. Uma réplica de foca feita de fibra de vidro também foi rebocada pelo barco em que ele estava, na tentativa de atrair os tubarões. “É um desafio muito grande fotografar um animal rápido. É um ataque muito rápido, então eu precisava usar uma abertura extremamente rápida em uma condição de baixíssima luz. Se esperar o tubarão subir para fazer a foto, acabou”, conta. Se por um lado a luz do início da manhã é um desafio para o fotógrafo, de outro, para o tubarão, é uma aliada para a predação das focas. “Nesse horário, por causa do reflexo da luz [na superfície do mar], a foca não consegue ver direito o fundo, então o tubarão consegue acompanhar a foca lá do fundo 100% camuflado”, explica Botelho. Uma das coisas que mais chamou a atenção do fotógrafo foi o inesperado silêncio durante o ataque. Diferente dos programas de TV que mostram a vida selvagem em câmera lenta e com efeitos sonoros, o ataque é rápido e silencioso, segundo conta. “Essa antítese mostra o poder do ataque do tubarão”, afirma Botelho.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Piapara - Leporinus Elongatus




Piapara é o nome vulgar de Leporinus elongatus, um peixe com escamas; corpo alongado, um pouco alto e fusiforme. Tem coloração prateada, com três manchas pretas nas laterais do corpo, e nadadeiras amareladas. A piapara alcança em média 40 cm de comprimento total e 1,5 kg, atingindo os indivíduos maiores cerca de 80 cm e 6 kg. Esta espécie pertence à família Anostomidae, que possui uma grande diversidade de gêneros e espécies com representantes em todas as bacias hidrográficas brasileiras, conhecidos como aracus (bacia amazônica), piaus (bacia Araguaia-Tocantins, Paraná e São Francisco), piavuçu, piava, etc.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Tubarão branco parece rir em foto incrível tirada por turista na Austrália


A turista britânica Hollie Finnegan fez uma foto incrível de um grande tubarão branco durante mergulho em uma gaiola de proteção no sul da Austrália.´ O tubarão branco parece estar rindo na foto da feita por Hollie, que realizou o mergulho para comemorar seu aniversário de 21 anos. Ela fez a foto durante um passeio na Ilha Netuno, que fica a 70 km da cidade de Port Lincoln, no sul australiano, é um dos melhores destinos para se ver grandes tubarões brancos em seu habitat natural.

Fotos impressionantes mostram 'crocodilo canibal' devorando rival




Dois crocodilos de água salgada foram fotografados em um duelo mortal em uma lagoa no estado de Queensland, na Austrália. As fotos impressionantes foram tiradas no Parque Nacional Rinyirru, no norte do estado. As imagens mostram um crocodilo enorme sacudindo o rival menor no ar e, em seguida, devorando-o. A sequência do ataque foi divulgada nesta terça-feira (1º) pelo Queensland National Parks, órgão responsável pelos parques do estado.