PESQUISE NA WEB

quinta-feira, 31 de março de 2016

Degelo antártico pode elevar nível do mar mais que o esperado, diz estudo


O nível do mar pode subir, neste século, 50 cm mais do que o esperado pelos cientistas, afirma um relatório publicado nesta quarta-feira (30) na revista “Nature”, que descobriu que o gelo antártico vai derreter mais rápido do que o que se pensava. Cientistas que estudam o clima em universidades americanas afirmam que o relatório mais recente da ONU sobre os efeitos do aquecimento global subestimou a velocidade com que o gelo que cobre o continente derreteria. Esse relatório, divulgado em 2013, dizia que no pior dos cenários o aquecimento global provocado pelo homem elevaria o nível do mar entre 52 cm e 98 cm até 2100. O novo estudo sugere que o aumento real pode ser de 1,5 metro, constituindo uma ameaça ainda maior para cidades como Nova York e Xangai -- para citar apenas dois exemplos. “Isso pode ser um desastre para muitas cidades que ficam mais próximas do nível do mar”, afirma o autor principal do estudo, Robert DeConto, da Universidade de Massachusetts, em um comunicado sobre os achados publicado na “Nature”. O estudo, parcialmente baseado nas evidências sobre nível do mar em um período naturalmente quente 125 mil anos atrás, disse que o gelo antártico sozinho poderia elevar entre 64 cm e 114 cm o nível do mar até 2100, no pior cenário de emissões de gases previsto pela ONU. Um dos fatores que foram subestimados pelos relatórios da ONU é um processo pelo qual piscinas de água derretida formadas por cima de blocos de gelo penetram nesse gelo e voltam a congelar, forçando a quebra de grandes partes desses blocos. Com isso, o gelo em terra na Antártica desliza mais rápido até o mar. O estudo projetou ainda que a Antártica pode contribuir com mais de 13 metros de aumento no nível do mar até 2500 se o ar e o oceano continuarem se aquecendo.

quarta-feira, 30 de março de 2016

Bagre 'gigante' é pescado em lago no Texas


Um bagre de pelo menos 34 quilos foi pescado no Lago Conroe, em Sook, no Texas, segundo as autoridades locais. O departamento de vida selvagem disse que o peixe foi pescado com uma rede no lago. Ele tinha 1,3 metro de comprimento e foi devolvido ao lago logo depois de ser rapidamente medido e pesado.

Nível do mar pode subir muito mais que o esperado até 2100, diz estudo


O nível do mar pode subir, neste século, 50 cm mais do que o esperado pelos cientistas, afirma um relatório publicado nesta quarta-feira (30) na revista “Nature”, que descobriu que o gelo antártico vai derreter mais rápido do que o que se pensava. Cientistas que estudam o clima em universidades americanas afirmam que o relatório mais recente da ONU sobre os efeitos do aquecimento global subestimou a velocidade com que o gelo que cobre o continente derreteria. Esse relatório, divulgado em 2013, dizia que no pior dos cenários o aquecimento global provocado pelo homem elevaria o nível do mar entre 52 cm e 98 cm até 2100. O novo estudo sugere que o aumento real pode ser de 1,5 metros, constituindo uma ameaça ainda maior para cidades como Nova York e Xangai. “Isso pode ser um desastre para muitas cidades que ficam mais próximas do nível do mar”, afirma o autor principal do estudo, Robert DeConto, da Universidade de Massachusetts, em um comunicado sobre os achados publicado na “Nature”. O estudo, parcialmente baseado nas evidências sobre nível do mar em um período naturalmente quente 125 mil anos atrás, disse que o gelo antártico sozinho poderia elevar entre 64 cm e 114 cm o nível do mar até 2100, no pior cenário de emissões de gases previsto pela ONU. Um dos fatores que foram subestimados pelos relatórios da ONU é um processo pelo qual piscinas de água derretida formadas por cima de blocos de gelo penetram nesse gelo e voltam a congelar, forçando a quebra de grandes partes desses blocos. Com isso, o gelo em terra na Antártica escorrega mais rápido até o mar.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Vídeo capta nascimento raro de tartaruga albina na Austrália


Voluntários de uma organização ambiental tiveram uma surpresa ao encontrar um filhote albino de tartaruga-verde em uma praia na costa leste da Austrália. Assista ao vídeo.
Casos assim entre espécies de tartarugas-marinhas são muito raros. Ocorrem uma vez a cada centenas de milhares de nascimentos, segundo especialistas. Batizado como Alby, o filhote de tartaruga foi o último a deixar o local, dos 122 que nasceram em seu ninho. Ser albino será um desafio para Alby, já que isso impede sua camuflagem e o deixa mais vulnerável a ataques de predadores. “Espero que ele sobreviva”, disse Jayne Walton, moradora de Peregian Beach que filmou o animal. “Ele era muito rápido e parecia muito determinado em chegar à água.”

Branqueamento afeta 95% da região norte da Grande Barreira de Corais



O branqueamento atinge 95% da seção norte da Grande Barreira de Corais, o maior recife do mundo que se estende ao longo de 2.300 quilômetros no nordeste da Austrália, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (28) por meios de comunicação locais. "Vimos (em um reconhecimento aéreo) enormes níveis de branqueamento na faixa norte da Grande Barreira que se estende por milhares de quilômetros", declarou à emissora de rádio local "ABC" o acadêmico Terry Hughes, da James Cook, a universidade australiana encarregada da pesquisa. O especialista afirmou que foram examinados 520 corais e só quatro se salvavam do processo pelo qual as colônias de Coelenterata Anthozoa perdem sua cor como resultado do estresse ambiental. A cadeia de coral que outrora se caracterizava por suas vivas cores adquiriu uma coloração fantasmal desde a cidade de Cairns até o estreito de Torres. No caso da Grande Barreira, patrimônio da humanidade, o branqueamento provém do aumento da temperatura da superfície do mar. O branqueamento atinge 95% da seção norte da Grande Barreira de Corais, o maior recife do mundo que se estende ao longo de 2.300 quilômetros no nordeste da Austrália, segundo um estudo publicado nesta segunda-feira (28) por meios de comunicação locais. "Vimos (em um reconhecimento aéreo) enormes níveis de branqueamento na faixa norte da Grande Barreira que se estende por milhares de quilômetros", declarou à emissora de rádio local "ABC" o acadêmico Terry Hughes, da James Cook, a universidade australiana encarregada da pesquisa. O especialista afirmou que foram examinados 520 corais e só quatro se salvavam do processo pelo qual as colônias de Coelenterata Anthozoa perdem sua cor como resultado do estresse ambiental. A cadeia de coral que outrora se caracterizava por suas vivas cores adquiriu uma coloração fantasmal desde a cidade de Cairns até o estreito de Torres. No caso da Grande Barreira, patrimônio da humanidade, o branqueamento provém do aumento da temperatura da superfície do mar.

Peixe não abandona companheiro que ficou preso em rede de pesca


Um vídeo publicado no YouTube mostra um peixe solidário que não abandonou um companheiro que ficou preso em uma rede de pesca. O peixe permanece ao lado mesmo quando ativistas da ONG tailandesa Core Sea, que trabalha na conservação e pesquisa marinha no Sudeste Asiático, tentam libertar o outro peixe da rede. A ONG compartilhou o resgate do peixe em seu canal no YouTube.

Foca se perde, percorre mais de 6 km e vai parar no quintal de casa no EUA


Um filhote de foca se perdeu, percorreu mais de seis quilômetros e foi parar no quintal de uma casa em Fremont, no estado da Califórnia (EUA). O animal foi resgatado por agentes do Departamento de Polícia de Fremont e levado para um abrigo.

sábado, 26 de março de 2016

'Escondido', jacaré assusta moradores em condomínio de Paulínia, SP



Um jacaré com cerca de 1,5 metro assustou moradores de um condomíno em Paulínia (SP), na noite desta segunda-feira (21). Ele apareceu em frente à portaria e ficou escondido em um jardim, embaixo das plantas. O Corpo de Bombeiros foi acionado pelo porteiro e capturou o animal. Ninguém ficou ferido. De acordo com a moradora Andrea Leite, de 42 anos, o jacaré apareceu por volta das 19h30, mas não chegou a entrar no condomínio. "Ele estava bem bravo. Como tem um matagal em frente, a gente acha que veio dali", afirma. Andrea, que teme pela segurança dos filhos, conta ainda que já encontrou cobra em casa e que águias também circulam pelo local. "A gente ficou assustado, porque as crianças brincam muito no bosque do condomínio. Ele poderia ter entrado (...). Eu tenho horror. Nós mudamos para o pantanal", brinca. Os bombeiros demoraram cerca de uma hora para capturar o animal e o soltaram em uma área de preservação ambiental da cidade. A suspeita é de que ele seja da espécie jacaré-de-papo-amarelo, comum na região.

Filhote de peixe-boi de 2 meses é resgatado em comunidade no AM



Um filhote de peixe-boi foi resgatou na manhã desta terça-feira (22) por equipes do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam). O animal foi encontrado na comunidade Pesqueiro, no município de Manacapuru, distante em 1.793 km de Manaus. De acordo com o Ipaam, um pescador teria oferecido o animal para um comerciante, que de imediato informou que se tratava de crime ambiental. O pescador fugiu e deixou o peixe-boi. Em seguida, o comerciante acionou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Manacapuru que entrou em contato com o Ipaam. O animal é uma fêmea de aproximadamente 2 meses. A equipe do Ipaam encaminhou o filhote para o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), onde receberá todos os cuidados necessários.

Fungo torna rãs mais ‘sexies’ para facilitar propagação, indica pesquisa


Cientistas na Coreia do Sul descobriram que um fungo está tornando rãs asiáticas mais atraentes às fêmeas da espécie colaborando no sucesso da evolução de uma geração a outra. Em entrevista à BBC, o professor-associado da Universidade Nacional de Seul, na Coreia do Sul, Bruce Waldman, falou sobre sua pesquisa com uma rã comum na Ásia, a Hyla japonica, e um fungo que ataca rãs, o Batrachochytrium dendrobatidis, também chamado de Bd. Segundo a pesquisa de Waldman este fungo causa uma doença pandêmica que pode matar o anfíbio além de afetar de várias formas a saúde do hospedeiro. "Bd interfere com o equilíbrio eletrolítico e a osmorregulação, causando insufiência cardíaca nos indivíduos afetados", escreveu o pesquisador. Além disso, fungo também interfere no sistema imunológico e em muitos outros tecidos o que leva o anfíbio a ficar letárgico, perder a coordenação além de outras mudanças no comportamento. Mas Waldman notou que os machos da espécie estudada infectados por este fungo mudam o padrão de vocalizações para atrair mais fêmeas para a reprodução. O pesquisador chegou à conclusão de que "machos infectados chamam (as fêmeas) mais rapidamente e produziram chamados mais longos do que os machos não infectados". E isto, de acordo com Waldman, pode mudar a reação das fêmeas. "Muitas rãs procuram por parceiros através de vocalizações (dos machos). Nem todas, mas muitas rãs fazem isso", disse o pesquisador em entrevista à BBC. "Então, um fator preliminar determinante do sucesso reprodutivo é como você chama (uma parceira). Se você chama muito, arruma uma parceira melhor, arruma mais parceiras." Waldman afirmou que o fungo afetou os anfíbios, principalmente no instinto de colocar mais esforço nos chamados pelas fêmeas. "A estrutura do chamado é diferente, eles fazem chamados mais longos, mais rapidamente. Eles parecem fazer chamados mais vigorosos do que os feitos por indivíduos saudáveis, que não foram infectados", afirmou. Quando perguntado se a fêmea da rã asiática pensa que o macho infectado é mais viril, o pesquisador respondeu com bom humor. "Não sei exatamente o que ela pensa (risos). Mas é mais provavel que ela escolha o macho infectado ao invés do não infectado." "Aquele macho poderá infectá-la e é possível que as crias também sejam infectadas", acrescentou. Waldman afirma que as rãs estudadas sobreviveram à infestação por este fungo. "Fizemos outros estudos que mostram que, mesmo que este tipo de fungo mate rãs em outras partes do mundo, na Coreia e na maior parte da Ásia ainda não vimos uma grande mortandade de anfíbios. E muitos deles estão infectados por este fungo." "As rãs sobrevivem. Na verdade elas parecem estar muito bem! Esta descoberta é muito surpreendente, não é o que esperávamos", acrescentou. O pesquisador afirmou que os anfíbios na Ásia parecem ter desenvolvido uma "boa resposta imunológica que permite que eles mantenham o fungo sob controle". "Lançar este tipo de resposta imunológica (geralmente) parece ter um custo (...) e nós esperávamos que (este custo) seria uma diminuição de energia em outras atividades como o chamado (pela parceira). Mas a energia aumentou e este resultado foi surpreendente para nós", afirmou o cientista à BBC. O cientista afirma que as rãs, asiáticas ou não, têm um papel importante já que "o ecossistema tem que ser visto como um todo e todos os animais e plantas têm um papel". "Rãs têm um certo papel para eliminar insetos ou (também) em outros tipos de necessidades humanas, mas isto não é o principal. Temos que manter a biodiversidade e rãs são parte da biodiversidade."

terça-feira, 22 de março de 2016

Crocodilo é filmado 'curtindo' tobogã em zoológico no Marrocos


Um crocodilo foi filmado se divertindo em uma espécie de tobogã em um jardim zoológico no Marrocos. A cena ganhou destaque ao ser compartilhada no YouTube. Desde o dia 9 de janeiro, o vídeo recebeu mais de 210 mil visualizações. Assista ao vídeo.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Tubarão em extinção fica preso a rede de pescador em Guarapari, ES


Um tubarão foi pescado na manhã desta segunda-feira (21), na costa da Enseada do Sol, região que abrange a Praia de Santa Mônica, em Guarapari, no Espírito Santo. O animal teria ficado preso à rede de um pescador que atuava na região. De acordo com o empresário Renato Ferraz, que estava no local e fez fotos do tubarão, um homem pescava em alto mar quando o animal ficou preso na rede. Ele contou que o tubarão foi levado ainda vivo pelo pescador até o cais da Aldeia de Perocão. Ainda segundo a testemunha, o pescador não quis se identificar por medo de represálias de órgãos ambientais. De acordo com o diretor do Instituto Orca, Lupércio Barbosa, trata-se de um Tubarão Mangona. “Espécie ameaçada de extinção devido à intensa captura comercial, tendo em vista qualidade e sabor da carne”, disse. Lupércio disse que a espécie é comum nos mercados de pesca, vendidos como cação, podendo atingir mais de 3 metros de comprimento. “É comum em águas costeiras rasas, como praias e baias. Não há registro de acidentes humanos com essa espécie”, esclareceu Lupércio.

Após 60 anos, estudo desvenda mistério sobre 'monstro Tully'



Após mais de meio século, pesquisadores conseguiram desvendar o mistério em torno de uma criatura bizarra apelidada de "monstro Tully", que viveu há cerca de 307 milhões anos no nordeste do estado de Illinois (EUA). Vestígios fossilizados de Tullimonstrum gregarium foram encontrados em 1955 pelo caçador de fósseis Francis Tully em Mason Creek, no estado do Illinois. Desde então, a origem evolutiva dessa espécie era um quebra-cabeças para os cientistas. Ao analisar numerosos fósseis da criatura, os pesquisadores chegaram à conclusão de seriam primos das lampreias. O "monstro Tully" media cerca de 30 centímetros e contava com uma espécie de cauda com dentes. Em um estudo publicado na semana passada na revista Nature, os pesquisadores destacaram que o "monstro Tully" era um vertebrado, com brânquias e uma haste rígida, ou notocorda, que funcionava como uma medula espinhal rudimentar. A pesquisa foi liderada pela paleontóloga Victoria McCoy, da Universidade de Leicester, na Inglaterra. "Como todos os fósseis excepcionais, tínhamos uma imagem muito clara do que parecia, mas nenhuma imagem clara do que era", disse Victoria. "Este quebra-cabeça vinha atormentado os paleontólogos", disse o paleontólogo Scott Lidgard, do Museu de História Natural Field, em Chicago, que possui 1.800 espécimes de Tullimonstrum Gregarium, o fóssil oficial do estado de Illinois.

domingo, 20 de março de 2016

Leão-marinho é flagrado abocanhando peixe na França


O fotógrafo Eric Gaillard flagrou um leão-marinho-de-Steller no momento em que vai abocanhar um peixe no zoo Marineland, em Antibes. O zoo está reabrindo seis meses depois de ter sido abalado por uma enchente na Riviera Francesa.

quarta-feira, 16 de março de 2016

Jacaré de estimação usa até roupas na Flórida




A americana Mary Thorn está brigando na Justiça para manter seu jacaré de estimação Lakeland, no estado da Flórida (EUA). A mulher cuida do réptil chamado Rambo há 11 anos, mas, como ele cresceu muito (tem quase dois metros), as autoridades de vida selvagem do estado disseram que Mary precisa de uma propriedade de 10 mil metros quadrados para continuar com o jacaré. Rambo, de 16 anos, usa roupas e monta na garupa da moto de Mary. O réptil tem, inclusive, seu próprio quarto na casa.Mary destacou que ela e Rambo são inseparáveis. Segundo ela, o réptil espera na porta quando ela sai sozinha.

Baleia cachalote é encontrada morta em praia na Indonésia



Uma baleia cachalote foi encontrada morta em uma praia de Bali, na Indonésia, na segunda-feira (14). O enorme mamífero marinho atraiu dezenas de pessoas, e algumas delas chegaram a depositar oferendas sobre a baleia.

terça-feira, 15 de março de 2016

Pescadores capturam lagosta com quatro garras


Uma lagosta com quatro garras foi exibida na última quinta-feira (10) em Portland, no estado do Maine (EUA). O crustáceo foi provavelmente capturado em águas canadenses antes de ser vendida para uma empresa atacadista de lagostas. A empresa disse que a lagosta será doada para um laboratório de pesquisa marinha.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Pesquisadores da Unesp descobrem rã que canta e acaricia para acasalar


Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Rio Claro descobriram uma nova espécie de rã com um sofisticado sistema de comunicação que envolve desde vocalizações a carícias entre machos e fêmeas utilizadas não só para fins de acasalamento, mas também para defesa de território. Encontrada na Serra do Japi, em Jundiaí (SP), as características físicas e comportamentais do Hylodes japi, a rãzinha-da-correnteza, foram descritas pela primeira vez em artigo publicado na revista PloS One por pesquisadores do Instituto de Biociências (IB) da Unesp. O pesquisador Fábio Perin de Sá explicou ao G1 que o projeto tem dois principais objetivos. "O primeiro interesse foi compreender qual espécie de Hylodes era a que ocorria na Serra do Japi. O segundo passo foi compreender a história natural da espécie, pois nada era conhecido. Com o estudo, há agora maior compreensão dos comportamentos relacionados à comunicação da espécie, principalmente relativos à reprodução", disse. Durante 15 meses, os pesquisadores estudaram uma população de rãs em um riacho, acompanhando seus hábitos e fazendo registros audiovisuais. "As informações geradas permitem a conservação efetiva da espécie. O estudo também apresenta resultados que contribuem para o entendimento da evolução da comunicação nos anuros de modo geral", explicou Sá. Segundo ele, foram identificadas e classificadas 18 sinalizações visuais realizadas por machos e fêmeas da espécie. Também foram descritos os diferentes cantos dos machos. O estudo dos dados coletados revelou a complexidade da comunicação da espécie. Sá explicou que existe um repertório amplo de sinais visuais e que eles podem ser combinados. O macho atrai a fêmea para seu território por meio de sinalizações visuais e sonoras. Ambos interagem com sinalizações visuais, sonoras e táteis. Os pesquisadores também descobriram que os machos usam seus sacos vocais duplos de modo independente para sinalizar, provavelmente melhorando sua performance durante a comunicação. Além de emitir diferentes tipos de sons, a rãzinha-da-correnteza utiliza um repertório de sinais visuais que nunca haviam sido descritos entre os anfíbios, como posições do pé, impulsos com os braços e movimentos de balançar e serpentear a cabeça. Após conseguir ser notado, o macho faz sinais com os dedos e movimentos de corpo e cabeça que demonstram seu “interesse”. Caso a fêmea não se interesse, ela mergulha na água e desaparece, fazendo com que o macho procure outra pretendente de imediato, voltando a vocalizar até que outra fêmea o aceite. O “sim” vem em forma de toques nas patas e no dorso, próximo à cabeça. "Após essa extensa interação, o casal mergulha no riacho-de-correnteza, habitat ao qual a espécie é associada, e deposita os ovos numa câmara subaquática, construída pelo macho no leito do riacho", explicou Sá.

domingo, 6 de março de 2016

Polvo 'gasparzinho' encontrado perto do Havaí pode ser de nova espécie


Uma embarcação subaquática de pesquisa avistou um polvo "fantasma" que aparentemente pertence a uma espécie previamente desconhecida a uma profundidade de mais de quatro mil metros no fundo do oceano Pacífico perto do Havaí, anunciaram cientistas norte-americanos. A criatura branca, apelidada de "Gasparzinho" por usuários do Twitter, foi capturada por câmeras instaladas na embarcação a uma profundidade de 4.290 metros, de acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA). "Este animal foi particularmente incomum porque não tinha as células de pigmento, chamadas cromatóforos, típicas da maioria dos cefalópodes, e não parece muito muscular", disse Michael Vecchione, um pesquisador da NOAA. Os cefalópodes pertencem a uma classe biológica que inclui os polvos e lulas. O animal "quase certamente" é de uma espécie nunca antes descrita pelos cientistas, e pode muito bem pertencer a um gênero que ainda não foi identificado, disse Vecchione no site da NOAA. Ele não pôde ser encontrado imediatamente para fazer mais comentários. A NOAA publicou um vídeo na Internet mostrando um animal pálido, de forma arredondada, com tentáculos longos. Sua aparência levou alguns usuários do Twitter a dizerem que se parece com o personagem de desenho animado "Gasparzinho".

sexta-feira, 4 de março de 2016

Cientistas monitoram ovos raros de 'dragões' em caverna na Eslovênia



Em uma caverna visitada por um milhão de turistas todos os anos, um anfíbio pouco estudado colocou ovos que estão causando grande expectativa. Acredita-se que o Proteus anguinus, o proteus, uma salamandra cega encontrado em rios de cavernas nos Bálcãs, viva por mais de cem anos, mas se reproduza apenas um ou duas vezes por década. Uma fêmea em um aquário da caverna Postojna, na Eslovênia, colocou entre 50 e 60 ovos - e três estão mostrando sinais de crescimento. O proteus é uma espécie de ícone na Eslovênia, onde aparecia em moedas antes da chegada do euro. Há centenas de anos, quando enchentes expulsavam as criaturas para fora das cavernas, eram tidas como bebês de dragões. Ninguém sabe quantos filhotes irão sair dos ovos e nem sequer quanto tempo isso vai levar. "No momento, parece que há três bons candidatos", diz à BBC Saso Weldt, um biólogo que trabalha na caverna. Ele e seus colegas tiraram fotos com exposição muito alta na escura caverna para reunir indícios de que os pequenos ovos estão se desenvolvendo. "Ela começou a colocar ovos em 30 de janeiro. Ela ainda está colocando um ou dois ovos por dia, e eles precisam de cerca de 120 dias até o animal nascer." Essa estimativa por alto, explica ele, é baseada no conhecimento adquirido com uma colônia dos anfíbios estabelecida na década de 1950 em um laboratório subterrâneo nos Pirineus franceses para estudar aspectos da vida biológica em cavernas. Mas lá eles vivem um uma água uma pouco mais quente, com temperatura de 11º C. "Na nossa caverna é um pouco mais frio, 9º C, então tudo vai durar mais." É uma oportunidade única de observar o enigmático proteus se reproduzindo na mesma caverna onde morou por milhões de anos. "É muito significativo porque não há muitos dados sobre a reprodução deste grupo de animais", disse Dusan Jelic, pesquisadora do programa Edge da Sociedade Zoológica de Londres que estuda proteus mergulhando em cavernas na Croácia. Se os filhotes saírem do ovo e se desenvolverem com saúde, seria algo "maravilhoso", segundo Jelic. "Na natureza, nunca achamos ovos ou larvas. Eles estão provavelmente escondidos em localidades específicas dentro do sistema das cavernas", afirma. Postojna tem um sistema de cavernas desse tipo, com sua própria população de proteus selvagens. Mas esses ovos, especificamente, foram colocados em um aquário da movimentada área aberta para visitantes da caverna. "Isso é muito legal - é extraordinário", diz Primoz Gnezda, outro biólogo que trabalha na caverna Postojna. "Mas também estamos com medo de que algo dê errado, porque os ovos são muito sensíveis." Como os únicos vertebrados de caverna da Europa, o proteus está muito adaptado a seu reino subterrâneo e protegido: cavernas criadas à medida que a água abre caminho entre rochas solúveis. "Por 200 milhões de anos eles estavam em um ambiente que não mudou", disse Jelic. Como consequência, os animais - e principalmente seus ovos - estão muito vulneráveis a mudanças na qualidade da água e temperatura. Mesmo as mudanças das estações mal são percebidas no subsolo.

Pesquisadores descobrem nova espécie de perereca na Amazônia


Uma nova espécie de perereca foi descoberta por pesquisadores no Amapá e na Guiana Francesa. O animal tem como características membros em tons avermelhados e os olhos com pupilas douradas. O nome da espécie, Hypsiboas diabolicus, faz referência a um personagem do carnaval francês chamado "diable rouge". Um artigo foi publicado em fevereiro na revista internacional Zootaxa, divulgando características do animal. O amapaense Jucivaldo Lima é um dos pesquisadores que trabalharam na identificação do animal. Ele diz que o anfíbio foi encontrado nos municípios de Laranjal do Jari, Mazagão e Oiapoque, no Amapá, além da Guiana Francesa. "Em um dos estudos de campo, o pesquisador francês Antoine Fouquet detectou que tinha uma perereca que ele achava que era algo novo. Ele entrou em contato comigo e começamos a levantar essa hipótese", explicou o pesquisador do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa). O estudo iniciou em 2011 e encerrou com a publicação do artigo, em fevereiro de 2016. Segundo Lima, a partir da divulgação da descoberta da nova espécie, outras pesquisas poderão ser feitas sobre o animal. "A partir dessa divulgação, as pessoas começam a prestar mais atenção nos animais próximo de casa e quem sabe o descobrimos em novos lugares. Estamos contribuindo para aumentar a diversidade da Amazônia, divulgando informações científicas e a partir de agora podem ser feitos novos estudos para conhecer ainda mais essa espécie", disse Lima. O artigo, que descreve características como genética, descrição do girino e vocalização da espécie, teve contribuição de pesquisadores de São Paulo, Bélgica e Califórnia.