PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Água-viva. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Água-viva. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

A misteriosa água-viva de apenas dois centímetros que cientistas acreditam ser imortal


O ser humano sempre desejou a imortalidade, buscando a fonte da juventude, o elixir da vida eterna. Também povoou suas mitologias, religiões e histórias com seres, deuses e heróis que nunca morrem. Mas, na vida real, quem conseguiu esse feito foi uma pequena água-viva de não mais do que dois centímetros de diâmetro. Depois de milhões de anos de evolução, esse bicho conquistou um poder de regeneração fantástico e não morre de causas naturais - só quando atacado por predadores. Por isso, em tese, pode viver para sempre. Batizada de Turritopsis nutricula, é uma das cerca de 4 mil espécies de águas-vivas conhecidas no planeta. Foi descoberta em 1843 pelo zoólogo francês René-Primevère Lesson. Mas só mais recentemente sua capacidade de viver para sempre foi reconhecida. Há duas versões sobre o achado dessa característica inusitada. De acordo com uma delas, a imortalidade da Turritopsis nutricula foi encontrada por acaso, em 1988, pelo então estudante alemão de biologia marinha Christian Sommer. Ele passava férias de verão na Riviera Italiana, no Mar Mediterrâneo, e aproveitava para coletar espécies de hidrozoários para uma pesquisa. Nessa empreitada, acabou capturando a pequena e intrigante água-viva. Sommer levou o animal para o laboratório e o observou por vários dias. Ficou espantado com o que viu. O animal simplesmente não morria. Pelo contrário, parecia que estava seguindo caminho inverso do envelhecimento e da morte, tornando-se cada vez mais "jovem". A água-viva chegou até a regredir a sua primeira fase de desenvolvimento, reiniciando seu ciclo de vida novamente. E assim continuou sucessivamente, envelhecendo e rejuvenescendo, para voltar a envelhecer e rejuvenescer. A outra versão diz que a descoberta da imortalidade da Turritopsis nutricula foi feita pelo pesquisador japonês Shin Kubota, hoje um dos maiores especialistas do mundo nesse animal. Kubota descobriu o poder de rejuvenescimento ou regeneração dessa água-viva quando encontrou, no mar do sul do seu país, uma delas cheia de espinhos em seu corpo. Ao arrancá-los, percebeu que as feridas se curavam. e o bicho rejuvenescia. Entre 2009 e 2011, o pesquisador repetiu a experiência 12 vezes, ferindo as águas-vivas. Em todas elas, aconteceu a mesma coisa: elas se regeneravam e voltavam ao estágio inicial do seu ciclo de vida. De acordo com o professor de zoologia Antonio Carlos Marques, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP), a Turritopsis nutricula é imortal "no sentido de que seus tecidos rejuvenescem e fases de vida regridem, no melhor estilo Benjamin Button". Marques se refere ao filme O curioso caso de Benjamin Button, de 2008, no qual o personagem principal, interpretado pelo ator Brad Pitt, nasce com aparência de idoso e vai ficando cada vez mais jovem à medida que o tempo passa. Essa capacidade de se regenerar continuamente não significa que a água-viva nunca morra. O animal pode ser comido por um predador, por exemplo. "É algo como os highlanders: são imortais até que sua cabeça seja cortada", compara Marques, agora em referência a outro filme, Highlander - O guerreiro imortal, de 1986. O pesquisador Sérgio Stampar, do Laboratório de Evolução e Diversidade Aquática do campus de Assis da Universidade Estadual Paulista (Unesp) explica que essa espécie de água-viva tem a capacidade de passar por um processo de reestruturação de tecidos (um tipo de regeneração) e voltar ao estágio inicial de vida, mesmo depois de atingir a maturidade sexual. "Fazendo uma analogia, seria como se nós adultos pudéssemos voltar ao estágio de bebê", explica. Em tese, esse processo de regeneração da água-viva poderia acontecer para sempre.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

Pesquisadores filmam água-viva com 'beleza deslumbrante' no Pacífico


Pesquisadores descobriram uma água-viva de aparência bizarra, que apresenta longos tentáculos, durante uma exploração perto da fossa das Marianas, que é local mais profundo dos oceanos, com uma profundidade de mais de 11 mil metros. Os cientistas identificaram a água-viva como um hidrozoário pertencente ao género Crossota. A equipe disse ter se surpreendido pela beleza deslumbrante da água-viva, que foi filmada enquanto os pesquisadores exploravam o local com um veículo operado remotamente. Publicado no YouTube no dia 24 de abril, o vídeo recebeu mais de 1,1 milhão de visualizações. A fossa das Marianas fica no oceano Pacífico.