PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Brasileiro. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Brasileiro. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Tubarões são influenciados pela Lua, aponta estudo liderado por brasileiro


Fatores ambientais como as fases da lua ou a temperatura da água afetam o comportamento de uma espécie de tubarão, aponta um estudo realizado por pesquisadores da Universidade Ocidental da Austrália liderados pelo cientista brasileiro Gabriel Vianna, da mesma instituição. A pesquisa foi publicada no periódico "PLoS One", informaram agências internacionais nesta terça-feira (16). Junto com a equipe de Vianna, trabalharam cientistas do Instituto Australiano de Ciência Marinha, ligado ao governo do país. Eles passaram quase três anos monitorando tubarões-cinzentos-dos-recifes (da espécie Carcharhinus amblyrhynchos), na costa de Palau, no Oceano Pacífico. Foram etiquetados 39 tubarões. Os pesquisadores também usaram telemetria acústica para segui-los, e descobriram que os animais permaneciam em águas profundas durante a lua cheia e subiam para águas mais rasas na lua nova. Padrões similares já tinham sido registrados em outras espécies de peixes, como o peixe-espada (Xiphias gladius), o albaroca-da-laje (Thunnus albacares) e o atum patudo (Thunnus obesus), sugerindo que o comportamento do tubarão-cinzento-dos-recifes estaria relacionado com a alimentação. Segundo a pesquisa, o comportamento também pode ser uma resposta aos predadores. 

Os animais podem evitar a luz próxima da superfície para que não se tornem presas fáceis de outros tubarões. "Também descobrimos que o comportamento do tubarão-cinzento-dos-corais está relacionado com a temperatura da água", explicou Gabriel Vianna à AFP. Os animais estudados, em sua maioria fêmeas adultas, mergulharam a uma profundidade média de 35 metros no inverno, ficando em uma região mais rasa quando águas profundas eram mais mais frias. Já na primavera, com a elevação das temperaturas em geral, eles se arriscaram mais fundo e foram a 60 metros. No verão, quando a camada mais quente da superfície da água se expandiu, os tubarões tenderam a se mover em profundidades variadas. Para os pesquisadores, devido ao fato de serem animais de sangue frio, os tubarões podem preferir águas mais quentes para poupar energia. 

O estudo também mostrou que a hora do dia pode influenciar o mergulho dos animais. "Nós ficamos surpresos ao ver tubarões indo cada vez mais fundo durante a manhã e o padrão exatamente inverso à tarde, gradualmente subindo em direção à superfície", relatou Vianna. Para o pesquisador brasileiro, o estudo tem implicações na preservação da espécie, pois o comportamento dos tubarões ao mergulhar pode evitar que sejam capturados em diferentes horas do dia. "Em lugares como o Palau, que depende fortemente do turismo marinho e onde os tubarões são uma atração turística, a pesca de algumas dezenas de tubarões em populares áreas de mergulho poderia ter um impacto muito negativo na economia nacional", explicou.