PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Canadá. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Canadá. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O que é a estranha criatura em forma de pepino invadindo as praias dos EUA e do Canadá



A costa oeste da América do Norte foi invadida nos últimos meses por estranhas criaturas marinhas. Milhões delas apareceram desde o norte da Califórnia até o sul do Alasca, provocando danos às redes de pescadores e intrigando os cientistas. Ainda que pareça um único animal, os Pyrosoma são colônias de forma tubular e consistência gelatinosa, formadas por centenas de milhares de pequenos organismos que se reproduzem de forma assexuada, clonando-se a si mesmos e conectados por tecidos. Um Pyrosoma pode medir até 60 cm de comprimento, e seu corpo brilha no escuro. O mistério para os cientistas é que os Pyrosoma são normalmente encontrados em águas tropicais e longe da costa, condições bem diferentes das encontradas nos locais em que estão surgindo nos EUA e no Canadá. Ric Brodeur, biólogo da NOAA, a agência de oceanografia do governo americano, diz que a abundância de Pyrosoma está vinculada às condições climáticas ao longo da costa oeste nos últimos anos, que estão mais quentes que o normal. A primeira colônia foi vista em 2012, na Califórnia. E desde então, têm se multiplicado gradualmente e se expandido até o norte. Segundo a NOAA, sua população disparou nos últimos meses. Os Pyrosoma se parecem com medusas, mas não picam ou queimam. Mas causam grandes dores de cabeça para os pescadores, que não conseguem trabalhar em um mar repleto com as criaturas. Os cientistas não sabem se os animais permanecerão tempo suficiente nas águas para causar alterações significativas na cadeia alimentar. E ainda que se reproduzem rapidamente, uma mudança de condições climáticas pode reduzir drasticamente sua população. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, a bióloga-marinha Lisa-Ann Gershwin explicou que explosões populacionais semelhantes tinham sido registradas anteriormente em outras regiões pouco imagináveis, como águas subantárticas.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Fotógrafa flagra orca saltando fora da água e capturando toninha no Canadá


A fotógrafa americana Nina Richardson Bowling, de 59 anos, registrou uma imagem incrível de uma orca saltando fora da água para capturar uma toninha na baía Discovery, na província da Colúmbia Britânica, no Canadá. Nina contou que ela e um grupo de turistas estavam retornando de um passeio para observar ursos-cinzentos, quando viram algumas orcas perseguindo uma toninha. O capitão até parou o barco para que os turistas pudessem assistir à caçada. Segundo a fotógrafa americana, todos ficaram fascinados com a cena que se desenrolava na frente deles. "Por um breve tempo, parecia que toninha iria escapar, mas uma das orcas foi implacável", afirmou Nina.

sábado, 4 de julho de 2015

Menino de 9 anos fisga peixe gigante em rio no Canadá


Um menino de nove anos fisgou um peixe enorme, que pesava dez vezes seu próprio peso, no rio Fraser, na província da Columbia Britânica, no Canadá. O garoto americano Kegan Rothman fisgou o esturjão com peso estimado de 270 quilos e mais de 3 metros durante pescaria com o pai. O menino disse que lutou com o peixe por duas horas antes de finalmente conseguir puxá-lo até a borda do rio. "Eu senti como se estivesse prestes a desmaiar", disse Kegan. "Eu pensei que não iria conseguir puxá-lo", acrescentou o menino. Após o peixe ser medido e filmado, Kegan o soltou novamente no rio Fraser.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Foca luta com polvo gigante no litoral do Canadá





Uma luta entre uma foca e um polvo gigante do Pacífico chamou a atenção de um grande grupo de pessoas na cidade de Victoria, na Columbia Britânica, no litoral pacífico do Canadá. Bob Ianson, de 59 anos, era uma das pessoas presentes. Ele passeava com a esposa, uma filha e um neto, quando avistou a foca envolvida pelos tentáculos do polvo. Como tinha uma câmera à mão, registou a batalha. "Foi inacreditável", disse Ianson. "Essa foca tem provavelmente mais de um 1,30 metro de comprimento", disse à rede CBC. O duelo ocorreu na segunda-feira (9). Ianson disse que a luta, que ocorreu a apenas uns 2 metros da margem, atraiu uma multidão de várias dezenas de pessoas. "Era quase como se a foca estivesse trazendo o polvo até a superfície para mostrar o que ela tinha capturado", contou. De acordo com o Aquário de Vancouver, as imagens são raras, mas esse tipo de "combate" não é. "Os polvos são parte regular da dieta da foca que vive no porto", explicou o biólogo do aquário Chad Nordstrom. O aquário tinha apenas uma fotografia de uma luta entre os dois animais, feitas por um mergulhador há muitos anos, disse Nordstrom. Segundo a CBC, o molusco fotografado por Ianson é um adulto de polvo gigante do Pacífico, que geralmente chegam a pesar 15 kg, mas podem também ser muito maiores.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Pescador filma tubarão-vaca tentando roubar peixe no Canadá


Um pescador canadense filmou o momento em que um tubarão vaca tentava roubar um peixe que ele havia fisgado na costa do Canadá. Na gravação, é possível ver o pescador cortar a linha e, em seguida, o turbarão e o peixe nadarem para o fundo. Assista ao vídeoSegundo sites especializados, os tubarões vacas são pouco conhecidos, pois passam a maior parte de suas vidas em águas profundas e geladas. No entanto, às vezes, algumas das espécies desse tipo de tubarão aparece em águas rasas para se alimentar e dar à luz. Os tubarões vacas fazem parte da família Hexanchidae, sendo que existem 37 espécies diferentes. Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2014/11/pescador-filma-tubarao-vaca-tentando-roubar-peixe-no-canada.html

sábado, 26 de abril de 2014

Baleias-jubarte não serão mais protegidas por lei no Canadá

 
Ambientalistas e a oposição no Canadá denunciaram o governo pela decisão de diminuir a proteção das baleias-jubarte e o acusam de facilitar um controverso projeto de oleoduto. Alegando basear-se em dados científicos, o governo canadense anunciou no sábado (19), no jornal oficial, que o mamífero, o maior do planeta depois da baleia azul, será considerado a partir de agora "uma espécie preocupante" e não mais uma "espécie ameaçada". Por causa desta distinção, o hábitat do mamífero deixará de ser protegido por lei. A decisão foi tomada de forma "incrivelmente rápida", declarou Jay Ritchlin, da Fundação David Suzuki, uma das organizações ecologistas mais influentes do país. Ele considerou "inquietante" que esta modificação tenha ocorrido "no mesmo momento em que se estuda um grande projeto de desenvolvimento", em alusão ao projeto de oleodutos Northern Gateway. O principal partido da oposição no Parlamento canadense, o Novo Partido Democrático (NPD, esquerda), acusou o governo conservador de querer "satisfazer seus amigos da indústria petroleira e abrir a porta ao projeto de oleodutos Northern Gateway". Empreendido pelo grupo canadense Embridge, o projeto Northern Gateway, de 1.200 km, pretende transportar 525.000 barris de petróleo por dia ao longo do litoral pacífico canadense da província de Alberta (oeste) através das Montanhas Rochosas. O duplo oleoduto projetado concluiria sua trajetória ao norte da província da Columbia Britânica, no porto de Kitimat, em uma região desabitada próxima à fronteira com o Alasca. No jornal oficial, o governo destacou ter agido após a apresentação, em 2011, de um informe realizado por um comitê independente de cientistas, que destacou a existência de 'grande abundância da espécie' ao longo da costa do Pacífico canadense. A baleia-jubarte foi oficialmente declarada espécie ameaçada em 2005 por recomendação de um painel de especialistas. Em 2003, um informe independente registrava "umas centenas" de exemplares do cetáceo. O governo estima que atualmente, a população da espécie seja de 18.000 exemplares.

sábado, 23 de novembro de 2013

Dupla salva tubarão que estava engasgado com alce no Canadá


Os canadenses Derrick Chaulk e Jeremy Ball salvaram um tubarão de 2,5 metros que estava engasgado com um grande pedaço de alce em Norris Arm North, na província de Terra Nova, no Canadá. O animal poderia ter morrido por asfixia. Em entrevista à emissora de TV "CBC", Derrick Chaulk disse que estava dirigindo por uma estrada perto do porto de Norris Arm North, no último sábado, quando viu o que ele pensava ser uma baleia encalhada. Quando se aproximou para investigar, ele percebeu que era um tubarão. O animal ainda estava vivo e tinha um grande pedaço de alce saindo de sua boca. Chaulk disse que ele e outro homem, Jeremy Ball, começaram a puxar o pedaço de alce para resgatar o tubarão. Em seguida, eles usaram uma corda e puxaram o tubarão de volta para o mar.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Canadá inaugura o maior aquário do país em Toronto




Depois de dois anos de construção, alguns atrasos e quase 130 milhões de dólares gastos, foi inaugurado nesta quarta-feira (16) o Ripley's Aquarium of Canada em Toronto, anunciado como o maior do país. O aquário é o lar de mais de 13 mil animais aquáticos e 450 espécies diferentes que se dividem em cerca de seis milhões de litros de água.

sábado, 22 de junho de 2013

Biólogos avistam no Canadá a primeira baleia negra em 60 anos


Uma baleia negra do Pacífico Norte, um dos animais mais ameaçados de extinção do mundo, foi avistada nos últimos dias pela primeira vez em mais de 60 anos na costa ocidental do Canadá, anunciou nesta quinta-feira (20) o ministério de Pesca e Oceanos. Um navio da guarda-costeira canadense que cruzava as Ilhas da Rainha Carlota, na fronteira com o estado americano do Alasca, pôde observar o animal em várias ocasiões. "Quando percebemos o que estávamos vendo, não podíamos acredita"', declarou em um comunicado James Pilkington, biólogo do ministério a bordo do navio. A baleia negra foi vista em águas canadenses apenas seis vezes durante o século 20, a última há 60 anos. A espécie é considerada uma das mais ameaçadas do planeta. Esta baleia de pele negra e mandíbula curva pode medir até 17 metros e pesar 90 toneladas. Durante o século 19, foi capturada intensivamente, até que nos anos 1960 sua pesca foi declarada ilegal. Calcula-se que restem entre 300 e 400 espécimes no Canadá, Alasca e Mar de Behring.