PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador ES. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador ES. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Jacaré em extinção é visto em Rodovia Norte-Sul, na Serra


Um jacaré em extinção foi visto atravessando a Avenida Norte-Sul, no bairro Barcelona, na Serra, na região da Grande Vitória, por volta de 3h da madrugada desta quinta-feira (20). Capturar ou matar o animal sem autorização prevê multa de R$ 5 mil e até um ano de prisão. A analista ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Natuais (IBAMA), Andreia Diogo, explicou que apesar das raras aparições de jacarés-de-papo-amarelo, a espécie é comum na região pela quantidade de lagoas próximas, como a lagoa de Jacunem e as que ficam na área da empresa Arcelormittal. A espécie está em extinção segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites). Para a analista, o deslocamento do animal pode ter acontecido pela superpopulação da espécie nas lagoas da Arcelormittal, e que pode ter ido em busca de mais alimento e menos competição. Andreia orientou para que, caso um animal silvestre seja avistado, as secretarias municipais de meio ambiente devem ser acionadas. E alertou que pessoas despreparadas não devem tentar espantar um jacaré, por serem grandes e apresentarem riscos. “Encontrou um animal na área urbana, se ele não apresenta risco tem que espera o animal se deslocar. Se o animal apresenta risco, deve entrar em contato com a secretaria de meio ambiente. Se o jacaré estiver em um valão, ele está caminhando. Se o animal estiver debilitado, pode entrar em contato com o IBAMA”, explicou. Todos os animais silvestres são protegido pela lei 9.605/98 do Código Ambiental. O artigo 29 da lei prevê prisão de seis meses a um ano e multa de R$ 500, para um animal não ameaçado, a R$ 5 mil, para espécies em listas de extinção. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente informou que estão recolhendo apenas animais feridos e que capacitou os municípios para que façam o serviço. A Polícia Ambiental Militar informou que foi acionada, porém o animal já havia retornado para a mata.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Baleia jubarte é encontrada morta em Vila Velha, ES


Uma baleia jubarte morta encalhou próximo ao Morro do Moreno, em Vila Velha, na última segunda-feira, 12/09. O diretor do Instituto Orca, Lupércio Araújo, disse que a baleia está em estado de decomposição e em um local de difícil acesso para a máquina usada na remoção do animal. O militar da reserva Carlos Salles fez imagens da baleia na tarde de domingo (11), em Vitória. Nesta segunda-feira (12), ela foi levada pela maré até uma região próxima ao mangue, em Vila Velha. Moradores da região reclamam do mau cheiro, mas, segundo Lupércio, ainda não é possível fazer a retirada do animal. “No local onde ela está agora a máquina não chega. Vamos ter que esperar pra ver se a maré leva ela para outro lugar para que possa ser removida. Caso contrário, vai dar trabalho, vamos precisar da ajuda do Porto se ela encalhar mesmo aqui onde está agora”, disse. Lupércio disse ainda que a baleia é um semi adulto, tem cerca de oito metros e 10 toneladas. A Prefeitura de Vila Velha informou que comunicou aos órgãos competentes sobre a presença da baleia na orla do município. Caso a baleia, com a ajuda da maré, chegue à areia da praia a prefeitura providenciará a sua retirada.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Tubarão em extinção fica preso a rede de pescador em Guarapari, ES


Um tubarão foi pescado na manhã desta segunda-feira (21), na costa da Enseada do Sol, região que abrange a Praia de Santa Mônica, em Guarapari, no Espírito Santo. O animal teria ficado preso à rede de um pescador que atuava na região. De acordo com o empresário Renato Ferraz, que estava no local e fez fotos do tubarão, um homem pescava em alto mar quando o animal ficou preso na rede. Ele contou que o tubarão foi levado ainda vivo pelo pescador até o cais da Aldeia de Perocão. Ainda segundo a testemunha, o pescador não quis se identificar por medo de represálias de órgãos ambientais. De acordo com o diretor do Instituto Orca, Lupércio Barbosa, trata-se de um Tubarão Mangona. “Espécie ameaçada de extinção devido à intensa captura comercial, tendo em vista qualidade e sabor da carne”, disse. Lupércio disse que a espécie é comum nos mercados de pesca, vendidos como cação, podendo atingir mais de 3 metros de comprimento. “É comum em águas costeiras rasas, como praias e baias. Não há registro de acidentes humanos com essa espécie”, esclareceu Lupércio.