PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Projeto Tamar. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Projeto Tamar. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tartarugas marinhas serão monitoradas na costa do ES atingida pela lama da Samarco


As tartatugas marinhas que costumam visitar o litoral Norte do Espírito Santo serão monitoradas durante cinco anos, pelo projeto Tamar e pela Fundação Renova. O estudo será realizado em 156 km de praia, de Aracruz a Conceição da Barra. Possíveis danos aos animais provocados pela lama da barragem da Samarco serão avaliados. A ideia é avaliar aspectos como reprodução, alimentação e desova, por exemplo, para identificar se houve mudanças na dinâmica das tartarugas do litoral capixaba. Por serem espécies ameaçadas de extinção, podem ser mais sensíveis a mudanças no ambiente. Por isso, o resultado desse monitoramento é um indicador fundamental para avaliar as ações de reparação ambiental executadas pela Renova, após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, que levou lama com sedimentos de minério do Rio Doce até o mar. Os trabalhos começam nos próximos dias e os primeiros resultados serão compartilhados com os órgãos ambientais seis meses após o início do estudo. O levantamento será realizado durante todo o ano e reforçado no período de desova das tartarugas, de setembro a março, quando o monitoramento ocorrerá durante o dia e também no período da noite. Entre os locais monitorados estão áreas como Reserva Biológica de Comboios, a Terra Indígena de Comboios, Povoação, Monsarás, Cacimbas, Ipiranga, Ipiranguinha, Pontal do Ipiranga, Barra Seca/Urussuquara, Campo Grande, Barra Nova e Guriri. A execução das atividades irá mobilizar mão de obra local – pescadores e moradores tradicionais da costa – para detecção e monitoramento das fêmeas, ninhos e filhotes, levando em conta também o conhecimento tradicional da população. Todo o trabalho será supervisionado por técnicos e estagiários para possibilitar os estudos de distribuição espacial e temporal dos ninhos, proteção, identificação das espécies e avaliação do sucesso reprodutivo. As equipes serão alocadas nas bases do Tamar ao longo da área a ser estudada e serão geridas pelos técnicos do Centro Tamar/Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

domingo, 8 de novembro de 2015

Projeto Tamar retira ninhos de tartaruga do Rio Doce, no ES


A lama das barragens que se romperam em Minas Gerais pode trazer graves prejuízos para a fauna e a flora do Rio Doce no Espírito Santo. Na vila de Regência, em Linhares, o Projeto Tamar começou a remover os ninhos de tartarugas depositados próximos à foz do rio, neste sábado (7). De acordo com o coordenador nacional do Projeto Tamar, o litoral norte do estado, principalmente a foz do rio Doce, é uma importante área de concentração de desovas da tartaruga gigante. "Estamos transferindo os ninhos para áreas distantes da foz, que são mais seguras. A foz é uma área de criadouros de tartarugas e de outros animais. Se a lama chegar em grande quantidade, é um risco muito grande para essas espécies", contou o coordenador. Essa não é a única medida preventiva do projeto, que está monitorando a situação do rio junto com o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema). Além da retirada dos ninhos, o Tamar vai auxiliar a Prefeitura de Linhares, junto ao Iema, a abrir a boca da barra do rio para que a lama chegue mais rápida no mar, onde é melhor diluída. A abertura estava prevista para os próximos dias com o objetivo de ajudar pescadores prejudicados com a seca que não conseguem mais atravessar o rio. Entretanto, foi antecipada, com a autorização de órgãos ambientais, após o rompimentos das barragens da mineradora Samarco. Objetivo é evitar que os animais entrem em contato com a lama (Foto: Divulgação/ Projeto Tamar) Objetivo é evitar que os animais entrem em contato com a lama (Foto: Divulgação/ Projeto Tamar) "Assim, a lama chega mais rápida no mar, onde é melhor diluída. Era necessário a medida para amenizar os efeitos nos animais que vivem na foz", destacou Joca. Apesar dos prejuízos, o Projeto Tamar destaca que não há riscos de inundação na vila e nem de corte no abastecimento de água. "O prejuízo é ambiental. Não teremos enchente na vila porque ela fica localizada em uma região alta. O abastecimento também é garantido porque há outros lagos e lagoas na região em caso de emergência", disse o coordenador nacional. Tragédia Duas barragens da mineradora Samarco se romperam na tarde desta quinta-feira (5), no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central de Minas Gerais. De acordo com o Corpo de Bombeiros em Ouro Preto, pessoas estão soterradas e algumas ilhadas. *Com colaboração de Caíque Verli, do jornal A Gazeta.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Projeto Tamar de Ubatuba recebe filhotes albinos de tartaruga marinha


Oito filhotes de tartarugas marinhas albinas, consideradas raras, chegaram ao Projeto Tamar de Ubatuba, no litoral Norte de São Paulo. Os animais, que vieram de Campos dos Goytacazes, (RJ) em dezembro, estão na área de visitação do projeto desde terça-feira (20). Os filhotes são da espécie tartaruga-cabeçuda e foram encontradas em um ninho com 118 filhotes. Apenas essas oito que vieram para em Ubatuba (SP), referência no tratamento deste tipo de réptil, nasceram albinas. O albinismo é a falta de pigmentação na pele (ausência de cor) por fatores genéticos e é um fenômeno muito raro em tartarugas marinhas. Por isso, esses filhotes foram levados para o Tamar, que estuda a biologia destes animais. O projeto atua no litoral norte. Segundo a coordenadora do projeto, Berenice Gomes da Silva, estes animais são muito frágeis e têm poucas chances de sobreviver na natureza. Ela explicou que, em cativeiro e sob cuidados especiais, essas chances aumentam. “Durante todo o dia os animais recebem alimentação que é feita individualmente. Para isso, fazemos um sistema de rodízio entre os funcionários e também na exposição para o público”, explicou. A coordenadora explicou ainda que além do controle de peso, as tartarugas albinas recebem uma iluminação especial. “Com a despigmentação da pele, elas ficam mais sensíveis a luz do sol, por isso recebem uma iluminação especial usada para répteis. Sem estes cuidados dificilmente elas sobreviveriam na natureza”, disse. As tartarugas nasceram no dia 20 de dezembro de 2014 na Praia do Gargaú, em Campos dos Goytacazes e foram trazidas para o centro do Tamar em Ubatuba na véspera de Natal. Elas passaram por um período de isolamento. Essa não é a primeira vez que o Tamar em Ubatuba recebe animais como estes. Em 1994, dois filhotes albinos, também nascidos no Rio de Janeiro, foram levados para o local. O Projeto Tamar em Ubatuba fica na rua Antonio Athanásio, 273, na praia de Itaguá. O horário de funcionamento durante férias escolares é das 10h às 20h, todos os dias da semana.