PESQUISE NA WEB

segunda-feira, 10 de julho de 2017

México vai usar golfinhos treinados pela Marinha dos EUA para salvar botos em extinção



O governo do México planeja usar golfinhos treinados pela Marinha americana para tentar salvar populações de botos-do-pacífico, o mamífero marinho mais raro do mundo e que está à beira da extinção. Rafael Pacchiano, ministro de Meio Ambiente do México, explicou que os golfinhos serão usados para localizar grupos de botos em pontos escondidos no oceano. Esses grupos serão então capturados e transportados a um santuário que o governo mexicano promete criar no mar de Cortés, no oeste do país, para que os animais se reproduzam sem a ameaça de predadores. Cientistas estimam que haja menos de 40 desses mamíferos ainda vivos em seu habitat natural, no Golfo da Califórnia. Pacchiano diz que o projeto com golfinhos deve começar em setembro. "Passamos o último ano trabalhando junto à Marinha americana com um grupo de golfinhos treinados para encontrar áreas inexploradas", afirmou o ministro à rádio Fórmula, do México. "Vamos capturar o maior número de botos possível para ter a oportunidade de salvá-los." Esses golfinhos já estão capacitados para encontrar mergulhadores perdidos no mar e agora praticarão a busca de seus "primos" botos. Na semana passada, o governo mexicano também anunciou o veto permanente ao uso de redes de pesca em uma área de mil quilômetros do Golfo da Califórnia. As redes -- usadas sobretudo na pesca de camarões e do peixe totoaba -- são a principal causa de morte dos botos-do-pacífico, conhecidos localmente como vaquitas. O ator americano Leonardo Dicaprio, que criou uma campanha para salvar os botos, elogiou o veto pelo Ttwitter e agradeceu o presidente do México, Enrique Peña Nieto. Uma proibição temporária, que vigorava desde 2015, foi considerada ineficaz, o que levou a organização ambiental WWF a pedir que ela fosse estendida e devidamente aplicada.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

O que é a estranha criatura em forma de pepino invadindo as praias dos EUA e do Canadá



A costa oeste da América do Norte foi invadida nos últimos meses por estranhas criaturas marinhas. Milhões delas apareceram desde o norte da Califórnia até o sul do Alasca, provocando danos às redes de pescadores e intrigando os cientistas. Ainda que pareça um único animal, os Pyrosoma são colônias de forma tubular e consistência gelatinosa, formadas por centenas de milhares de pequenos organismos que se reproduzem de forma assexuada, clonando-se a si mesmos e conectados por tecidos. Um Pyrosoma pode medir até 60 cm de comprimento, e seu corpo brilha no escuro. O mistério para os cientistas é que os Pyrosoma são normalmente encontrados em águas tropicais e longe da costa, condições bem diferentes das encontradas nos locais em que estão surgindo nos EUA e no Canadá. Ric Brodeur, biólogo da NOAA, a agência de oceanografia do governo americano, diz que a abundância de Pyrosoma está vinculada às condições climáticas ao longo da costa oeste nos últimos anos, que estão mais quentes que o normal. A primeira colônia foi vista em 2012, na Califórnia. E desde então, têm se multiplicado gradualmente e se expandido até o norte. Segundo a NOAA, sua população disparou nos últimos meses. Os Pyrosoma se parecem com medusas, mas não picam ou queimam. Mas causam grandes dores de cabeça para os pescadores, que não conseguem trabalhar em um mar repleto com as criaturas. Os cientistas não sabem se os animais permanecerão tempo suficiente nas águas para causar alterações significativas na cadeia alimentar. E ainda que se reproduzem rapidamente, uma mudança de condições climáticas pode reduzir drasticamente sua população. Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, a bióloga-marinha Lisa-Ann Gershwin explicou que explosões populacionais semelhantes tinham sido registradas anteriormente em outras regiões pouco imagináveis, como águas subantárticas.

terça-feira, 4 de julho de 2017

Como o asteroide que extinguiu os dinossauros levou à multiplicação de espécies de sapo


A enorme diversidade de sapos que existe hoje é sobretudo uma consequência do asteroide que extinguiu os dinossauros, afirma um estudo. A pesquisa diz que populações de sapos explodiram após a extinção dos dinossauros, há 66 milhões de anos. Trata-se de uma contradição a evidências anteriores que sugeriram uma origem mais antiga de muitos grupos de sapos. O trabalho, realizado por uma equipe de pesquisadores chineses e americanos, foi divulgado na publicação científica "PNAS". Os sapos se tornaram um dos grupos mais diversos de vertebrados, com mais de 6,7 mil espécies descritas. Mas a falta de dados genéticos dificultou as tentativas de determinar sua história evolutiva. O novo estudo mostra que as três maiores linhagens de sapos modernos - que juntos correspondem a 88% das espécies de sapos - apareceram quase simultaneamente. Essa impressionante diversificação de espécies parece ter ocorrido logo após o choque do asteroide com a Terra, na região que hoje é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México. Ao liberar um bilhão de vezes mais energia do que uma bomba atômica, o impacto eliminou três quartos da vida na Terra. Mas também parece ter estabelecido a base para o surgimento dos sapos. Os cientistas recolheram uma amostra de 95 genes do DNA de 156 espécies de sapos. Eles então combinaram esses dados com informações genéticas de 145 outras espécies para fazer uma "árvore genealógica" de sapos com base em suas relações genéticas. Usando fósseis de sapo como "o verdadeiro embasamento" dos dados genéticos, os pesquisadores puderam criar um cronograma de sua árvore genealógica. Os três grandes grupos de sapos - Hyloidea, Microhylidae e Natatanura - têm suas origens na expansão que ocorreu há 66 milhões de anos.

segunda-feira, 3 de julho de 2017

Conheça algumas das maiores fazendas de crocodilo do mundo na Tailândia




A Tailândia abriga algumas das maiores fazendas de crocodilo do mundo, onde turistas podem ver répteis gigantes descansando sob o sol quente, se alimentando de frango ou nadando em piscinas verde-esmeralda. Cerca de 1,2 milhão de crocodilos são mantidos em mais de mil fazendas na Tailândia, de acordo com números do departamento de pesca tailandês. Alguns são equipados com matadouros e curtumes para produzir produtos de luxo. A Fazenda de Crocodilo Sri Ayuthaya é uma das maiores da Tailândia e funciona há 35 anos. "Somos uma fazenda multiuso, que cria empregos para pessoas e renda para o país", diz Wichian Rueangnet, dono do estabelecimento, que tem cerca de 150 mil crocodilos. A Sri Ayuthaya está registrada na Convenção do Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora em Risco (CITES), o que permite que ela exporte produtos de crocodilo legalmente para vários países, inclusive a China, principal comprador. "Fazemos de tudo, desde criar crocodilos até abatê-los, tingir as peles e exportar produtos derivados do crocodilo", diz Wichian. Produtos de couro de crocodilo, incluindo bolsas no estilo Birkin, são vendidas por até US$ 2,2 mil e casacos de couro de crocodilo chegam a custar quase US$ 6 mil. A carne de crocodilo é vendida a quase US$ 9 o quilo. A bile e o sangue do réptil também são usados para fazer pílulas, pois se acredita que tenham benefícios para a saúde. A indústria, porém, tem sofrido um revés, o que fez as exportações de couro de crocodilo caírem mais ce 60% em 2016.

sexta-feira, 5 de maio de 2017

Com 90 milhões de anos, raro fóssil de réptil marinho é encontrado na França


O fóssil de um grande réptil marinho de 90 milhões de anos, encontrado em uma caverna no centro da França, foi apresentado como uma "rara descoberta" nesta quinta-feira (4) no Museu de Ciências Naturais de Angers. Os ossos fossilizados desse predador pertencem à família dos plesiossauros, grandes répteis que viveram na época dos dinossauros nos mares e oceanos, e foram descobertos em 2013, conta Benoît Mellier, responsável pelo acervo do museu de Angers. Os fósseis foram extraídos e levados para o museu em fevereiro, e serão submetidos a um estudo paleontológico aprofundado antes de serem expostos ao público. Foram encontrados um fêmur de 51 cm de extensão, "peças de um punho ou de um pé", uma série de "pequenos ossos da mão", e uma mandíbula completa de um metro de comprimento. A descoberta desse exemplar, que provavelmente media de cinco a seis metros de comprimento, representa algo "excepcional, e será interessante para todos os pesquisadores que trabalham com répteis marinhos no mundo", disse Peggy Vincent, paleontóloga do Museu de História Natural de Paris. "Esse animal foi achado em níveis que datam de quase 90 milhões de anos atrás. Não sabíamos nada sobre o grupo dos plesiossauros dessa idade em território europeu, a não ser pequenos elementos isolados, mas nada tão significativo e completo", complementou. Fósseis de répteis marinhos dessa idade já tinham sido encontrados no norte da África e nos Estados Unidos. "Saber que existiam na Europa muda muitas coisas. (...) Não é certo, mas é provável que seja uma nova espécie. Se for uma espécie que já existe, significa que houve imigrações", concluiu Vincent.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Câmera flagra tubarão comendo carcaça de baleia-jubarte na Califórnia


Uma ma câmera flagrou um tubarão comendo uma carcaça de uma baleia durante 12 horas. A carcaça estava sendo rebocada para evitar que chegasse à costa. A baleia-jubarte morreu por causa de ferimentos desconhecidos perto de uma praia na Califórnia. Apelidada de Scarlet por causa da cor avermelhada, ela era conhecida na região.

Baía dos Porcos é invadida por milhões de caranguejos


A Baía dos Porcos, em Cuba, foi invadida novamente, mas dessa vez por milhões de caranguejos. Eles deixaram as florestas onde vivem em direção às praias. Todos os anos, depois das chuvas de primavera, os caranguejos saem debaixo da terra para reproduzir. O destino é a praia, onde depositam os ovos, sob as ondas. Os bebês nascem no mar e depois retornam ao convívio dos pais. Mas a jornada dos caranguejos pode causar problemas, muitos deles invadem casas e estradas. Infelizmente, nem todos os caranguejos sobrevivem. Muitos são atropelados ao cruzar estradas - e muitos carros acabam tendo pneus furados. Mas eles fazem a alegria dos turistas. A Baía dos Porcos é mais conhecida por dar nome a um dos mais famosos episódios da Guerra Fria. A Invasão da Baía dos Porcos foi uma tentativa frustrada de invadir o sul de Cuba em abril de 1961 por um grupo paramilitar de exilados cubanos anticastristas, que haviam sido treinados pela CIA, a agência secreta dos Estados Unidos. O objetivo da operação era derrubar o governo socialista de Fidel Castro.

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Aceleração de degelo do Ártico pode custar trilhões de dólares, diz estudo


A aceleração do degelo do Ártico está derretendo o subsolo congelado sob edifícios e estradas da Sibéria ao Alasca, elevando os níveis dos mares globais e alterando os padrões de temperatura mais ao sul, revelou um estudo internacional nesta terça-feira (25). O fato de a região gelada estar se tornando mais quente e úmida, o que resulta no derretimento do gelo ao seu redor, pode custar trilhões de dólares à economia mundial neste século, estimou o relatório. O estudo de 90 cientistas, incluindo especialistas dos Estados Unidos, exortou governos com interesse no Ártico a cortar as emissões de gases de efeito estufa. "O Ártico está esquentando mais rápido do que qualquer outra região da Terra, e se tornando um meio ambiente mais quente, úmido e variável rapidamente", de acordo com o relatório, que atualiza descobertas científicas de 2011. "As emissões crescentes de gases de efeito estufa (resultantes) de atividades humanas são a principal causa subjacente", escreveram no estudo encomendado pelo Conselho do Ártico, composto por EUA, Rússia, Canadá, Suécia, Dinamarca, Noruega, Finlândia e Islândia. O degelo do Ártico pode ter custos líquidos cumulativos entre 7 trilhões e 90 trilhões dólares entre 2010 e 2100, e os danos irão exceder os benefícios, como um acesso mais fácil à exploração de petróleo e gás e ao comércio marítimo, diz o documento. O período 2011-2015 foi o mais quente desde que os registros começaram a ser feitos em 1900. O gelo marítimo no Oceano Ártico, que encolheu a seu menor índice em 2012, pode desaparecer durante os verões até a década de 2030, mais cedo do que muitas projeções anteriores indicavam, segundo o estudo. "O Ártico está continuando a derreter, e está indo mais rápido do que se esperava em 2011", disse Lars-Otto Reiersen, diretor do Programa de Monitoramento e Avaliação do Ártico (Amap, na sigla em inglês), que preparou o relatório, à Reuters. Entre os sinais de perigo, o derretimento do subsolo permanentemente congelado provocou mais deslizamentos de terra no campo de gás russo de Bovanenkovo, na Sibéria. Um calor raro e enchentes de primavera interditaram a rodovia que leva aos campos de petróleo de North Slope, no Alasca, durante três semanas em 2015. A elevação das temperaturas está ameaçando a subsistência de caçadores indígenas e afinando o gelo marítimo, vital para espécies selvagens como ursos polares e focas.