PESQUISE NA WEB

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Mais de 2 mil jacarés são encontrados em criadouro desativado em Barra Mansa





Mais de 2 mil jacarés foram encontrados na manhã desta quarta-feira (18) em um criadouro desativado na zona rural de Barra Mansa, RJ. Policiais civis, agentes da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, biólogos e veterinários estiveram no local. Peritos coletaram amostras da água dos tanques e da carne utilizada para alimentar os bichos. Os animais estavam em 24 tanques. Segundo a polícia, as investigações começaram há um mês, após uma denúncia de um grupo de defesa dos animais. De acordo com o proprietário do criadouro, a carne dos animais seria destinada ao consumo e o fechamento de um abatedouro resultou na superpopulação dos jacarés. Nos próximos dias, os responsáveis pela manutenção do local deverão prestar depoimento e apresentar licenças ambientais. Como medida emergencial, os jacarés serão remanejados para outro local.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Japão chora a morte de seu pinguim apaixonado



Um velho pinguim famoso no Japão por ter se apaixonado por uma representação de papelão de uma personagem de desenhos animados morreu aos 21 anos, idade avançada para o animal, anunciou o zoológico de Tobu, na cidade de Saitama, ao norte do Japão. Esse pinguim de Humboldt, batizado de Pequena Uva, se tornou famoso ao se apaixonar por uma imagem de papelão de Hululu, uma heroína de desenhos animados, depois que sua parceira o abandonou no início de 2017. Passava horas admirando, encantado, a imagem de Hululu, e as redes sociais fizeram eco de sua história. Uma enorme fila de visitantes era vista neste sábado em frente ao recinto dos pinguins do zoológico; muitos deixavam flores. Pequena Uva, cuja idade equivale aos 80 anos dos humanos, morreu junto a seu novo amor, explicou à imprensa local o cuidador Eri Nemoto. "Colocamos a imagem de papelão ao seu lado para que o acompanhasse até o final", declarou.

'Excesso' de gelo causa morte de milhares de pinguins na Antártica


A temporada de reprodução de pinguins na Antártica deixou apenas dois sobreviventes - entre milhares de filhotes. As aves típicas da região, chamadas pinguim-de-adélia, tiveram mais dificuldades para encontrar alimento, segundo especialistas, e acabaram morrendo. A ONG World Wildlife Fund de conservação ambiental justificou as mortes pelas "camadas muito extensas de gelo" nas águas da região, que fizeram com que os pinguins adultos precisassem "viajar mais longe" para conseguir comida. Os grupos de preservação ambiental fizeram um alerta nesta sexta-feira após divulgarem a morte dos filhotes para que medidas urgentes sejam tomadas em uma nova área de proteção marinha no Leste da Antártica - de forma a proteger a colônia que tem cerca de 36 mil pinguins adultos. A Worl Wildlife Fund (WWF) explica que uma simples proibição da pesca de camarões e outros crustáceos na área eliminaria a concorrência e ajudaria a garantir a sobrevivência das espécies antárticas, incluindo os pinguins. A ONG tem apoiado pesquisas na região juntamente com cientistas franceses que monitoram os números de pinguins por ali desde 2010. A ideia sobre uma nova área de proteção será discutida em um encontro na próxima segunda-feira com a Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos da Antártica Marinha (CCAMLR na sigla em inglês). Essa comissão é formada por 25 membros e tem a participação da União Europeia. "Esse acontecimento horrível contrasta com a imagem alegre que as pessoas têm dos pinguins", afirmou Rod Downie, chefe de programas polares na WWF. "O risco de abrir essa área para pescas exploratórias de camarões - algo que representaria uma competição por alimentos com os pinguins da região - seria impensável, principalmente depois de duas temporadas catastróficas de reprodução nos últimos quatro anos", afirmou. A última temporada de reprodução que terminou de maneira trágica com a morte de todos os filhotes foi em 2015. "A CCAMLR precisa agir agora adotando uma nova área de proteção marinha para as águas do Leste da Antártica para proteger a casa desses pinguins", finalizou.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Canoístas resgatam tartaruga presa em rede de pesca em Praia Grande


Um grupo de canoístas resgatou uma tartaruga que estava presa a uma rede de pesca na costa de Praia Grande, no litoral de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (11). O animal, que não apresentava ferimentos, foi devolvido ao mar em área próxima aos rochedos. "Nós estávamos remando, quando vimos uma rede de pesca grande. Sempre tem por ali. Quando a gente se aproximou, nós vimos essa tartaruga ali, se debatendo, presa à rede", conta o servidor público Thiago Ferraresi, 34 anos. Eles pararam a remada para resgatar o animal. "A gente sabe que se a deixássemos lá ela poderia morrer afogada. Nós arrebentamos a rede com a própria mão e, em seguida, a colocamos na canoa", conta Thiago. Como o animal não parecia estar debilitado, eles resolveram devolver ao mar longe daquele local. A tartaruga foi colocada no mar nas proximidades do rochedo do bairro Canto do Forte. Consultada, a Policia Militar Ambiental (PMA) ainda não informou sobre a eventual irregularidade da existência de redes de pesca naquela área da cidade.

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Peixes invadem ruas de cidade americana após passagem de furacão Nate



Carros submersos, barcos encalhados em canteiros, peixes pulando em poças em ruas e avenidas....Esse foi o insólito cenário encontrado em partes do Mississippi e do Alabama nos EUA após a passagem de furacão Nate no fim de semana. Antes de chegar aos Estados Unidos, vindo do Golfo do México, o furacão foi classificado como categoria 1. Costa Rica, Nicarágua e Honduras foram os três países mais atingidos pelo Nate quando ainda era uma tempestade tropical. Na passagem pela América Central, o furacão deixou pelo menos 26 mortos. Cidades dos EUA entraram em alerta, mas a tempestade perdeu força. Foi rebaixada à categoria de tempestade tropical. Em agosto, outros dois furacões atingiram duramente o sudeste dos EUA. O Harvey deixou mais de 70 mortos; e o Irma atingiu a categoria 5 e provocou 12 mortes na Flórida. Outra tempestade, o furacão Maria, devastou parte do Caribe no fim de setembro, incluindo Dominica e Porto Rico, que é território americano.

Baleia jubarte de 13 metros é encontrada morta no litoral norte de SP


Uma baleia jubarte de aproximadamente 13 metros de comprimento foi encontrada morta na baía do Mar Virado, entre Ubatuba e Caraguatatuba, no litoral norte de São Paulo. A remoção da carcaça feita foi na tarde deste domingo (8). De acordo com o Instituto Argonauta, responsável pelo resgate da carcaça, o animal é um macho e teria morrido há cerca de 15 dias, provavelmente por causas naturais - o corpo não tinha nenhuma marca aparente. Mesmo assim, amostras de material biológico para análise foram colhidas. O oceanógrafo do instituto, Hugo Gallo, explica que nesses casos, a carcaça é levada para ilhas, em trechos distantes de embarcações e moradores. A intenção é evitar o encalhe na praia. “Quando a baleia encalha na praia causa diversos problemas. A dificuldade para retirada é maior, o cheiro incomoda, até de boatos que a praia está interditada. Se ela fica no mar, uma embarcação pode bater e afundar. Observando tudo isso, criamos um método de ancorar, já que o corpo da baleia é comido e gera nutrientes para animais marinhos”, afirmou. Ele orienta inda que se algum turista, pescador ou morador, encontrar uma baleia morta no mar, o ideal é não se aproximar porque são áreas com maior incidência de tubarões e orcas, atraídos péla carcaça.

sábado, 30 de setembro de 2017

Novo iceberg se desprende de geleira na Antártica, diz Nasa


Um novo iceberg se desprendeu da região da geleira de Pine Island, oeste da Antártica. A fotografia acima foi divulgada pela agência espacial americana (Nasa) nesta quarta-feira (27). A imagem de cor original foi capturada no último dia 21 de setembro pelo satélite Landsat 8 da Nasa. Ela mostra o início da fenda no centro da plataforma de gelo. De acordo com a agência, essa ruptura produziu o iceberg B-44, visível em outras imagens capturadas em 23 de setembro pelo satélite Sentinel-1, da Agência Espacial Europeia (ESA), com descoberta do analista Matthew Welshans, do Centro Nacional do Gelo nos Estados Unidos (USNIC). O novo pedaço de gelo flutua na baía de Pine Island, no mar de Amundsen, e tem 185 km² -- cerca de duas vezes a área da capital do Espírito Santo, Vitória. Ele é maior do que o iceberg descoberto em janeiro deste ano na mesma região, mas menor do que o descoberto em julho de 2015 (225 km²).

Após tsunami, quase 300 espécies viajaram do Japão aos EUA


O tsunami que devastou a costa leste do Japão em 2011 fez com que quase 300 espécies marinhas viajassem através do Pacífico até o litoral dos Estados Unidos, na maior e mais longa migração marinha já registrada. Um grupo de cientistas americanos realizou buscas em praias dos estados de Washington, Oregon, Califórnia, Columbia Britânica, Alasca e Havaí, onde rastrearam a origem das espécies até o Japão, segundo o estudo divulgado nesta quinta-feira (28) pela revista científica "Science". "Este acabou sendo um dos maiores experimentos naturais não planejados na biologia marinha – talvez na história", afirmou o especialista John Chapman da Universidade Oregon State, um dos coautores do estudo, citado pelo jornal britânico "The Guardian". O tsunami, resultante de um terremoto de magnitude 9,0 no dia 11 de março de 2011, gerou em torno de cinco milhões de toneladas de escombros nos municípios de Iwate, Miyagi e Fukushima. Segundo os especialistas, 70% dos destroços se depositaram no fundo do mar, mas uma quantidade incontável de objetos flutuantes foi arrastada pelas correntes marítimas. A chegada das quase 300 espécies japonesas à costa oeste dos EUA poderá causar sérios problemas caso esses organismos consigam se fixar no novo ambiente, se sobrepondo às espécies nativas. Os pesquisadores estimam que aproximadamente um milhão de organismos -- entre eles peixes, moluscos e centenas de milhares de mexilhões -- viajaram quase 8 mil quilômetros através das correntes do Pacífico Norte. Levará anos até que seja possível avaliar a sobrevivência desses seres e se conseguirão superar em quantidade as espécies nativas. O problema das espécies invasoras ocorre em todo o mundo, com plantas e animais sobrevivendo em locais onde não antes pertenciam. No passado, invasões marinhas danificaram espécies de moluscos, erodiram ecossistemas locais, gerando prejuízos econômicos e disseminando doenças. "A diversidade [das espécies invasoras] foi algo que nos deixou boquiabertos", afirmou Carlton. "Moluscos, anêmonas-do-mar, corais, caranguejos, uma ampla variedade de espécies." Os pesquisadores coletaram e analisaram destroços que chegaram à costa oeste americana ou ao Havaí nos últimos cinco anos, sendo que a chegada de mais escombros ainda era registrada em Washington nesta quarta-feira. No ano passado, um pequeno barco japonês alcançou a costa do Oregon transportando vinte peixes nativos do oeste do Pacífico. Os animais, ainda vivos, foram conservados em um aquário do estado. Pouco antes, um barco de pesca japonês chegou intacto à costa americana com exemplares desses mesmos peixes nadando na parte interna. Anteriormente, os destroços desse tipo eram compostos na maior parte por madeira e se degradavam durante a viagem pelo oceano. Hoje em dia, a maior parte é de materiais de plástico – como boias, barcos e engradados – que conseguem percorre longas distâncias, levando "de carona" espécies diferentes. "Foram os escombros de plástico que permitiram que as novas espécies sobrevivessem em uma distância muito maior do que jamais pensávamos que podiam", disse Carlton.