PESQUISE NA WEB

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Estudo explica por que as baleias são tão grandes


A necessidade de reter calor na água é o motivo pelo qual as baleias são tão grandes, mostra estudo publicado no "PNAS". Elas ainda poderiam ser maiores se não fosse a necessidade de conter o metabolismo para evitar uma perda de energia ainda maior. O tamanho de mamíferos aquáticos é um assunto debatido há muito tempo na ciência e muitas hipóteses foram formuladas -- uma delas é que a possibilidade de flutuar na água exerceria pouca pressão sobre o corpo dos animais; e, com isso, eles se tornariam maiores. O que a análise de 3859 espécies de mamíferos aquáticos e de 2998 fósseiis mostrou, no entanto, é que o crescimento de mamíferos aquáticos têm a ver com a preservação da energia e a manutenção do calor - e não com diferenças na pressão sobre o tamanho. A análise dos fósseis mostrou ainda que embora alguns mamíferos tenham forma corporal similar, eles não estão intimamente relacionados. Focas e leões-marinhos estão mais relacionados aos cães, enquanto os peixes-bois têm os elefantes como ancestrais. Já as baleias e os golfinhos, estão mais relacionados aos hipopótamos. O estudo dos fósseis e das espécies vivas mostrou também que quando esses animais terrestres foram para a água, eles chegaram rapidamente a aproximadamente 500 kg. Um outro ponto é que aqueles com ancestrais menores, como o cachorro, cresceram mais que aqueles com ancestrais maiores, como o hipopótamo. De acordo com os autores, esse achado sugere que ser grande é uma vantagem na água, mas só até determinado ponto. A partir da análise, pesquisadores chegaram a uma teoria termoreguladora que se soma ao conjunto de hipóteses que tenta explicar o tamanho das baleias.

Jabuti com casco quebrado é abandonado em lata de lixo de Limeira e resgatado



O pelotão ambiental da Guarda Municipal de Limeira (SP) resgatou um jabuti que estava ferido dentro de uma lata de lixo na manhã desta quinta-feira (29). Segundo os guardas, o animal está com o casco quebrado. Os funcionários de um posto de combustíveis na Avenida Campinas acionaram o pelotão e disseram que encontraram uma tartaruga dentro de um latão de lixo do estabelecimento. No local, os guardas viram que era um animal da espécie Jabuti-Piranga, que vive exclusivamente na terra. A suspeita é que o animal tenha sido atropelado e depois jogado no lixo. Ele foi levado para o Zoológico Municipal, onde passou por uma avaliação com os veterinários. Segundo a guarda, o casco vai ser revestido por um material semelhante à resina e o animal passará por tratamento. Ainda não é possível afirmar se ele sobreviverá, conforme a prefeitura. Após o tratamento e com a reabilitação, os veterinários vão avaliar se ele será solto na natureza.

Nova espécie de rã é descoberta em serra entre Colômbia e Venezuela



Cientistas da Venezuela e da Colômbia identificaram uma nova espécie de rã na Serra de Perijá, uma vasta cadeia montanhosa compartilhada pelos dois países e lar de espécies endêmicas como este pequeno anfíbio. Com uma pele multicolorida e canto único, a Hyloscirtus japreria, que habita rios e cursos d'água a mais de 1 mil metros de altitude, foi descoberta durante expedições realizadas há uma década. Seu nome presta homenagem aos járerias, um grupo étnico de Perijá, no estado de Zulia (noroeste da Venezuela). Com essa descoberta – publicada na revista científica "Zootaxa" - são 37 espécies as identificadas do gênero Hyloscirtus. Menores, os machos medem entre 2,8 e 3,2 centímetros e as fêmeas de 3,5 a 3,9 cm. O caminho para concluir a investigação começou em 2008. Depois de determinar que "era uma rã de torrentes, tivemos que verificar que não era o Hyloscirtus platydactylus, outra espécie registrada em Perijá em 1994", acrescentou. Conforme avançavam as expedições, foram incorporadas câmeras fotográficas e gravadores de som de alta definição para documentar a coloração e submeter os cantos a uma "análise bioacústica". Os sons que emite, que podem ser ouvidos a cerca de 15 metros de distância, são uma das suas características distintivas, indicou Edwin Infante, companheiro de Rojas nas excursões. O espécime foi reconhecido por seu canto particular: um "piu prolongado". A H. jareria também é caracterizada pelas suas costas amarelo-claras, com manchas castanhas escuras e pequenas manchas castanho-avermelhadas. Também possui listras esbranquiçadas em certas regiões dos olhos, orelhas, coxas e pernas. A íris é cinza com uma reticulação preta fina. Junto com Rojas-Runjaic, do Museu de História Natural La Salle, em Caracas, trabalharam o biólogo colombiano Fabio Meza-Joya e os venezuelanos Infante e Patricia Salerno. Meza-Joya havia encontrado a mesma rã no lado colombiano, mas só se deu conta disso quando conheceu Rojas em um curso no Equador. Em 2013, decidiram unir forças. Foi assim que descreveu a espécie "a partir de indivíduos coletados em três áreas da encosta oriental da Serra de Perijá (Venezuela) e em uma cidade na encosta ocidental (Colômbia)", disse à AFP o herpetologista colombiano. Para os intrincados habitats só era possível chegar a pé ou de mula depois de vários dias de travessia. O acesso à Serra de Perijá da Colômbia foi restringido por décadas pelo conflito armado, "o que produziu vácuos de informação", explicou Meza-Joya, que enfatizou que a assinatura da paz com as guerrilhas amplia o horizonte para novas descobertas. O processo de paz com as FARC – que começou em 2012 e levou ao desarmamento do grupo e à conversão em um partido político em 2017 – "abriu uma janela para entrar em áreas inacessíveis, com a paz aumentando o conhecimento sobre a biodiversidade", disse. Meza-Joya enfatiza que os anfíbios são fundamentais nos ecossistemas, pois atuam como reguladores de populações de insetos que, por sua vez, podem ser pragas ou vetores de doenças. Além disso, "algumas espécies têm uma acentuada vulnerabilidade às mudanças ambientais, razão pela qual são consideradas excelentes indicadores da saúde dos ecossistemas", acrescentou o especialista.

Jacaré de 3 metros é achado em piscina de casa na Flórida


Um jacaré de 3 metros de comprimento foi encontrado nesta sexta-feira (30) na piscina do quintal de uma casa de Sarasota, no estado americano da Flórida. A comissão de vida selvagem do estado alertou que, com a alta das temperaturas, os cerca de 1,3 milhão de jacarés da região estão ficando "mais ativos", podem aparecer em áreas urbanas e devem ser tratados com "cuidado e respeito". É raro jacarés provocarem ferimentos, mas a comissão pede que se evite nadar perto deles, preferindo áreas designadas.

sexta-feira, 23 de março de 2018

Baleias encalham em massa em praia na Austrália e intrigam autoridades


Cerca de 150 baleias ficaram encalhadas em uma praia no sudoeste da Austrália, segundo informações de jornais locais. Apenas 15 delas teriam sobrevivido. Autoridades afirmam que um grande esforço de resgate está em curso na região e que um alerta sobre a presença de tubarões na área foi emitido. As baleias foram encontradas por um pescador em Hamelin Bay, cerca de 300 quilômetros ao sul de Perth, na manhã desta sexta-feira. Aproximadamente metade delas já estava morta, de acordo com autoridades do Estado da Austrália Ocidental. Autoridades disseram que os animais são baleias-piloto-de-aleta-curta, uma espécie encontrada nas águas tropicais e temperadas de todos os oceanos. A Australian Broadcasting Corporation (ABC), a rede de televisão pública da Austrália, informou que dezenas de equipes de resgate estavam na praia. O alerta de tubarão foi emitido para que as pessoas fiquem longe da área. Essas baleias-piloto costumam medir até cinco metros e são encontradas em águas tropicais e subtropicais. Especialistas disseram que o encalhe pode ocorrer quando as baleias estão doentes, feridas ou cometem erros de navegação, particularmente em praias de declive suave. Mas o que houve neste caso específico ainda não foi explicado. Por vezes, animais encalhados podem emitir pedidos de socorro que atraem outras baleias para a mesma situação. Em 1996, cerca de 320 baleias-piloto-de-aleta-longa ficaram encalhadas, naquele que foi o maior caso do tipo já registrado na Austrália Ocidental.

Corais em praias de Búzios são monitorados em etapa final de projeto do Instituto Brasileiro de Biodiversidade




Os corais de Armação dos Búzios, na Região dos Lagos do Rio, estão sendo alvos de monitoramento de equipes do Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio). As ações ocorrem nesta quarta-feira (20) e na quinta (21) em cinco pontos da cidade: o lado esquerdo e o direito da praia da Tartaruga, Ilha do Caboclo, Praia dos Ossos e Praia Azeda. A atividade faz parte da etapa final de monitoramento do Projeto Ecorais, que tem como objetivo avaliar a saúde das populações de corais da região e analisar se o estado de saúde desses animais está associado às alterações nas condições ambientais. “Essa saída de campo possui diferentes objetivos. Um deles é finalizar o acompanhamento trimestral das populações de Mussismilia hispida, popularmente conhecido como coral cérebro, e do Siderastrea stellata, o coral estrelinha, que vem sendo feito desde dezembro de 2016 em cinco pontos de Búzios. O segundo objetivo é a avaliação de características ambientais, como temperatura, quantidade de sedimento na água e luz, para descobrir se eventuais alterações nos estados dos corais estão associadas a mudanças nas condições ambientais”, explica Dr. Lelis Antônio Carlos Júnior, pesquisador de pós-doutorado do Projeto Ecorais. A coordenadora do Projeto, Simone Siag Oigman Pszczol, disse que a equipe pretende filmar as atividades de pesquisa e integrar os diferentes atores envolvidos no projeto, como o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade, Chevron e Secretaria Municipal de Educação, Esportes, Ciências e Tecnologia de Búzios. De acordo com os pesquisadores, pequenos pedaços de tecido dos corais serão coletados para a realização de análises moleculares, a fim de descobrir padrões e dinâmicas dos organismos que vivem em interação com os corais, chamados de zooxantelas. Ainda segundo os pesquisadores, esta pesquisa é feita em colaboração de pesquisadores do Laboratório de Biodiversidade de Cnidaria da UFRJ. O Projeto Ecorais surgiu em 2000 a partir de uma pesquisa científica sobre a saúde dos corais da Armação dos Búzios. O trabalho foi motivado pela preocupação dos pescadores e órgãos municipais com os danos causados pela atividade humana nos ambientes marinhos costeiros da região. A iniciativa tem o apoio do Projeto de Apoio à Pesquisa Marinha e Pesqueira do Estado do Rio de Janeiro, sob responsabilidade do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade – Funbio. O projeto tem ainda parcerias com UERJ, UFRJ e UFF e a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Pesca da Armação dos Búzios.