PESQUISE NA WEB

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Jacaré de 3,6 m era mantido como 'guarda' e alimentado com gatos


Na cidade de Tampa, na Flórida (EUA), policiais e agentes da FWC (sigla em inglês para a Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida) ficaram impressionados ao encontrarem um aligátor (conhecido como jacaré-americano) de 3,6 m de comprimento, amarrado à uma árvore como se fosse um animal de estimação. De acordo com o jornal “The Tampa Tribune”, a polícia foi chamada por moradores que viram o réptil enorme em um terreno próximo a um complexo de apartamentos, com uma corda no corpo e amarrada em uma árvore, como se fosse um animal de estimação. Os oficiais afirmam também que o animal pesava 181 kg estava saudável e bem alimentado, e que pessoas não identificadas estariam dando gatos da vizinhança como comida para o animal. “Quando um animal selvagem é alimentado, ele perde o medo de humanos e os associa a comida, o que é perigoso”, explicou o oficial da FWC Baryl Martin. Foi necessário, no entanto, abater o animal, já que ele era muito grande e perigoso e, de acordo com uma lei estadual, jacarés não podem ser realocados para muito longe de onde foram encontrados. 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Leão-marinho esperto rouba peixe 'cabeçudo' de barco no México



Durante a gravação de um episódio para a série “Chef On The Water” em Cabo San Lucas, no México, um leão-marinho esperto, apelidado de “Pancho”, conseguiu roubar um peixe enorme que havia sido fisgado há pouco tempo por um dos participantes do programa (assista ao vídeo). Ao lado do apresentador americano Mike “The Griz" Ritz, que apresenta o programa, o outro chef Yvan Mucharrz exibia orgulhoso seu peixe dourado (Coryphaena hippurus, popularmente conhecido como “cabeçudo”) quando o leão surgiu e abocanhou o animal, deixando Yvan completamente sem reação. De acordo com o jornal “Metro”, pessoas que moram na região afirmam que essa não é a primeira vez que o leão-marinho aparece para “roubar” peixes de embarcações. “Vivo aqui e já vi Pancho fazer isso várias vezes. Ele nada todos os dias atrás de barcos de pesca atrás de iscas deixadas no mar”, contou Jose Castro. A gravação que flagra o “roubo” foi assistida mais de 409 mil vezes.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Peixe-morcego encontrado nas areias da praia de Santos - SP


Com tanta diversidade biológica marinha aparecendo, ultimamente, facilita muito a criatividade alienígena das criações hollywoodianas Um peixe de aparência estranha foi encontrado nesta segunda-feira (21) na areia da praia de Santos, no litoral de São Paulo. O espécime, identificado como um peixe-morcego, foi fotografado por um banhista e atraiu a atenção de curiosos que passavam pelo local. Além desse exemplar, milhares de outros peixes apareceram mortos após o incêndio de grandes proporções que atingiu seis terminais de açúcar do cais santista na última sexta-feira (18), mas a relação do acidente com a mortandade de espécies marinhas ainda não foi comprovada.
Fonte: Facebook, Mr. Daniel Brasil

'Peixe corcunda' é atração de feira internacional em Taiwan



Um ryukin, apelidado de peixe corcunda, é uma das atrações de uma feira internacional de peixes em Taipei, em Taiwan. O evento, que será realizado de 27 a 30 de setembro, reúne espécies de diversos países. 

Surgimento de ‘peixes monstros’ nos EUA seria 'premonição' de terremoto


O aparecimento em menos de uma semana de dois peixes-remos de 4,27 metros e 5,4 metros no estado na Califórnia (EUA), gerou especulações na internet. Alguns chegaram a afirmar que o surgimento dos peixes seria a "premonição" de um terremoto. Uma lenda japonesa diz que, quando um peixe-remo surge em terra, um terremoto acontece depois. Em cima de teorias que circulam na rede, californianos começaram a espalhar boatos sobre a ligação entre o aparecimento dos peixes e um possível terremoto. Para os cientistas , no entanto, não há qualquer ligação entre o aumento da atividade tectônica e a morte dos dois peixes-remos. O peixe-remo de 4,27 metros foi encontrado pelo americano Mark Bussey e outros banhistas na sexta-feira (18) em uma praia perto de Oceanside. A instrutora de ciência marinha Jasmine Santana achou o outro exemplar de 5,4 m no dia 13 de outubro. Os peixes-remo podem alcançar até 17 metros de comprimento, vivem normalmente em climas tropicais e acredita-se que podem submergir até 914 metros no oceano, o que faz ser uma espécie difícil de estudar.

sábado, 19 de outubro de 2013

Criatura apelidada de 'sanguessuga gigante’ causa pânico na Malásia


Trabalhadores de construção civil de Sungai Siput, na Malásia, ficaram aterrorizados ao encontrarem uma criatura bizarra durante uma escavação, que parecia uma mistura de moreia e sanguessuga. De acordo com informações da imprensa malaia, testemunhas disseram que o animal pesava mais de 25 kg e possuía cerca de 2 m de comprimento. Foi necessário chamar o Departamento de Defesa Civil (JPAM, em Malaio) e realizar uma operação com três homens para capturar a criatura, apelidada de "sanguessuga gigante" pelas testemunhas. A criatura, que “não estava se comportando de maneira agressiva”, foi classificada por alguns como uma moreia, enquanto outros especialistas apontaram que se trata de uma cobra não peçonhenta, que se alimenta de peixes, mas que é capaz de morder.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Canadá inaugura o maior aquário do país em Toronto




Depois de dois anos de construção, alguns atrasos e quase 130 milhões de dólares gastos, foi inaugurado nesta quarta-feira (16) o Ripley's Aquarium of Canada em Toronto, anunciado como o maior do país. O aquário é o lar de mais de 13 mil animais aquáticos e 450 espécies diferentes que se dividem em cerca de seis milhões de litros de água.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Pesquisadora encontra 'peixe monstro' de 5,4 m nos EUA


Uma instrutora de ciência marinha levou um susto ao avistar no mar em Los Angeles, na Califórnia (EUA), um peixe remo (também conhecido como regaleco) com mais de 5,4 m de comprimento. Jasmine Santana, do Instituto Marinho da Ilha de Catalina (em tradução livre) precisou da ajuda de mais 15 pessoas para conseguir arrastar o peixe para a costa, e a criatura está sendo taxada como “a descoberta de toda uma vida” pelos funcionários do instituto. O peixe, que normalmente vive a mais de 900 m de profundidade, e faz parte de um grupo de bichos que raramente são estudados, morreu de causas naturais. Amostras de tecido, fotos e vídeos do regaleco foram enviados para biólogos da Universidade da Califórnia. O animal será enterrado na areia até se decompor, para que seu esqueleto seja remontado A instrutora contou que estava mergulhando quando encontrou o peixe a cerca de 9 m de profundidade. “Eu tenho que arrastar isso ou ninguém vai acreditar em mim”, afirmou Santana, pouco antes de receber a ajuda dos colegas para levar a carcaça à superfície.

domingo, 13 de outubro de 2013

Espécie de camarão europeu mata crustáceo exótico, sugere estudo

 
Pesquisadores da Universidade Queen, em Belfast, descobriram uma “arma natural” para combater uma espécie invasora de camarão, proveniente dos Estados Unidos, que invadiu rios e lagos da Europa. De acordo com um estudo divulgado nesta semana no periódico científico “NeoBiota”, os camarões nativos da Europa matam a espécie intrusa, considerada mais fraca, e evitam a proliferação dos animais exóticos. Esse método foi denominado pelos cientistas como “resistência biótica”, ou seja, uma resposta da própria natureza para a entrada de espécies exóticas. Eles obtiveram o resultado a partir de observações feitas no continente. Eles verificaram que o crustáceo Crangonyx pseudogracilis, o intruso, só conseguia se desenvolver em ambientes onde não havia presença de camarões nativos, como o Gammarus pulex e o Gammarus dueben. Segundo a investigação científica, o combate natural ajuda a evitar novas invasões e danos às culturas do camarão na Europa, que poderiam causar perdas para a biodiversidade e prejuízos bilionários para a economia. Os autores devem realizar outros trabalhos na Irlanda, Inglaterra, Canadá e África do Sul para entender como as espécies nativas e invasoras interagem e, com isso, obter um resultado para combater a proliferação de espécies não nativas.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013