PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Vitória. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Vitória. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Jacaré em extinção é visto em Rodovia Norte-Sul, na Serra


Um jacaré em extinção foi visto atravessando a Avenida Norte-Sul, no bairro Barcelona, na Serra, na região da Grande Vitória, por volta de 3h da madrugada desta quinta-feira (20). Capturar ou matar o animal sem autorização prevê multa de R$ 5 mil e até um ano de prisão. A analista ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Natuais (IBAMA), Andreia Diogo, explicou que apesar das raras aparições de jacarés-de-papo-amarelo, a espécie é comum na região pela quantidade de lagoas próximas, como a lagoa de Jacunem e as que ficam na área da empresa Arcelormittal. A espécie está em extinção segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites). Para a analista, o deslocamento do animal pode ter acontecido pela superpopulação da espécie nas lagoas da Arcelormittal, e que pode ter ido em busca de mais alimento e menos competição. Andreia orientou para que, caso um animal silvestre seja avistado, as secretarias municipais de meio ambiente devem ser acionadas. E alertou que pessoas despreparadas não devem tentar espantar um jacaré, por serem grandes e apresentarem riscos. “Encontrou um animal na área urbana, se ele não apresenta risco tem que espera o animal se deslocar. Se o animal apresenta risco, deve entrar em contato com a secretaria de meio ambiente. Se o jacaré estiver em um valão, ele está caminhando. Se o animal estiver debilitado, pode entrar em contato com o IBAMA”, explicou. Todos os animais silvestres são protegido pela lei 9.605/98 do Código Ambiental. O artigo 29 da lei prevê prisão de seis meses a um ano e multa de R$ 500, para um animal não ameaçado, a R$ 5 mil, para espécies em listas de extinção. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente informou que estão recolhendo apenas animais feridos e que capacitou os municípios para que façam o serviço. A Polícia Ambiental Militar informou que foi acionada, porém o animal já havia retornado para a mata.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Pesquisadores monitoram mais de 200 jacarés em lagoas do ES


Um grupo de pesquisadores começou a monitorar mais de 200 jacarés que vivem nas lagoas da Grande Vitória. O Projeto Caiman trabalha para evitar a extinção da espécie e faz todos os exames necessários para conhecer o desenvolvimento do animal e identificar possíveis bactérias presentes nele. O presidente do Instituto Marcos Daniel, Marcelo Renan Santos, explicou que cada jacaré é cuidadosamente examinado. “Primeiro, a gente mede o jacaré, a cabeça, a cauda. Em seguida, a gente pesa e depois coleta amostras de sangue para os exames laboratoriais, como hemograma, glicose, triglicerídios, colesterol, que a gente faz na gente também”, falou. Além disso, são colhidas amostras para descobrir quais são as bactérias presentes na boca do jacaré, além de material do estômago do animal, para descobrir do que ele está se alimentando. Cada jacaré recebe um chip, de cerca de um centímetro, em que há um número, único no mundo, que permite o acompanhamento do animal por toda a vida. “O microchip permite que a gente individualize os animais e os acompanhe ao longo da vida inteira. Então, através dessa metodologia da individualização, a gente consegue determinar padrões de distribuição, ou seja, quantos animais andam, qual a taxa de crescimento deles e monitorar a saúde durante a vida inteira”, disse o coordenador do Projeto Caiman, Yhuri Nóbrega. Durante a navegação, os pesquisadores contam quantos jacarés existem na lagoa. Para isso, eles observam a quantidade de olhos vermelhos. Mas, para a contagem dar certo, existe uma metodologia importante. “Tem que andar sempre em linha reta, contando sempre os jacarés de apenas um lado do barco. Então, como naquele momento a gente contou, não vamos contar novamente aquele mesmo bicho”, explicou.