PESQUISE NA WEB

domingo, 11 de dezembro de 2011

Peixe Morcego



O Peixe-morcego vive em águas costeiras e mangues pantanosos. Seu disfarce é parecer-se com uma folha morta do mangue, tanto na forma quanto na cor e também na maneira de nadar, quando ameaçado por um predador. Para não ser notado, ele se vira de lado e bóia ao sabor da corrente entre folhas flutuantes, ou até fica imóvel entre as folhas mortas do fundo.
É muito elegante, com suas longas nadadeiras dorsais e ventrais. Quando adulto adquire forma circular e cor azul-prateada.


Fonte: http://www.ninha.bio.br/biologia/peixinhos.html

domingo, 26 de junho de 2011

Tomopteris - 02







Tomopteris - 01









Tomopteris (neolatim do grego que significa "um corte" + "asa" mas usado como "nadadeira") é um gênero de poliquetas planctônicas marinhas. Sabe-se que, quando perturbadas, algumas espécies fazem eruptar um turbilhão de faíscas dos seus parápodes. A espécie Tomopteris nisseni é uma das poucas criaturas abissais com bioluminescência amarela.

Polychaeta (ou poliqueta) é uma classe de anelídeo que inclui cerca de 8.000 espécies de vermes aquáticos. A grande maioria das espécies é típica de ambiente marinho, mas algumas formas ocupam ambientes de água doce ou salobra. Podem ser de vida livre (rastejadores ou pelágicos) ou sedentários (cavadores, tubícolas ou perfuradores); porém, nem sempre é possível distinguir o hábito de vida. O nome deriva do grego poly + chaeta que significa muitas cerdas, numa referência às cerdas que lhes cobrem o corpo. Muitas espécies de poliquetas são coloridas e algumas são iridescentes. De maneira geral, são indivíduos segmentados, de forma cilíndrica, com leve achatamento dorso-ventral, com um par de parapódios em cada segmento. São dotados de prostômio bem desenvolvido com palpos ou cirros (órgãos sensoriais) na extremidade anterior, mas não é considerado como o primeiro segmento, sendo este o peristômio. A boca localiza-se ventralmente entre o prostômio e o peristômio; já o pigídio é um segmento não-celomado terminal, onde fica o ânus. Os poliquetas distribuem-se na coluna de água desde a zona intertidal até profundidades de 5.000 metros. Os poliquetas medem de 5 a 10 cm de comprimento, em média, mas há espécies com apenas 2 milímetros e outras que atingem 3 metros.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tomopteris

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Tambaqui - 01




Tambaqui (Colossoma macropomum), também chamado de Pacu Vermelho, é um peixe de escamas com corpo romboidal, nadadeira adiposa curta com raios na extremidade; dentes molariformes e rastros branquiais longos e numerosos. Boca prognata pequena e forte com dentes molariformes. A coloração geralmente é parda na metade superior e preta na metade inferior do corpo, mas pode variar para mais clara ou mais escura dependendo da cor da água. Os alevinos são cinza claro com manchas escuras espalhadas na metade superior do corpo. O tambaqui alcança cerca de 110 cm de comprimento total. Antigamente eram capturados exemplares com até 45 quilos. Hoje, por causa da sobre-pesca, praticamente não existem indivíduos desse porte. Peixe comum encontrado na bacia amazônica e do qual se aproveitam a saborosíssima carne e o óleo.

É uma espécie que realiza migrações reprodutivas, tróficas e de dispersão. Durante a época de cheia entra na mata inundada, onde se alimenta de frutos ou sementes. Durante a seca, os indivíduos jovens ficam nos lagos de várzea onde se alimentam de zooplâncton e os adultos migram para os rios de águas barrentas para desovar. Na época de desova não se alimentam, vivendo da gordura que acumularam durante a época cheia (Ferreira, A.S.G., 2006).

O tambaqui apresenta nomes em outras linguas que são traduzidos como "pacu escuro" ou "pacu negro", esta cor escura ou negra ocorre, com o tambaqui, em rios do Peru e mesmo no Brasil apesar da cor comum ao tambaqui ser outra. Porém esta cor também ocorre com o pacu caranha (Piaractus mesopotamicus=Colossoma mitrei) que apresenta a cor negra quando encontrado em rios do Pantanal de águas cristalinas e ocorre também com (Colossoma bidens). Já o pacu-caranha do Rio Aquidauana é bem mais claro, com uma coloração bastante semelhante a comum ao tambaqui.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Tambaqui

sábado, 23 de abril de 2011

Bala Shark - 02







Bala Shark - 01









O corpo prateado e a nadadeira caudal bifurcada amarelada afiada com contornos em preto é o maior identificador do Bala Shark. Estes peixes são muito ativos e excelentes nadadores e saltadores e possuem uma forma de nadar inigualável a outras espécies de peixes. À medida que crescem, as fêmeas podem ser reconhecido pelo formato arredondado de seu ventre. A reprodução destes peixes requer muito espaço. Podem ser agressivos com peixes de menor tamanho.

Nomes populares: Tubarão Bala, Labeo Prateado, Tricolor Sharkminnow, Tubarão Prata, Barbus Melanopterus, Puntius Melanopterus, Systomus Melanopterus

Características básicas:

Origem: Sudeste Asiático, Tailândia, Península Malaia, Sumatra e Bornéo
Familia: Cyprinidae (Ciprinídeos)
Tamanho quando adulto: 30 cm (12 in)
Dieta: Alimentos vivos e rações em flocos
Temperatura: 22-25º C (72-77º F)
pH: Ácido (pH 6.0-6.5)
Dureza: Água mole (50 mg/l)
Temperamento: Relativamente pacífico
Dificuldade de criação: Muito fácil

Reprodução: O Bala Shark é um peixe ovíparo, mas conseguir a reprodução do Bala Shark no aquário é muito difícil. Alguns aquaristas consideram uma missão impossível, a não ser que você tenha um aquário muito grande. O ritual do acasalamento é feito pelo casal nadando em alta velocicade de um lado para o outro em linha reta, o que requer muito espaço, algo em torno de 8 a 10 metros.

Dimorfismo sexual: é pouco aparente. Os machos são geralmente um pouco maiores e as fêmeas possuem o ventre mais arredondado.
Fonte: http://www.aquarioepeixes.com.br/peixesornamentais/tag/bala-shark/

terça-feira, 8 de março de 2011

Lula Pfeffer’s Flamboyant - 01






Com um nome ridículo desse que mais parece um drink chique. você nunca esperaria o mal que essa lula pode te fazer. Afinal, como ficar preocupado com algo tão pequeno e colorido? Ele só precisa de um implante de nádegas e silicone nos peitos e ele já está pronto para desfilar no carnaval! Mas espere, lembre-se que tudo que é colorido (pelo menos na natureza) é venenoso. E essa é a única lula venenosa do mundo. A Lula Pfeffer’s flamboyant tem um veneno mortal absoluto e corre por suas veias. Aliás, corre por todo seu corpo. Desde sua pele, tentáculos, olhos, tudo é venenoso nesse animal, o que acaba com toda a graça, né?
Fonte: http://www.oversodoinverso.com/5-animais-marinhos-que-voce-nao-acredita-que-podem-te-matar/

domingo, 6 de março de 2011

Corais





Coral ou recife de corais ou ainda antozoários são animais cnidários e uma das maravilhas do mundo submarino. Os corais constituem colônias coloridas e de formas espantosas que crescem nos mares e podem formar recifes de grandes dimensões que albergam um ecossistema com uma biodiversidade e produtividade extraordinárias.

O maior recife de coral vivo encontra-se na Grande Barreira de Coral, na costa da Queensland, Austrália. Ele também é considerado o maior indivíduo vivo da Terra. Porém, devido à poluição e aquecimento marinho, está morrendo. A maioria dos corais desenvolve-se em águas tropicais e subtropicais, mas podem encontrar-se pequenas colónias de coral até em águas frias, como ao largo da Noruega.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Coral

Peixe Elefante


segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

Ornitorrinco - 02



Ornitorrinco - 01




O Ornitorrinco (nome científico: Ornithorhynchus anatinus, do grego: ornitho, ave + rhynchus, bico; e do latim: anati, pato + inus, semelhante a: "com bico de ave, semelhante a pato") é um mamífero semiaquático natural da Austrália e Tasmânia. É o único representante vivo da família Ornithorhynchidae, e a única espécie do gênero Ornithorhynchus. Juntamente com as équidnas, formam o grupo dos monotremados, os únicos mamíferos ovíparos existentes. A espécie é monotípica.

O ornitorrinco possui hábito crepuscular e/ou noturno. Carnívoro, alimenta-se de insetos, vermes e crustáceos de água doce. Possui diversas adaptações para a vida em rios e lagoas, entre elas as membranas interdigitais, mais proeminentes nas patas dianteiras. É um animal ovíparo, cuja fêmea põe cerca de dois ovos, que incuba por aproximadamente dez dias num ninho especialmente construído. Os monotremados recém-eclodidos apresentam um dente similar ao das aves (um carúnculo), utilizado na abertura da casca; os adultos não possuem dentes. A fêmea não possui mamas, e o leite é diretamente lambido dos poros e sulcos abdominais. Esporões venenosos nas patas estão presentes nos machos e são utilizados principalmente para defesa territorial e contra predadores.

As características atípicas do ornitorrinco fizeram com que o primeiro espécime empalhado levado para Inglaterra fosse classificado pela comunidade científica como um embuste. Hoje, ele é um ícone nacional da Austrália, aparecendo como mascote em competições e eventos e em uma das faces da moeda de vinte centavos do dólar australiano. É uma espécie pouco ameaçada de extinção. Recentes pesquisas estão sequenciando o genoma do ornitorrinco e pesquisadores já descobriram vários genes que são compartilhados tanto com répteis como com as aves. Mas cerca de 82% do seus genes são compartilhados com outras espécies de mamíferos já sequenciadas, como o cachorro, a ratazana e o homem.

O ornitorrinco é endêmico da Austrália, onde é encontrado no leste de Queensland e Nova Gales do Sul, no leste, centro e sudoeste de Victoria, Tasmânia, e Ilha King. Foi introduzido no extremo oeste da ilha Kangaroo, entre 1926 e 1949, onde ainda mantém uma população estável. A espécie está extinta na Austrália Meridional, onde era encontrada nas Colinas de Adelaide e na Cordilheira do Monte Lofty.

A espécie é dependente de rios, córregos, lagoas e lagos. A distribuição geográfica mostra considerável flexibilidade tanto na escolha do habitat quanto na adaptabilidade a uma variação de temperatura. A espécie é capaz de enfrentar tanto as altas temperaturas das florestas tropicais de Queensland, como áreas montanhosas cobertas por neve em Nova Gales do Sul. A distribuição atual do ornitorrinco mudou muito pouco desde a colonização da Austrália, e continua a ocupar grande parte de sua distribuição histórica.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ornitorrinco