PESQUISE NA WEB

domingo, 30 de junho de 2013

Mola-Mola - Sunfish Oceânico







O Sunfish Oceânico, ou Mola-mola está entre os maiores e mais estranhos peixes em nossas águas. De fato, é o maior peixe ósseo no oceano! Mergulhadores são muitas vezes ofuscados pelos gigantes gentis, que podem chegar a 4m de comprimento e 3,5m de altura! Encontrado tranquilamente e pacificamente nas águas da Califórnia atual, o sunfish oceânico consume grandes quantidades de águas-vivas para saciar o seu apetite voraz.
Mas, no Oceano Pacífico, ao largo da Califórnia, ele enfrenta um problema enorme: quilômetros de extensão de redes, conhecidas como redes de emalhar de deriva, como paredes subaquáticas, para capturar espadarte e os tubarões-raposa. Mas, em uma única temporada de pesca, para cada peixe-espada capturado, mais de 27 mola- molas foram enredados nessas redes mortais e descartados.
Estas redes destrutivas foram banidas pelos estados de Oregon e Washington, mas os pescadores ainda estão autorizados a usá-los ao largo da costa da Califórnia, nas águas em que alguns dos nossos mais emblemáticos e requintados exemplares da vida marinha nadam, incluindo o sunfish, cachalotes e grandes tubarões brancos.
Em 2011, para cada cinco espadartes capturados com redes de emalhar de deriva, um mamífero marinho foi morto e seis peixes, incluindo tubarões e atuns, e atiradas ao mar mortas ou moribundas. Golfinhos, tartarugas marinhas ameaçadas de extinção, leões-marinhos e até cachalotes de 15m, espécie em extinção, foram mortos ao largo da costa da Califórnia por essas redes mortais.
Com a ajuda de ativistas, comunidades locais e pesquisadores foram capazes de parar com sucesso a pesca com redes de emalhar, na California em uma área de expansão para tartarugas de couro , protegida, neste ano. Mas é preciso agora convencer os tomadores de decisão estadual e federal a considerar um novo plano: a eliminação redes de emalhar de deriva inteiramente e substituí-las por técnicas de pesca mais limpa.

Agradecimentos a Nina, leitora do blog, pela referência e menção ao Mola-mola. O texto acima, foi enviado por ela. Imagens: www.google.com.br 

sábado, 29 de junho de 2013

Tartaruga de duas cabeças é batizada de 'Thelma e Louise' em zoo nos EUA


Uma tartaruga de duas cabeças nasceu há pouco mais de uma semana no Zoológico de San Antonio, nos Estados Unidos, segundo agências de notícias internacionais. Nascido em 18 de junho, o animal recebeu o nome de 'Thelma e Louise' dos tratadores. A tartaruga vai ser exibida ao público a partir de quinta-feira (27), no aquário do zoo (Foto: San Antonio Zoo/AP)

domingo, 23 de junho de 2013

Os peixes mais bizarros do mundo!

Peixe Demônio e criaturas do fundo do Mar ''Til we die'' Slipknot

Fotógrafo faz foto impressionante de tubarão em posição de ataque


O fotógrafo Sam Cahir registrou o exato momento em que um tubarão-mako estava em posição de ataque. A imagem impressionante foi fotografada no Oceano Índico, próximo à ilha de Netuno, na Austrália, segundo o jornal inglês "Daily Telegraph".

Leão-marinho e sua mãe trocam olhares carinhosos na Alemanha



No zoológico de Munique, na Alemanha, um filhote de leão-marinho trocou olhares carinhosos e foi visto brincando com sua mãe. Quatro leões-marinhos nasceram entre os meses de maio e junho desse ano no zoológico, fazendo com que o número de animais chegasse a 15. 

sábado, 22 de junho de 2013

Estudo diz que baleia considerada extinta volta a aparecer na Oceania


Estudo publicado nesta segunda-feira (27) mostra que exemplares da baleia-franca-austral (Eubalaena australis), caçadas até a extinção nas proximidades da Nova Zelândia, estão retornando aos poucos para a região. De acordo com pesquisadores das universidades de Oregon (Estados Unidos) e Auckland, pela primeira vez em décadas uma pequena população de baleias que vivia nas proximidades da Antártica rumou para ilhas da Oceania, considerado seu antigo habitat de reprodução. Registros históricos informam que existiam ao menos 30 mil exemplares no século 19, que migravam da região gélida para as baías da Nova Zelândia e Austrália. Mas a espécie entrou em extinção devido às grandes caçadas, que tiveram seu pico entre 1830 e 1840. Desde então, eram raras as aparições do mamífero na costa. "A baleia-franca-austral é extremamente graciosa e muito espetacular de se ver", afirmou Scott Baker, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo. "Costumava haver milhares delas na Nova Zelândia e agora as baleias estão redescobrindo seu lar ancestral. Vai ser interessante ver como isto vai se desenvolver", disse. O mamífero pode atingir até 60 metros de comprimento e pesar até 100 toneladas. A idade média é de pelo menos 70 anos. Estima-se que existam atualmente cerca de 7.500 baleias-franca-austral em todo mundo.

Biólogos avistam no Canadá a primeira baleia negra em 60 anos


Uma baleia negra do Pacífico Norte, um dos animais mais ameaçados de extinção do mundo, foi avistada nos últimos dias pela primeira vez em mais de 60 anos na costa ocidental do Canadá, anunciou nesta quinta-feira (20) o ministério de Pesca e Oceanos. Um navio da guarda-costeira canadense que cruzava as Ilhas da Rainha Carlota, na fronteira com o estado americano do Alasca, pôde observar o animal em várias ocasiões. "Quando percebemos o que estávamos vendo, não podíamos acredita"', declarou em um comunicado James Pilkington, biólogo do ministério a bordo do navio. A baleia negra foi vista em águas canadenses apenas seis vezes durante o século 20, a última há 60 anos. A espécie é considerada uma das mais ameaçadas do planeta. Esta baleia de pele negra e mandíbula curva pode medir até 17 metros e pesar 90 toneladas. Durante o século 19, foi capturada intensivamente, até que nos anos 1960 sua pesca foi declarada ilegal. Calcula-se que restem entre 300 e 400 espécimes no Canadá, Alasca e Mar de Behring.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Pescador é preso com tartaruga em risco de extinção no ES





Cinco pescadores foram presos com uma tartaruga em risco de extinção, na foz do Rio Doce, em Linhares, Norte do Espírito Santo, neste sábado (15). Segundo o Batalhão da Polícia Militar Ambiental, também foram apreendidos duas tarrafas, quinhentos metros de redes de espera, três espinhéis, quatro varas com molinetes além de um motor de popa. O Ibama estipulou um multa de R$ 5 mil para cada um dos infratores. Os homens foram encaminhados para o Departamento de Polícia Judiciária (DPJ) de Linhares. Eles foram autuados por pescar em uma zona de junção do rio com o mar, sendo que um deles ainda estava com dois quilos robalo, peixe que está com pesca proibida até o dia 30 de junho. A tartaruga marinha encontrada com um dos pescadores estava viva, pesando quase dez quilos. O animal é conhecido popularmente por tartaruga-verde ou aruanã e foi levado ao Projeto Tamar para se recuperar e ser posteriormente devolvida ao seu habitat natural.

Cientistas estudam peixes para entender como coração se regenera


Cientistas da Universidade da Califórnia em San Diego, nos EUA, analisaram o coração de peixes-zebra (Danio rerio) para rastrear os processos celulares que levam à regeneração cardíaca. O estudo foi publicado na edição desta quinta-feira (20) da revista "Nature" e envolveu o uso de células-tronco. Segundo os autores, os resultados revelam um enorme potencial para reparação desse músculo após lesões nos ventrículos (câmaras inferiores do coração), como no caso de um infarto. Os ventrículos, em geral, são a região mais atingida durante um ataque cardíaco. A insuficiência cardíaca, causada por um infarto ou arritmia grave, é a principal causa de morte no mundo desenvolvido, em grande parte pela incapacidade do coração dos mamíferos em gerar novas células e substituir o tecido danificado. Por outro lado, invertebrados menores, como os peixes-zebra, conseguem recuperar as fibras musculares dos ventrículos, chamadas cardiomiócitos, após uma lesão. A pesquisa, liderada por Neil Chi e Ruilin Zhang, sugere que várias linhas celulares do coração desses peixes são mais capazes de se transformar em novos tipos de células do que se pensava anteriormente. Isso porque as células musculares encontradas especificamente nos átrios (câmaras superiores) contribuem para a regeneração dos ventrículos. Ao longo do estudo, os cientistas conseguiram gerar uma falha genética nos animais capaz de causar destruição do músculo cardíaco e, em seguida, rastrearam os cardiomiócitos nos ventrículos e nos átrios usando proteínas fluorescentes. Com uma técnica de mapeamento genético, a equipe descobriu que os cardiomiócitos do átrio podiam se transformar em cardiomiócitos dos ventrículos, em um processo chamado transdiferenciação. Isso ocorre quando uma célula já diferenciada e especializada sofre uma transgressão e vira outro tipo de célula. Segundo Chi, ainda é preciso ver se esse mecanismo pode funcionar de forma semelhante em humanos. Mas, de qualquer forma, o trabalho abre portas para que a ciência entenda, no futuro, como esse tipo de regeneração pode mudar o destino do músculo cardíaco humano após um infarto, por exemplo.

domingo, 16 de junho de 2013

Cientistas descobrem nova espécie de peixe em mar de ilha do Caribe


Cientistas do Instituto Smithsonian, dos EUA, descobriram uma nova espécie de peixe nos corais próximos à ilha de Curaçao, no Caribe, enquanto realizavam um projeto para colher dados para uma pesquisa sobre os efeitos das mudanças climáticas na região, informam jornais e sites de notícias internacionais. Batizado de Haptoclinus dropi, o peixe é pequeno e colorido, segundo a agência de notícias Associated Press. O animal foi descoberto a aproximadamente 160 metros de profundidade enquanto cientistas usavam equipamento submarino para explorar o mar. O peixe mede cerca de 2,5 centímetros e tem barbatanas iridescentes. Seu corpo tem tons alaranjados e brancos, de acordo com o site canadense de notícias "Global News". "[A descoberta] é apenas a ponta do iceberg. Essa exploração que estamos fazendo é fundamental", disse a pesquisadora Carole Balwdin ao site de notícias, referindo-se à possibilidade de haver novas espécies na região. Carole ressaltou que a equipe de pesquisa coletou de 25 a 30 peixes e invertebrados que podem ser novas espécies. A previsão é de voltar à Curaçao em agosto para coletar mais espécimes, mês em que também será completado um ano do início do monitoramento dos efeitos das mudanças climáticas na região, diz a Associated Press. O projeto sobre mudanças climáticas está coletando dados sobre temperatura e biodiversidade marinha próximo à ilha caribenha e começou em agosto de 2012, segundo a agência.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Garoto de 7 anos fisga marlim de 133 Kg na Nova Zelândia


Hunter Scott, um neozelandês de apenas 7 anos foi o assunto dos membros do "Bay of Islands Swordfish Club", depois que o garoto fisgou um marlim de 133 kg durante uma pescaria com a família. O menino, que pesa apenas 23 kg e pesca desde os 3 anos, estava com o pai e os avós no barco quando o peixe enorme mordeu a isca. Os adultos na embarcação perceberam que o peixe era grande e começaram a ajudar e dar conselhos para que o animal fosse fisgado, de acordo com o jornal “New Zeland Herald”. Foi necessária quase uma hora e meia para que o marlim finalmente desistisse, e fosse colocado no barco e pesado em seguida. A família de Hunter disse ao jornal que entrará em contato com o Conselho de Pesca Esportiva para verificar se o menino bateu algum tipo de recorde nacional para pescadores com menos de 11 anos. 

domingo, 9 de junho de 2013

Perereca-de-vidro

A perereca-de-vidro é um dos anfíbios encontrados na Cachoeira da Onça, próximo a Manáus - Amazonas Segundo especialistas, essa espécie de perereca é muito sensível às modificações ambientais e qualquer alteração em seu habitat pode comprometer sua sobrevivência. (Foto: Divulgação/Marcelo Lima/Inpa)

Pescadores capturam arraia de 14 kg no Lago de Itaipu, no oeste do Paraná


Pescadores de Santa Helena, no sudoeste do Paraná, capturaram uma arraia de 14,3 kg no Lago de Itaipu. De acordo com o grupo, o animal que mede cerca de noventa centímetros de cumprimento e sessenta centímetros de diâmetro enroscou em uma rede de pescaria e foi encontrado já morto no fim da tarde de quinta-feira (6) quando recolhiam o equipamento. Segundo o presidente da Colônia de Pescadores Nossa Senhora dos Navegantes, de Santa Helena, Lirio Hoffmann, as arraias são comuns no reservatório da hidrelétrica e nos rios da região, mas geralmente são menores. O animal, da família Potamotrygonidae, é típico de água doce. Existem outras espécies que vivem em água salgada. Legislação Ao menos 800 pescadores profissionais são cadastrados e liberados para pescar no Lago de Itaipu. O uso de redes de pesca é permitido, com exceção do período de piracema, que normalmente se estende entre os meses de novembro e fevereiro.

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Golfinho-de-risso (Grampus griseus) - Long Island


Um exemplar de golfinho-de-risso (Grampus griseus) foi resgatado nesta quinta-feira (6) por ambientalistas de um banco de areia na região de Long Island, nos Estados Unidos. O mamífero, uma fêmea que pesava cerca de 270 kg, ficou encalhado no banco e apresentou sinais de desidratação e sangramento. O animal recebe atenção de técnicos de uma fundação que trabalha com seres marinhos (Foto: iverhead Foundation for Marine Research and Preservation/AP).

Foca escapa por pouco de ataque de tubarão branco na África do Sul


Um grupo de turistas flagrou um ataque impressionante de um tubarão branco de quase quatro metros em False Bay, na África do Sul. Eles ficaram espantados quando viram o predador saltar para tentar devorar uma foca, segundo o jornal inglês "Daily Mail". O tubarão, no entanto, calculou mal o ataque e não conseguiu pegar a presa. A cena surpreendente foi fotografada pelo sul-africano Chris Fallows perto da Ilha das Focas, que abriga cerca de 64 mil focas e um grupo de grandes tubarões brancos.

Leão-marinho 'pega carona' em barco e até deita no colo de americano


O americano J.R. Gilkinson e a família estavam em um barco na costa de Newport Beach, no estado da Califórnia, quando um filhote de leão-marinho se aproximou na embarcação, subiu a bordo e ainda “fez carinho” em um dos tripulantes (veja o vídeo).
Depois de subir no barco e “sentar” em um dos bancos, o animal chega a deitar no colo de Gilkinson, fechar os olhos e esfregar a cabeça em suas pernas, como se estivesse fazendo carinho. O homem descreveu o “dia inesquecível” como uma “experiência que mudou sua vida”.

domingo, 2 de junho de 2013

Fóssil pode ajudar a explicar como surgiu o casco de tartaruga


Um fóssil encontrado na África do Sul apresenta um animal que deve servir como um elo para explicar o surgimento do casco de tartaruga. O animal, que recebeu o nome de Eunotosaurus africanus, viveu há cerca de 250 milhões de anos. O casco de tartaruga mais antigo já encontrado data de 210 milhões de anos atrás e tem todas as características dos cascos modernos. Isso, na verdade, deixava os cientistas um pouco frustrados, porque não revelava os passos evolutivos que levaram à formação desse tipo de estrutura nos animais. O Eunotosaurus ainda não tinha um casco propriamente dito, mas seu tronco tem muitas características típicas da ordem dos quelônios, à qual pertencem as tartarugas modernas. Essas características dizem respeito principalmente à formação das costelas, que são bem largas e não possuem músculos entre os ossos. “Há vários traços anatômicos e evolutivos que indicam que o Eunotosaurus é um representante antigo da linhagem da tartaruga. No entanto, sua morfologia é intermediária entre o casco especializado encontrado nas tartarugas modernas e traços primitivos encontrados em outros vertebrados. Assim, o Eunotosaurus ajuda a ligar a lacuna entre as tartarugas e os demais répteis”, afirmou o autor do estudo, Tyler Lyson, em material divulgado pelo Museu Smithsoniano de História Natural, nos EUA, onde ele conduziu a pesquisa, publicada pela revista "Current Biology". O próximo passo dos cientistas é entender como a respiração das tartarugas se adaptou à estrutura óssea. Em geral, as costelas têm certa mobilidade para ajudar os pulmões no processo, mas isso não acontece nesses animais.

Acidificação do mar afeta desenvolvimento das lulas


Um estudo publicado nesta semana nos Estados Unidos mostra que o desenvolvimento das lulas pode ser afetado pelo processo de acidificação dos oceanos – que é uma tendência para o próximo século, já que é provocado pelo excesso de CO2 na atmosfera. Segundo os pesquisadores, tudo que afetar as lulas tem grande potencial de afetar todos os outros seres vivos do oceano. Isso acontece porque a lula é um animal que se posiciona no centro da cadeia alimentar. Em outras palavras, praticamente todos os animais ou são comidos por lulas, ou as comem. Além desse claro e importante impacto ambiental, os problemas de desenvolvimento das lulas também teriam impacto comercial, pois o animal é consumido por humanos e a economia de algumas regiões costeiras depende, em parte, dessa pesca. A equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole, no estado americano de Massachusetts, ovas de lulas em dois tanques de água diferentes. Um deles simulava o mar como ele é hoje, e o outro recebeu mais CO2, aumentando a acidez da água, em processo semelhante ao que tem, de fato, acontecido na natureza. Na água mais ácida, as ovas levaram mais tempo para se desenvolver e formar as lulas. Além disso, quando adultas, essas lulas foram, em média, 5% menores que as que cresceram na água normal. Por último, os cientistas identificaram ainda que elas tiveram má formação do estatólito, órgão que orienta o animal enquanto ele nada.

Pesquisadores estudam variedade de anfíbios e répteis na região do Juruá


Uma equipe composta por professores do Campus Floresta, da Universidade Federal do Acre (Ufac), no município de Cruzeiro do Sul (AC), liderada pelo biólogo Paulo Sérgio Bernarde, desenvolve pesquisas há sete anos, sobre o comportamento e variedade de espécies de sapos, rãs, pererecas, cobras, lagartos, jacarés e quelônios que habitam nas florestas da região do Vale do Juruá. A pesquisa aborda a biologia das espécies, hábitos alimentares, reprodução e até a ocorrência de parasitas. O estudo já resultou em várias descobertas, entre elas, o registro de algumas espécies ainda não catalogadas pela ciência e que estão em fase de estudos. Durante uma expedição pelo Parque Nacional da Serra do Divisor, unidade de conservação localizada na fronteira com o Peru, a equipe do professor Paulo Bernarde, localizou a jararaca-nariguda (Bothrocophias hyoprora) espécie registrada pela primeira vez nas florestas do Acre. No mesmo parque, o também professor da Ufac, Moisés Barbosa de Souza, desenvolveu sua tese de doutorado e publicou um livro, com a ocorrência de 126 espécies de anfíbios, a maior variedade já encontrada em uma mesma localidade do planeta, informaram os pesquisadores. Na área da Reserva Estadual do Rio Liberdade, afluente do Rio Juruá, foram encontradas 162 espécies, incluindo anfíbios e répteis, seis delas registradas pela primeira vez no Brasil, segundo informou o pesquisador, Paulo Bernarde, que possui doutorado em zoologia pela Universidade Estadual Paulista (Unesp). A equipe conseguiu o registro de uma cobra raramente encontrada, apesar de habitar nas florestas da região, a surucucu-pico-de-jaca (Lachesis muta), que corresponde a maior cobra peçonhenta das Américas, podendo ultrapassar três metros de comprimento. Às margens do Rio Môa, o foco dos pesquisadores foi a atividade e o uso do habitat pelas serpentes venenosas do tipo papagaia (Bothrops bilineatus) e a Surucucu ou Jararaca (Bothrops atrox). Segundo o levantamento realizado pelos biólogos, pesquisas sobre a ecologia destas cobras podem contribuir para a prevenção do envenenamento em caso de picadas em seres humanos.