PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Tartaruga Marinha. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tartaruga Marinha. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 25 de julho de 2017

Tartarugas marinhas serão monitoradas na costa do ES atingida pela lama da Samarco


As tartatugas marinhas que costumam visitar o litoral Norte do Espírito Santo serão monitoradas durante cinco anos, pelo projeto Tamar e pela Fundação Renova. O estudo será realizado em 156 km de praia, de Aracruz a Conceição da Barra. Possíveis danos aos animais provocados pela lama da barragem da Samarco serão avaliados. A ideia é avaliar aspectos como reprodução, alimentação e desova, por exemplo, para identificar se houve mudanças na dinâmica das tartarugas do litoral capixaba. Por serem espécies ameaçadas de extinção, podem ser mais sensíveis a mudanças no ambiente. Por isso, o resultado desse monitoramento é um indicador fundamental para avaliar as ações de reparação ambiental executadas pela Renova, após o rompimento da barragem da Samarco em Mariana, que levou lama com sedimentos de minério do Rio Doce até o mar. Os trabalhos começam nos próximos dias e os primeiros resultados serão compartilhados com os órgãos ambientais seis meses após o início do estudo. O levantamento será realizado durante todo o ano e reforçado no período de desova das tartarugas, de setembro a março, quando o monitoramento ocorrerá durante o dia e também no período da noite. Entre os locais monitorados estão áreas como Reserva Biológica de Comboios, a Terra Indígena de Comboios, Povoação, Monsarás, Cacimbas, Ipiranga, Ipiranguinha, Pontal do Ipiranga, Barra Seca/Urussuquara, Campo Grande, Barra Nova e Guriri. A execução das atividades irá mobilizar mão de obra local – pescadores e moradores tradicionais da costa – para detecção e monitoramento das fêmeas, ninhos e filhotes, levando em conta também o conhecimento tradicional da população. Todo o trabalho será supervisionado por técnicos e estagiários para possibilitar os estudos de distribuição espacial e temporal dos ninhos, proteção, identificação das espécies e avaliação do sucesso reprodutivo. As equipes serão alocadas nas bases do Tamar ao longo da área a ser estudada e serão geridas pelos técnicos do Centro Tamar/Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

terça-feira, 7 de março de 2017

Tartaruga chamada 'Banco' passa por cirurgia para retirada de 915 moedas na Tailândia



Uma tartaruga marinha passou por uma cirurgia na faculdade de veterinária da Universidade de Chulalongkorn, na Tailândia, para a retirada de 915 moedas. Os veterinários operaram nesta segunda-feira (6) a tartaruga, que engoliu as moedas que foram lançadas durante anos por turistas em sua piscina na cidade de Sri Racha. Muitos tailandeses acreditam que jogar moedas em tartarugas traz longevidade. O acúmulo de moedas criou um peso extra de cinco quilos no estômago da tartaruga. Cinco veterinários da faculdade removeram as moedas durante uma cirurgia de quatro horas quando "Banco" estava sob anestesia geral.

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Fotógrafo flagra tartaruga marinha nadando em praia de Guarujá


Um morador da Baixada Santista que passava o fim de semana em uma praia de Guarujá, no litoral de São Paulo, recebeu uma visita especial enquanto mergulhava. Uma tartaruga marinha de pouco mais de 1 metro se aproximou do banhista e fez companhia para ele durante cerca de 20 minutos. A presença do animal foi registrada pelo fotógrafo Lucas Dias, também conhecido como 'Trk', em fotos e vídeos. Ele conta que estava a poucos metros da faixa de areia da praia do Tombo quando avistou a tartaruga. Segundo ele, o animal não parecia estar machucado ou cansado. "Acho que ela só estava passeando mesmo. Fiquei um tempinho acompanhando ela. A praia do Tombo é uma das mais limpas do Brasil. Os moradores locais sabem cuidar do espaço", disse. A praia do Tombo, em Guarujá, detém há seis anos o título de 'Bandeira Azul', iniciativa da Foundation for Environmental Education, organização que reconhece o equilíbrio entre a preservação ambiental e o desenvolvimento economico para manter a qualidade do local.

sábado, 24 de janeiro de 2015

Tartarugas Marinhas






Cheloniidae é a família da ordem das tartarugas que inclui as espécies de tartaruga que vivem no mar. O grupo dos quelônios é constituído por seis gêneros e sete espécies, todas elas ameaçadas de extinção. As tartarugas-marinhas habitam todos os oceanos, menos o Antártico. A maioria das espécies são migratórias e viajam pelos oceanos, orientando-se com a ajuda do campo magnético da Terra. A tartaruga-de-couro é a maior espécie, e pode chegar a 2m de comprimento e 1,5 m de largura, com 600 kg de peso. A tartaruga precisa retornar de vez em quando para a superfície para respirar, pois ela não tira oxigênio da água, como fazem os peixes. Embora seja grande e pesada, pode ser mais rápida do que muitos peixinhos, dos quais se alimenta. A tartaruga marinha come crustáceos (como camarões) e moluscos de concha, além de peixes. Pode aguentar sem comer, até por algumas semanas. Na areia, são lentas, pesadas e as nadadeiras não ajudam em nada para se movimentar. Além disso, por causa da incapacidade de flexionar a espinha, como fazem outros répteis, a locomoção da tartaruga depende só dos membros, dentro ou fora da água. Nem todas as tartarugas são carnívoras.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Projeto Tamar de Ubatuba recebe filhotes albinos de tartaruga marinha


Oito filhotes de tartarugas marinhas albinas, consideradas raras, chegaram ao Projeto Tamar de Ubatuba, no litoral Norte de São Paulo. Os animais, que vieram de Campos dos Goytacazes, (RJ) em dezembro, estão na área de visitação do projeto desde terça-feira (20). Os filhotes são da espécie tartaruga-cabeçuda e foram encontradas em um ninho com 118 filhotes. Apenas essas oito que vieram para em Ubatuba (SP), referência no tratamento deste tipo de réptil, nasceram albinas. O albinismo é a falta de pigmentação na pele (ausência de cor) por fatores genéticos e é um fenômeno muito raro em tartarugas marinhas. Por isso, esses filhotes foram levados para o Tamar, que estuda a biologia destes animais. O projeto atua no litoral norte. Segundo a coordenadora do projeto, Berenice Gomes da Silva, estes animais são muito frágeis e têm poucas chances de sobreviver na natureza. Ela explicou que, em cativeiro e sob cuidados especiais, essas chances aumentam. “Durante todo o dia os animais recebem alimentação que é feita individualmente. Para isso, fazemos um sistema de rodízio entre os funcionários e também na exposição para o público”, explicou. A coordenadora explicou ainda que além do controle de peso, as tartarugas albinas recebem uma iluminação especial. “Com a despigmentação da pele, elas ficam mais sensíveis a luz do sol, por isso recebem uma iluminação especial usada para répteis. Sem estes cuidados dificilmente elas sobreviveriam na natureza”, disse. As tartarugas nasceram no dia 20 de dezembro de 2014 na Praia do Gargaú, em Campos dos Goytacazes e foram trazidas para o centro do Tamar em Ubatuba na véspera de Natal. Elas passaram por um período de isolamento. Essa não é a primeira vez que o Tamar em Ubatuba recebe animais como estes. Em 1994, dois filhotes albinos, também nascidos no Rio de Janeiro, foram levados para o local. O Projeto Tamar em Ubatuba fica na rua Antonio Athanásio, 273, na praia de Itaguá. O horário de funcionamento durante férias escolares é das 10h às 20h, todos os dias da semana.