PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Tubarão. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Tubarão. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Fóssil de tubarão de 400 milhões de anos é descoberto no Peru


Um grupo de pesquisadores descobriu na margem do lago Titicaca, no sudeste do Peru, restos fossilizados de um tubarão Pucapampella de 400 milhões de anos de antiguidade, informou nesta sexta-feira (7) o Ministério da Cultura. A descoberta foi feita por estudantes da Universidade de Puno nos sítios paleontológicos de Imarrucos, distrito de Taraco, perto do lago que delimita a fronteira com a Bolívia, a 3,8 mil metros de altitude sobre o nível do mar. "Após uma análise e estudos que realizamos, concluímos que os restos fossilizados pertencem a um tubarão de 400 milhões de anos", disse à AFP o paleontólogo Leonardo Zevallos, do Ministério da Cultura. "É o vertebrado mais antigo de que se tem registro no Peru", acrescentou. Os restos encontrados, que pertencem ao período Devoniano, são dois arcos mandibulares e uma barbatana, informou o pesquisador. As autoridades peruanas indicaram em um comunicado que após realizar comparações com "restos similares encontrados na Bolívia e nas Ilhas Malvinas, se determinou que os restos descobertos em Puno correspondem à associação Pucapampella-Zamponioteron". O Devoniano é conhecido como "a idade dos peixes", já que nesse período apareceram os primeiros vertebrados e a partir deles evoluíram outros grupos como os anfíbios e répteis, que foram antepassados dos mamíferos, apontou o Ministério de Cultura.

terça-feira, 2 de maio de 2017

Câmera flagra tubarão comendo carcaça de baleia-jubarte na Califórnia


Uma ma câmera flagrou um tubarão comendo uma carcaça de uma baleia durante 12 horas. A carcaça estava sendo rebocada para evitar que chegasse à costa. A baleia-jubarte morreu por causa de ferimentos desconhecidos perto de uma praia na Califórnia. Apelidada de Scarlet por causa da cor avermelhada, ela era conhecida na região.

quinta-feira, 30 de março de 2017

Após ciclone, tubarão é achado em rua de cidade australiana



A passagem do ciclone "Debbie", com ventos de 260 km/h, causou estragos e pânico no estado de Queensland, no nordeste da Austrália, mas também imagens inusitadas. Philip Calder, um jornalista que cobria o fenômeno natural para a emissora de TV Win News , fotografou um tubarão morto e coberto de lama em uma rua da cidade de Ayr, um dos locais afetados pelas enchentes provocadas pelo ciclone. Segundo Calder, o tubarão virou o principal tema de conversas no município, e muitas pessoas se aproximaram para tocá-lo. O "Debbie" perdeu força após tocar a terra firme, na última terça-feira (28).

sexta-feira, 24 de março de 2017

Tubarão-lixa que era mantido em aquário de casa em Ribeirão Preto é resgatado


Uma equipe de biólogos fez o transporte de um tubarão-lixa que estava morando no aquário de uma residência em Ribeirão Preto (SP). O animal, que está na lista de espécies ameaçadas de extinção, foi parar na casa após o dono ter adquirido o mesmo achando que ele não iria aumentar de tamanho. Ao notar que se tratava de um tubarão maior e que iria continuar crescendo, ele decidiu fazer uma entrega voluntária. O oceanógrafo Hugo Gallo Neto explica que essa não é a primeira vez que se depara com uma situação similar e conta que já realizou resgates em outras cidades sob condições similares no passado. O tubarão resgatado apresenta boas condições de saúde e agora será observado por veterinários até poder ser encaminhado a um ambiente próprio para ele. “Ele estava em um aquário há três anos e meio, cresceu e o proprietário, já preocupado com o animal, decidiu fazer uma entrega voluntária. Ele comunicou um órgão ambiental, o qual nos encaminhou e fomos buscar o animal em Ribeirão Preto”, explica Hugo. Inicialmente, o tubarão-lixa chegou às mãos do dono quando media aproximadamente 60 centímetros de comprimento. Segundo o oceanógrafo, o dono acreditou que ele não deveria ficar muito maior do que já estava e decidiu mantê-lo no aquário em sua casa. Com o passar dos anos, entretanto, o ‘pet’ acabou chegando a 1,70 m. “Ele foi deixando e acho que a pessoa, às vezes, quando vê que o animal entra na lista de ameaçados de extinção acaba sentindo medo de estar cometendo uma ilegalidade. Nesse caso, uma conhecida do dono ajudou a convencê-lo a fazer isso e quando finalmente conversamos ele ficou mais tranquilo ao saber que não ia sofrer nenhuma sanção”, diz. O resgate do tubarão foi realizado nesta quarta-feira (22) e o oceanógrafo explica que os donos de animais selvagens devem saber que é possível realizar uma entrega voluntária dos mesmos sem que o proprietário sofra qualquer tipo de penalidade. “Ao fazer uma entrega voluntária, os órgãos entendem que não existe uma aplicação de penalidade. A pessoa fica legalizada e o animal é encaminhado para um lugar melhor onde haverá cuidado constante, com mais espaço. É importante que exista um esclarecimento para que essas pessoas saibam como agir”, finaliza. O tubarão-lixa deverá seguir recebendo atendimento das equipes do Aquário de Ubatuba até que esteja apto para ser encaminhado para seu próprio tanque.

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Tubarão fêmea surpreende cientistas ao dar à luz após 3 anos sem contato com macho




Um tubarão fêmea foi capaz de reproduzir num aquário em Townsville, na Austrália, três anos após ter sido separada de macho da espécie. Mesmo sem fertilização, Leonie, exemplar de uma espécie conhecida como tubarão-zebra, botou três ovos com embriões e deu à luz a Cleo, CC e Gemini. É o primeiro caso registrado de troca natural de tipo de reprodução - de acasalamento por reprodução assexuada - envolvendo tubarões e o terceiro relatado entre todas as espécies de vertebrados, segundo o jornal britânico "The Guardian". A descoberta foi publicada na revista científica Nature nesta segunda-feira (16). Capturada no mar em 1999, Leonie foi introduzida a um macho no aquário de Townsville, na costa Leste da Austrália, em 2006. Dois anos depois, começou a botar ovos e teve várias ninhadas por acasalamento antes de ser separada de seu companheiro em 2012 - o aquário decidiu reduzir seu programa de criação à época. Cleo e CC são os primeiros caos relatados de filhotes de tubarão criados a partir apenas de uma fêmea que já havia acasalado anteriormente Cleo e CC são os primeiros caos relatados de filhotes de tubarão criados a partir apenas de uma fêmea que já havia acasalado anteriormente (Foto: Tourism and Events Queensland) O artigo da revista "Nature" explica que "partenogênese é uma forma natural de reprodução assexuada em que os embriões se desenvolvem na ausência de fertilização" e é mais comum em plantas e organismos invertebrados. Os pesquisadores explicam que usaram testes de DNA para relatar "a primeira demonstração" de reprodução sem sexo em um tubarão que já havia acasalado anteriormente. De acordo com o artigo da "Nature", Lolly - uma das filhotes fêmeas de Leoni concebidas com fertilização ainda no tempo em que ela dividia o aquário com um macho - também botou ovo com embrião sem ter convivido com um macho depois que atingiu a maturidade sexual. "A demonstração da partenogênese nesses dois indivíduos com diferentes histórias sexuais fornece mais apoio para (a tese de) que os peixes elasmobrânquios são capazes de adaptar de forma flexível sua estratégia reprodutiva às circunstâncias ambientais", diz o resumo do artigo. Em 2014, funcionários do aquário de Townsville observaram que os ovos de Leonie e de sua filha Lolly tinham embriões. Tentaram incubá-los, mas não obtiveram sucesso. No ano seguinte, Leonie e Lolly produziram ovos que continham embriões. Juntas, elas tiveram cinco filhotes vivos, dos quais dois (Cleo, que nasceu de Leonie, e Kitkat, que veio de um ovo de Lolly) permanecem em exposição no aquário de Townsville, segundo o "Guardian". O fato de algumas espécies de tubarão botarem ovos com embriões sem a presença de um macho não é algo atípico. Mas trata-se do primeiro registro de um tubarão que naturalmente trocou a forma de reprodução de fecundação por partenogênese. Os testes genéticos dos filhotes de Leonie que nasceram depois que ela foi separada do macho indicaram que eles são resultado da reprodução assexuada e não de esperma armazenado - tubarões fêmeas armazenam esperma vindo dos machos por até quatro anos. "A maioria dos casos documentados de partenogênese facultativa em vertebrados foram registados de fêmeas em cativeiro que não tiveram exposição a machos durante toda a sua vida reprodutiva", salienta o artigo publicado na Nature. Por isso, o caso de Leoni, que foi capaz de dar à luz após três anos sem acasalar com um macho, surpreendeu os cientistas.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Mergulhador é atacado por tubarão e grava vídeo na Austrália



Um mergulhador foi atacado por um tubarão na costa da cidade de Queensland, na Austrália. Kerry Daniel, de 35 anos, conseguiu se defender com uma lança de pesca e gravou os momentos em que o animal se aproximou para o ataque. Nas imagens, o tubarão-cabeça-chata se aproxima em direção a Daniel pronto para a mordida. O animal é atingido pela lança dentro de sua arcada. Ele tenta se desvencilhar por um tempo. Depois, desiste e sai. “Ele arrancou a arma da minha mão e rasgou a linha [da lança] fora também”, disse Daniel ao “Daily Mail”. “Eu não percebi que a arma estava presa em sua boca. Fiquei esperando ele cuspir”. O mergulhador disse que não tem mais informações sobre o estado do tubarão. Espécie é conhecia por ser mais violenta e é comum em áreas costeiras e mais rasas nos trópicos.

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Tubarão é encontrado morto por pescadores de Itaúnas no ES


Um tubarão de quase dois metros foi encontrado morto por pescadores da Vila de Itaúnas, em Conceição da Barra, no Norte do Espírito Santo, nesta terça-feira (25). O animal, da espécie Tigre, e pesando cerca de 150 quilos, foi encontrado por três pescadores pela manhã, quando foram buscar as redes de pesca no mar. O tubarão estava preso nas redes. Após a morte do animal ser confirmada por uma equipe do Parque Estadual de Itaúnas, o tubarão foi levado para a vila e a carne foi dividida entre comerciantes e moradores. Segundo o biólogo Luciano Cabral, o animal é perigoso e, provavelmente, chegou próximo da costa em busca de alimento. “Ele pode ter seguido um cardume e acabou preso nas redes”, disse.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Canoísta filma tubarão de sete metros no Reino Unido



Um canoísta filmou um encontro com um tubarão de 7 metros nas proximidades da Ilha de Man, no Mar da Irlanda. Craig Whally disse que explorava cavernas da região de Fleshwick quando topou com o peixe. Era um tubarão-frade, espécie que apenas se alimenta de plâncton e não oferece risco para humanos. "Vi uma imensa barbatana e apenas fiquei esperando pelo tubarão. A água estava bem clara, então foi algo inacreditável. Senti-me privilegiado", contou Whally.

quarta-feira, 27 de abril de 2016

Tubarão que brilha no escuro pode usar luz para se comunicar, diz estudo



Uma pesquisa, liderada pelos cientistas do Museu Americano de História Natural, mostra que tubarões da família Scyliorhinidae emitem e são capazes de enxergar luz fluorescente emitida por seus corpos. É possível que eles usem essa capacidade para se comunicar com membros da mesma espécie em águas profundas. A experiência, publicada na revista "Scientific Reports", usou câmeras especiais que imitam os olhos do tubarão para registrar o fenômeno, que não pode ser visto pelos olhos humanos O estudo focou na habilidade visual desses animais, mostrando que os seus olhos eram capazes de absorver a luz emitida pelos corpos dos outros. Usando uma técnica chamada microespectrofotometria, os pesquisadores conseguiram identificar uma variedade de pigmentos que permite que enxerguem em ambiente de pouca luz. “Os olhos dos tubarões podem ser cem vezes mais eficientes que os nossos em condições de pouca luz. Eles nadam em áreas que são incrivelmente difíceis para o ser humano conseguir ver algo. Mas é onde eles têm vivido por mais de 400 milhões de anos, então eles se adaptaram a essa condição de luz”, contou David Gruber, autor do estudo e pesquisador do Museu Americano de História Natural. Com essas informações, foi possível construir uma câmera especial que simula como os tubarões enxergam embaixo d’água. As imagens captadas mostraram contrastes nos padrões de fluorescência. A luz emitida era mais forte quanto maior a profundidade dos animais, sugerindo que eles não só podem enxergar a luz como conseguem usá-la para se comunicar com outros.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Tubarão em extinção fica preso a rede de pescador em Guarapari, ES


Um tubarão foi pescado na manhã desta segunda-feira (21), na costa da Enseada do Sol, região que abrange a Praia de Santa Mônica, em Guarapari, no Espírito Santo. O animal teria ficado preso à rede de um pescador que atuava na região. De acordo com o empresário Renato Ferraz, que estava no local e fez fotos do tubarão, um homem pescava em alto mar quando o animal ficou preso na rede. Ele contou que o tubarão foi levado ainda vivo pelo pescador até o cais da Aldeia de Perocão. Ainda segundo a testemunha, o pescador não quis se identificar por medo de represálias de órgãos ambientais. De acordo com o diretor do Instituto Orca, Lupércio Barbosa, trata-se de um Tubarão Mangona. “Espécie ameaçada de extinção devido à intensa captura comercial, tendo em vista qualidade e sabor da carne”, disse. Lupércio disse que a espécie é comum nos mercados de pesca, vendidos como cação, podendo atingir mais de 3 metros de comprimento. “É comum em águas costeiras rasas, como praias e baias. Não há registro de acidentes humanos com essa espécie”, esclareceu Lupércio.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Tubarão avança contra gaiola e assusta turistas na África do Sul




Um vídeo impressionante e assustador mostra um tubarão avançando contra uma gaiola de proteção na qual estava um grupo de turistas na África do Sul. Assista ao vídeoA cena foi filmada pelo turista norte-americano Spencer Reilly, que estava mergulhando na gaiola de proteção. O tubarão nadava em alta velocidade em direção a uma isca quando se chocou contra a gaiola.
Fonte: G1.com.br

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Dupla faz até massagem para conseguir retirar anzol de tubarão




Os americanos Cameron Nimmo e Mickey Smith fizeram até massagem em tubarão para conseguir retirar um anzol que estava encravado na boca do animal. A dupla foi filmada na costa do estado da Flórida (EUA) ajudando o tubarão de quase 2 metros. A gravação fez sucesso ao ser compartilhada por Chris Cameron em sua página no Facebook, alcançando mais de 380 mil visualizações (assista). O vídeo também foi publicado pelo grupo "Shark Addicts" no YouTube. Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2015/10/dupla-faz-ate-massagem-para-conseguir-retirar-anzol-de-tubarao.html

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Foto incrível mostra pequeno peixe comendo restos na boca de tubarão


Um grupo de mergulho publicou em sua página no Facebook uma foto incrível de um pequeno peixe comendo restos de comida na boca de um tubarão. O peixe seria uma rêmora, espécie que costuma se agarrar a tubarões, prendendo-se a seu corpo. A rêmora acaba se alimentando de restos descartados pelo tubarão. A associação entre as duas espécies é o exemplo mais conhecido de comensalismo. A cena fez sucesso ao ser compartilhada pela página "Inmersiones.es" no Facebook.

sexta-feira, 7 de agosto de 2015

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Como evitar ataques de tubarão - e o que fazer se for atacado


O surfista australiano Mick Fanning passou um susto no último domingo: foi atacado por um tubarão durante uma competição na África do Sul, incidente que acabou sendo transmitido ao vivo pela TV. Ele conseguiu bater no tubarão e escapar em um bote de resgate. Cerca de 70 ataques não provocados de tubarão têm sido registrados por ano no mundo, resultando em cerca de dez mortes. Ou seja: em termos globais, a probabilidade é maior de morrer sendo atingido por raios ou de picadas de abelhas do que por tubarões. Mas os números de ataques têm crescido constantemente a cada década, provavelmente em decorrência do aumento da população humana global e de sua presença mais constantes nas águas. Ante os aguçados sentidos de olfato, paladar, audição e visão do tubarão, como se precaver de um eventual ataque? E o que fazer se for atacado? Eis algumas dicas, compiladas pelo biólogo George H. Burgess, do Museu de História Natural da Flórida (EUA): Evite a água do mar no período entre o pôr do sol e o nascer do sol É nesse período que os tubarões estão mais ativos. Também é bom evitar nadar durante ou depois de tempestades, que deixam as águas turvas e agitam os peixes dos quais os tubarões se alimentam. Esse cenário pode impedir o tubarão de distinguir entre suas presas e seres humanos. O mesmo raciocínio se aplica a nascentes de rios, onde as águas costumam estar lamacentas.

quarta-feira, 6 de maio de 2015

Australiano se arrisca e pega tubarão com as mãos, mas é criticado



Um australiano se arriscou, entrou no mar e pegou um pequeno tubarão com as próprias mãos após uma brincadeira com amigos. Na gravação, o tubarão é visto nadando próximo da praia, quando o homem corre em direção da água, pega o animal pela cauda e, depois, o exibe como se fosse um troféu. A brincadeira perigosa também foi alvo de críticas de outros usuários, que acusaram o australiano de maus tratos com os animais ao manipular o tubarão como se fosse um objeto qualquer. Publicado no Reddit, o vídeo recebeu mais de 1,5 milhão de visualizações.

domingo, 19 de abril de 2015

Tubarão assusta ao nadar perto de condomínio de luxo nos EUA


Moradores de um condomínio de luxo em Bonita Beach, no estado da Flórida (EUA), levaram um grande susto ao flagrarem um tubarão nadando muito próximo das casas. O tubarão-touro teria mais de 2,5 metros de comprimento. Assista ao vídeo.

quarta-feira, 4 de março de 2015

Tubarão raro, “alien das profundezas” é fisgado na Austrália


Uma espécie rara de tubarão-duende, ou “alien das profundezas”, foi capturada por um pescador comercial na costa da Austrália. A criatura misteriosa, provavelmente uma das mais antigas entre os tubarões, é raramente vista por viver no fundo do mar. As informações são do The Mirror. O tubarão-duende capturado ficará em exposição no Museu da Austrália, com outros três já presentes no local. A última vez que o “alien das profundezas” foi visto aconteceu no ano passado, no México. A espécie pode atingir até cinco metros de comprimento, vivendo até 1200 metros de profundidade. O tubarão-duende se alimenta de lulas, camarões, polvos e outros moluscos, possuindo um nariz longo com células sensoriais que utiliza na caça. Os dentes do animal são bastante afiados, em forma de agulha. A presença desses animais foi registrada em ilhas japonesas, na Austrália, América central e sul e na África do Sul. A publicação não confirma a data em que o animal foi fisgado.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Pescadores capturam raro tubarão 'pré-histórico' na Austrália


Um grupo de pescadores capturou um exemplar de um raro tubarão-cobra, conhecido como o "fóssil vivo", nas águas do sudeste da Austrália, informaram nesta quarta-feira (21) os meios de comunicação locais. Este tubarão, cujo nome científico é Chlamydoselachus anguineus, tem a cabeça e a cauda como as de qualquer tubarão, mas seu corpo é mais parecido com o de uma enguia. Ele tem cerca de 300 dentes distribuídos em 25 fileiras. Já foram encontrados fósseis dessa espécie com mais de 80 milhões de anos. O exemplar, de cerca de dois metros de comprimento, foi capturado perto dos lagos Entrance, no estado australiano de Victoria, e segundo Simon Boag, da Associação da Indústria de Pesca com Rede do Sudeste (SETFIA), é a primeira vez que o animal é visto na região. "Realmente parece que existe há 80 milhões de anos. Tem um aspecto pré-histórico, parece ser de outro tempo", disse Boag à emissora local "ABC". Os cientistas da Organização de Pesquisa Científica e Industrial da Comunidade da Austrália (CSIRO) confirmaram que se trata de um tubarão-cobra, uma espécie conhecida pela comunidade científica, mas raramente avistado por pescadores. Geralmente este animal é visto em profundezas de mais de 1,2 mil metros, embora o exemplar capturado estava a cerca de 700 metros.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Vídeo impressionante mostra polvo atacando e devorando tubarão



Um vídeo impressionante mostra um polvo atacando e devorando um tubarão. Na gravação, o polvo aparece escondido e, quando o tubarão nada em sua direção, lança seus braços para capturá-lo. Assista ao vídeo.
Normalmente, o tubarão é uma ameaça para o polvo. Mas, nesse vídeo, os papéis ficam invertidos, e o molusco marinho acaba virando predador. Publicado no dia 5 de janeiro, vídeo alcançou mais de 7 mil visualizações.