PESQUISE NA WEB

sábado, 20 de julho de 2013

Pesca ameaça golfinho apelidado de 'hobbit dos mares', dizem cientistas


Cientistas alertaram nesta segunda-feira (1) sobre o risco de redução da população de golfinhos-de-Maui, considerado um dos menores cetáceos do mundo por alcançar o tamanho médio de 1,7 metro, e afirmam que esta espécie pode desaparecer da natureza até 2030. De acordo com informações do comitê científico da Comissão Baleeira Internacional (CBI), essa espécie é encontrada apenas em áreas da Ilha Norte da Nova Zelândia e, por isso, os pesquisadores pedem que atividades pesqueiras diminuam ou cessem nessa região para que se preservem os 55 adultos que restam desta espécie. Segundo a CBI, a morte de um exemplar causada pelo homem, em uma população tão pequena, aumentaria o risco de extinção desses animais. O governo da Nova Zelândia já informou em outra ocasião que iria considerar os impactos da indústria pesqueira local sobre esses golfinhos. No entanto, a comissão de cientistas disse não haver tempo para demora de decisão a respeito. A CBI informou ainda que, em vez de buscar mais evidências científicas, o governo deveria proporcionar ações de gestão imediatas para que se elimine a captura acidental de golfinhos-de-Maui. A indústria pesqueira local contesta as acusações de que é culpada pela morte de golfinhos desta espécie. Eles alegam que outras causas de mortes, como doenças parasitárias, têm sido ignoradas. O governo neo-zeolandês disse que o espera lançar no próximo mês um plano de gestão para conservação da espécie. O golfinho-de-Maui é apelidado por ambientalistas como "o hobbit dos mares", uma referência ao ser criado pelo autor J.R.R. Tolkien e citado nas obras “O hobbit” e “O Senhor dos Anéis”. Nos livros, Tolkien descreve um hobbit como uma criatura que não ultrapassa um metro de altura.

Fazenda nas Filipinas divulga imagem de 25 bebês crocodilos



Pelo menos 25 bebês crocodilos nasceram em uma fazenda na cidade de Pasay, que fica na região metropolitana de Manila, capital das Filipinas. Segundo um porta-voz da fazenda, os filhotes eclodiram dos ovos nesta sexta-feira.

domingo, 14 de julho de 2013

Borboletas disputam para beber lágrimas de tartaruga na Amazônia


Um fotógrafo que realiza passeios fotográficos com turistas de uma pousada na Amazônia peruana registrou uma cena impressionante durante uma caminhada recente. Jeff Cremer levava um pequeno grupo pela mata quando eles avistaram tartarugas da espécie tracajá envoltas por diversas borboletas, que disputavam espaço para beber as lágrimas dos répteis. O biólogo Phil Torres, que trabalha com Jeff nos passeios promovidos pela Pousada Amazonas, foi quem avistou a cena incomum e chamou atenção do grupo. Segundo a dupla, é comum na região ver uma ou duas borboletas "beijando" os olhos dessa espécie de tartaruga em busca de uma fonte de sal, o que ajudaria na reprodução das borboletas. "É algo que eu já queria fotografar há algum tempo, não é tão comum em outras áreas dos trópicos. Este lado da Amazônia, estando tão distante do Atlântico, tem poucas fontes de sal. Então, comportamentos estranhos podem surgir para compensar - incluindo beber lágrimas de tartarugas", diz o fotógrafo de natureza Jeff Cremer. "Estamos acostumados a ver uma ou duas borboletas em uma tartaruga, o que pode render uma boa foto, mas estas tartarugas estavam realmente sufocadas por borboletas", completa.

Recife de coral 'ressuscita' na Austrália após mais de 10 anos


Cientistas constataram que um sistema de corais próximo ao litoral da Austrália "ressuscitou" na última década, após haver perdido de 70% a 90% de sua biodiversidade segundo medições realizadas em 1998. O estudo foi realizado por pesquisadores da Universidade James Cook e do Instituto Australiano de Ciência Marinha da Universidade Western Australia, e foi divulgado nesta quinta-feira (4). O sistema de recifes Scott, situado no litoral da região oeste do país, foi atingido pelo branqueamento, uma "doença" de corais que ocorreu devido a mudanças climáticas, segundo o estudo. No entanto, nos últimos 12 anos, a cobertura dos corais na barreira passou de 9%, em 1998, para 44% em 2010, de acordo com os cientistas. A pesquisa, publicada nesta semana pela revista "Science", tem resultados surpreendentes porque os pesquisadores acreditavam que a recuperação do branqueamento dependia de larvas vindas de outros corais próximos. Mas o recife Scott está situado a cerca de 250 km de outros corais, em uma posição isolada. Os pesquisadores sugerem que peixes herbívoros, que continuaram abundantes no sistema Scott, carregaram em seus corpos algas microscópicas necessárias para o ressurgimento dos corais. "Estas condições podem ter providenciado um ambiente adequado, no qual corais jovens se estabeleceram e cresceram", dizem os cientistas em nota divulgada pela "Science". O estudo ressalta que a recuperação foi favorecida pela ausência de humanos na barreira de corais, que fica numa posição isolada. É possível que sistemas de recife se recuperem com recursos da natureza, especialmente quando os peixes são abundantes e as atividades humanas estão limitadas, apontam os cientistas.

Austrália reconhece oficialmente declínio da Grande Barreira de Corais


A Austrália reconheceu oficialmente nesta quarta-feira (10) a degradação da Grande Barreira de Corais, que tem estado classificado atualmente como "medíocre" e que a Unesco ameaça incluir na lista de áreas em perigo. O ministro do Meio Ambiente, Mark Butler, divulgou um relatório que reconhece a alteração regular do recife de corais desde 2009 em consequência dos ciclones e inundações, apesar da redução da poluição agrícola. "Os episódios climáticos extremos têm impacto significativo sobre o estado geral do meio ambiente marinho, que declinou de mediano a medíocre", afirma o documento. Os ecossistemas de recife apresentam "uma tendência à degradação de seu estado pela qualidade da água, que continua sendo ruim, e ao aumento, em frequência e intensidade, dos acontecimentos (meteorológicos) extremos", completa. Os resíduos de nitratos (-7%), de pesticidas (-15%), de sedimentos (-6%) e de outros fatores que contaminam a área registraram queda, o que também reduziu a presença de uma estrela-do-mar que devora o coral. A Grande Barreira de Corais, que está lista de patrimônio mundial da Unesco desde 1981, perdeu mais da metade dos corais nos últimos 27 anos. A barreira tem 345.000 km2 ao longo da costa australiana.

sábado, 6 de julho de 2013

Baleias-bicudas-de-cuvier



A baleia-bicuda-de-cuvier (Ziphius cavirostris) é um cetáceo da família Ziphiidae, encontrado em águas tropicais e temperadas de todos os oceanos.

Estudo sugere que sonares militares prejudicam espécie de baleia


Cientistas da Universidade St. Andrews, no Reino Unido, descobriram que as baleias-bicudas-de-cuvier (Ziphius cavirostris) são muito sensíveis aos sonares militares, equipamentos que emitem frequências acústicas para auxiliar na navegação, pesca ou, ainda, em casos de guerra, para localização de submarinos. Os dados, publicados nesta semana na revista “Biology Letters”, apontam que esses mamíferos aquáticos, quando expostos a este tipo de som, inclusive a níveis baixos, reagem de maneira extrema. Eles interrompem sua alimentação ou nadam de forma rápida para se afastar do local de transmissão. Além disso, só retomam seu comportamento normal cerca de quatro horas após a exposição ao sonar. Segundo um dos pesquisadores, o resultado do estudo pode ter implicações importantes para a Marinha britânica que, a longo prazo, pode trabalhar para reduzir os impactos sobre essas espécies.

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Fotógrafo capta as cores deslumbrantes da vida marinha



Quando o fotógrafo submarino Franco Banfi decidiu viajar o mundo para captar imagens da fauna e da flora marinha, ele encontrou um mundo de infindável beleza. Veja galeria de fotos.
Cores vibrantes e inigualáveis podem ser vistas em detalhe nos grandes cardumes encontrados nos oceanos Índico e Pacífico e no Mar Vermelho.
Mas não é apenas a cor que chama a atenção nesses animais marinhos. Com formatos diferenciados, eles são um show à parte no fundo do mar.

terça-feira, 2 de julho de 2013

Americano bate recorde estadual ao fisgar peixe híbrido de 5,44 quilos


O pescador Dan Faiman teve o recorde estadual reconhecido pelo Departamento de Pesca do estado de Dakota do Norte (EUA) ao fisgar um peixe conhecido como saugeye de 5,44 quilos no rio Yellowstone, perto de Neu's Point. Funcionários do departamento de vida selvagem utilizaram testes genéticos para determinar a espécie do peixe, que é um híbrido produzido pelo cruzamento entre as espécies sauger (Sander canadensis) e picão-verde (Sander vitreus).

Pescador quebra recorde ao fisgar 'peixe feioso' no Alasca



O pescador esportivo Henry Liebman, de Seattle, nos EUA, exibe seu peixe (conhecido como "rockfish") que quebrou um recorde ao ser fisgado em Sitka, no Alasca. O animal mede 1,04 m e pesa 17,7 kg, de acordo com o Departamento de Pesca e Jogos do Alasca. A idade do peixe não pode ser determinada, mas, de acordo com especialistas, esse fator também pode ser outro recorde.