PESQUISE NA WEB

terça-feira, 24 de junho de 2014

Foto de peixe gigante empalhado gera especulações na web

 
A foto de um peixe gigante empalhado que foi publicada por um usuário chinês no site Reddit gerou discussão entre os usuários sobre a espécie do peixe. Entre as centenas de comentários, alguns disseram que seria um esturjão, espécie que pode alcançar mais de quatro metros de comprimento.

segunda-feira, 23 de junho de 2014

Peixe-pulmonado que vive há 80 anos em aquário nos EUA ganha festa


 
Um peixe-pulmonado-australiano que vive há 80 anos no aquário Shedd, em Chicago, no estado de Illinois (EUA), ganhou uma festa nesta terça-feira (17). Apelidado de "vovô", o peixe foi levado para Chicago em 1933 durante a realização de uma feira mundial na cidade. "Vovô" é considerado o peixe mais velho do mundo vivendo em um aquário.

Peixe raro e bizarro intriga especialistas nos EUA



 
Um peixe esquisito e bastante raro capturado na região de Tampa, na Flórida, deixou especialistas intrigados, fazendo com que ele fosse levado para o laboratório para que sua espécie fosse identificada. A Comissão de Conservação de Pesca e Vida Selvagem da Flórida recebeu um chamado após a criatura ser encontrada em um píer em Pensacola, e, diante da imprecisão para identificar a que espécie pertence, o bicho acabou levado para o instituto de pesquisa da organização. De acordo com a emissora “WTSP”, os peritos irão recolher amostras de DNA para conseguir determinar a identidade do bicho. Por enquanto, o instituto se limitou a dizer que trata-se de um peixe muito raro e que não é comum em águas costeiras.

Raro peixe-cavalo é flagrado nos EUA


 
Um raro peixe-cavalo (Alepisaurus ferox), também conhecido como peixe-serrote, foi flagrado no cais de Jennette, em Nags Head, no estado da Carolina do Norte (EUA). A espécie vive em altas profundidades e raramente é vista perto da costa.
Segundo o site "LiveScience", o peixe-cavalo chama atenção por seus dentes afiados e nadadeira dorsal proeminente, além do hábito de comer sua própria espécie. Ele pode alcançar até dois metros de comprimento e geralmente se alimenta à noite. Além da própria espécie, alimenta-se de crustáceos, lulas e espécies menores de peixes. Após ser fotografado, segundo o Departamento de Meio Ambiente e de Recursos Naturais da Carolina do Norte (DENR), o peixe foi solto.

Tubarão branco assusta pescadores ao roubar iscas de barco nos EUA


 
Um grupo de pescadores filmou o exato momento em que um grande tubarão branco arrancou um saco de iscas de seu barco na costa de Cape May, no estado de Nova Jérsei (EUA), no sábado (21). O tubarão, que teria mais de quatro metros, foi flagrado retornando várias vezes até conseguir pegar as iscas presas à embarcação. Assista ao vídeo.

Marlim-azul de 270 kg e avaliado em US$ 500 mil vira atração na Flórida

 
Um marlim-azul de 270 quilos virou atração em Miramar Beach, no estado da Flórida (EUA), enquanto era pesado no sábado (21). O enorme peixe foi fisgado por Steve Brown na última sexta-feira na costa da Flórida. Brown levou quase duas horas para vencer a batalha contra o marlim, que chegou a dar mais de 15 soltos na tentativa de fugir. Segundo o jornal "Northwest Florida Daily News", seu preço chega a US$ 500 mil (R$1,1 milhão).

sábado, 14 de junho de 2014

Mudança climática pode causar guerra por comida entre pinguins

 
As espécies de pinguins da Antártica, que no passado se beneficiavam da elevação as temperaturas, agora estão em declínio porque o aquecimento avançou demais, afirmaram cientistas nesta quinta-feira (12). Estudos científicos anteriores não haviam conseguido determinar o declínio das populações de pinguins-de-adélia e de pinguins-antárticos, enquanto a de pinguins-de-papua aumenta. No novo estudo, biólogos afirmaram que todas as três espécies se expandiram depois da última Era do Gelo, que terminou por volta de 11 mil anos atrás, mas as temperaturas em elevação vistas hoje estão ameaçando sua fonte de alimentos. "Havia menos gelo em volta da Antártica, o que era bom para esses pinguins, pois criou novos hábitats", declarou Gemma Clucas, do Departamento de Ciências da Terra e Oceano de Southampton. "No entanto, o que vimos agora é que as mudanças climáticas estão resultando em menos gelo ainda e que isto agora é muito ruim para os pinguins-de-adélia e antárticos, porque eles não têm mais comida suficiente", acrescentou. Essas espécies comem, sobretudo, krill, pequenos crustáceos similares ao camarão, que se alimentam, por sua vez, de algas sob o gelo em declínio. Já os papua têm uma dieta mais variada, que inclui peixes e lulas, menos afetadas pelos mares mais quentes. "O que estamos vendo é um 'reverso de fortunas', em que o aquecimento crescente não é mais tão bom para duas das três espécies de pinguins da península antártica", acrescentou o coautor, Michael Polito, do Instituto Oceanográfico Woods Hole. "Essa pesquisa mostra com clareza como uma única mudança ambiental, neste caso o aquecimento, pode ter consequências diferentes com o passar do tempo", continuou. O estudo foi publicado no periódico "Scientific Reports", uma publicação da revista "Nature".

terça-feira, 10 de junho de 2014

Tubarão que sumiu na Austrália pode ter sido devorado por 'monstro' de 6m


 
As autoridades de Queensland, na Austrália, estão preocupadas após um “monstro” devorar um tubarão de 2,7 m que estava sendo monitorado na região, estipulando que a criatura responsável pelo episódio bizarro pode ter mais de 6 m de comprimento. De acordo com a emissora “ABC”, banhistas foram alertados para ficarem longe das águas próximas de Stradbroke Island, um destino turístico bastante comum, até que o suposto tubarão gigante seja encontrado. Em 2009, um caso semelhante ocorreu na mesma região, quando um tubarão com cerca de 6 m atacou outro animal da mesma espécie e, quando pescadores encontraram a carcaça, viram marcas impressionantes de mordida em seu corpo. Cientistas no país agora trabalham para descobrir exatamente qual seria a criatura que teria atacado um tubarão-branco de mais de 2,7 m de comprimento, que tinha recebido um sensor para a realização de monitoramento ambiental. De acordo com o canal norte-americano “Smithsonian”, peritos estavam monitorando a criatura por quatro meses quando o localizador foi encontrado em uma praia próxima. Ao analisarem os dados à época, os peritos descobriram que o tubarão estava nadando e que a temperatura do sensor era de cerca de 7ºC. No entanto, de repente a medição foi para 25ºC, indicando que o sensor só poderia estar dentro da barriga de outro animal. Outro dado interessante foi que, após supostamente devorar o tubarão-branco, o sensor viajou 580 m para baixo do mar, antes de subir novamente e ser levado até a praia.

Aquecimento global danifica corais vitais para pequenos países-ilha, diz ONU

 
O aquecimento global está causando trilhões de dólares em danos aos recifes de coral, agravando os riscos para os pequenos países insulares tropicais ameaçados pela elevação do nível do mar, afirma um relatório da ONU divulgado nesta quinta-feira. O aumento do nível do mar para algumas ilhas do Pacífico Ocidental foi de quatro vezes a média mundial, com elevação de 1,2 centímetro por ano de 1993 a 2012 devido a mudanças nos ventos e correntes, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). O estudo, divulgado para marcar o Dia Mundial do Meio Ambiente das Nações Unidas, em 5 de junho, assinala que o aquecimento das águas do Oceano Índico para o Caribe estava danificando recifes, matando os animais minúsculos que formam os corais. "Estas 52 nações, lar de mais de 62 milhões de pessoas, emitem menos de 1% dos gases de efeito estufa globais, mas elas sofrem desproporcionalmente com as mudanças climáticas que as emissões globais causam", disse Achim Steiner, o diretor-executivo do Pnuma. "Algumas ilhas podem se tornar inabitáveis e outras enfrentam a perda potencial da totalidade de seus territórios", disse o estudo. A perda dos corais está trazendo um prejuízo de trilhões de dólares por ano dos serviços proporcionados pela natureza, geralmente considerados gratuitos. Os corais são berçários para muitos tipos de peixes, eles ajudam a proteger as costas de tempestades e tsunamis e também atraem turistas. Um estudo no mês passado estimou que cada hectare dos recifes de coral do mundo presta serviços no valor de US$ 350 mil por ano. Uma perda de 34 milhões de hectares de corais desde o final da década de 1990 representa US$ 11,9 trilhões por ano. "Os corais... provavelmente são os ecossistemas mais ameaçados do planeta", disse Robert Costanza, da Universidade Nacional Australiana e principal autor do estudo. O painel de cientistas do clima da ONU disse em março que havia sinais de alerta de que os corais de águas quentes já estavam experimentando mudanças "irreversíveis". "Enfrentar a mudança climática... é absolutamente vital para a sobrevivência dos pequenos países insulares ", disse Christiana Figueres, chefe do Secretariado de Mudança Climática da ONU, em entrevista coletiva. O relatório também aponta que as pequenas ilhas poderiam aproveitar a abundante energia solar ou eólica para ajudar a reduzir a conta de importação de combustível, muitas vezes entre 5% e 20% do produto interno bruto. "Estamos fazendo o que podemos", disse o ministro do Meio Ambiente das Ilhas Marshall, Tony de Brum, apontando para planos de investimento em energia solar. As Ilhas Marshall possuem o maior santuário de tubarões do mundo.

'Odisseia' de 3 anos desbravará 56 mil km de profundezas marinhas

 
Uma equipe de 12 jovens cientistas, liderada pelo biólogo marinho Alexander Semenov, planeja uma viagem épica de três anos para explorar as profundezas do mar. Eles irão desbravar mais de 56 mil km dos Oceanos Atlântico, Pacífico e Índico em busca de animais marinhos gelatinosos, como águas-vivas e lesmas marinhas - a bordo de um navio de 21 metros, feito sob medida para expedição. Semenov também é fotógrafo subaquático e já documentou vários animais semelhantes ao que o grupo pretende encontrar na viagem. A "Expedição Aquatilis" pretende sair no verão de 2015 de Marmaris, na Turquia. Parte dos custos da viagem virá de financiamento coletivo.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Inglês se assusta ao dar 'de cara' com tubarão-elefante na costa da Inglaterra

 
O inglês Lew Smart, de 31 anos, gravou em vídeo o momento assustador em que o homem deu de cara com um tubarão elefante, que nadava pela na região de Sennen Cove, na Inglaterra, em busca de alimento. Veja o vídeo.
De acordo com o jornal “Mirror”, Smart teria visto uma forma estranha nadando no mar e, em vez de apenas tirar uma foto de longe, pegou sua câmera à prova d’água e foi investigar o fato.
Assim que submergiu a câmera, o inglês deu “de cara” com a criatura de 4,5 m que, felizmente, não oferece riscos a seres humanos, já que se alimenta de plâncton.

Raro 'tubarão bocudo' é capturado no Japão


 
Um raro tubarão-boca-grande (Megachasma pelagios) foi capturado no mês passado no Japão. Diante de centenas de pessoas, a fêmea de 680 quilos e mais de 3 metros de comprimento passou por uma autópsia no Museu de Ciência Marinha de Shizuoka.
Segundo a imprensa japonesa, essa é apenas a 58ª vez que um tubarão-boca-grande é visto ou capturado pelo homem. O primeiro exemplar da espécie foi descoberto no Havaí, em 1976, o que levou os cientistas a criarem uma nova família de tubarões.
O tubarão-boca-grande, que vive em águas profundas (o exemplar japonês foi achado a uma profundidade de 790 metros), é uma espécie dócil, que se alimenta por filtração. Ele nada com sua enorme boca aberta, filtrando a água atrás de alimentos. Assista ao vídeo.

segunda-feira, 2 de junho de 2014

Estudo relaciona encalhe de baleias na Austrália com desnutrição

 
A desnutrição pode explicar o forte aumento do número de baleias-jubartes que encalham na costa ocidental da Austrália, indicaram nesta quarta-feira (28) cientistas em uma conferência em Perth. A necropsia dos cetáceos, em sua maioria espécimes jovens, mostrou que as baleias encalhadas sofriam de desnutrição. De acordo com Carly Holyoake, da Universidade Murdoch, "a maioria [dos exemplares] tinha um nível de gordura muito baixo, indispensável para a energia, a regulação térmica e a capacidade de flutuar", acrescentou. Segundo a agência France Presse, entre 1989 e 2007, até três baleias-jubartes encalhavam todos os anos na costa ocidental da Austrália, sobretudo na parte sul. O número aumentou para 13 em 2008 e para 46 em 2009. Em 2010 e 2011, encalharam, respectivamente, 16 e 17 baleias. Entre as causas da desnutrição desses mamíferos aquáticos figuram a intensificação da pesca comercial de krill (para as explorações piscícolas) e a influência, ainda pouco conhecida, do aquecimento global nas quantidades de krill nas águas. O krill é um elemento chave na dieta das baleias. Na última semana, o governo brasileiro tirou a jubarte da lista de espécies ameaçadas de extinção graças ao aumento da população desses animais no litoral do país, onde cruzam e geram novos filhotes. A espécie foi reclassificada para "quase ameaçada", status que demanda a continuidade de trabalhos de conservação. Segundo o MMA e o Instituto Baleia Jubarte, há quase três décadas existiam entre 500 e 800 animais vivendo apenas na região de Abrolhos, no sul da Bahia – principal concentração dessas baleias. Em 2011, quando foi realizada a última contagem aérea, foram avistados 14 mil animais. Até o próximo censo, previsto para este ano, o número pode saltar para 20 mil. No país, elas são encontradas na costa do Espírito Santo e Bahia entre julho e novembro, onde permanecem para procriação. De dezembro até junho, seguem para a Antártica, onde se alimentam de krill (invertebrados parecidos com o camarão).

Pesca da piracatinga será restrita na Amazônia para evitar morte de botos


 
Uma portaria interministerial que será publicada nos próximos dias vai instituir na Amazônia, a partir de janeiro de 2015, moratória de cinco anos para a pesca da piracatinga (Calophysus macropterus), peixe conhecido como douradinha, com o objetivo de proteger a população de jacarés e botos-vermelhos (Inia geoffrensis), chamados de botos-cor-de-rosa. O anúncio foi feito este mês pelos ministérios da Pesca e Aquicultura e Meio Ambiente. Segundo especialistas, pescadores tem matado diversos botos na região e utilizado sua carne como isca para atrair cardumes de piracatinga, chamado de "urubu d'água" porque consome carne apodrecida. A prática, difundida no interior do estado, ocorre ainda em zonas próximas a Manaus, capital do Amazonas. Estima-se que o volume anual de pesca provoque a morte de 67 a 144 botos-vermelhos por ano. Essa quantidade está bem acima da taxa natural de mortalidade, estimada em 16 animais ao ano. Isso tem causado uma redução drástica na quantidade de espécimes. Estudo divulgado em 2011 mostra que, em uma década, a população de botos da Amazônia reduziu pela metade. De acordo com a Associação Amigos do Peixe-boi (Ampa), localizada no Amazonas, as características da espécie contribuem para a vulnerabilidade deste mamífero amazônico. As fêmeas têm gestação de dez meses e cuidam dos filhotes por até quatro anos, ou seja, a inserção de outro boto na natureza é demorada. Outro dado importante aponta que cada boto-vermelho, que chega a medir 2,5 metros e pesar 180 kg, pode render ao menos uma tonelada de piracatinga. Na região de Tefé, estima-se a pesca de 400 toneladas do pescado ao ano, sendo que grande parte da carga é enviada para a Colômbia. Os peixes vão também para o comércio do Amazonas, mas também são enviados para São Paulo e Nordeste. Segundo o Ministério da Pesca, a moratória vai resguardar a subsistência do pescador artesanal e, por isso, ficará autorizada a captura de até 5 quilos por dia para o consumo familiar. O governo vai estudar alternativas para a retomada da pesca da douradinha após o término da moratória.
Fonte:

domingo, 1 de junho de 2014

Tubarão-baleia 'guloso' rouba peixes de rede de barco na Indonésia


 
Pescadores na costa da Indonésia foram surpreendidos durante uma saída ao mar quando um tubarão-baleia enorme aproveitou os peixes que haviam sido capturados em uma rede e fez uma refeição generosa sem muita dificuldade (veja o vídeo).
O animal, conhecido por seu tamanho impressionante, foi bastante guloso diante da oferta de comida, e não pareceu se esforçar para sugar os peixes capturados pelo barco, que não tinham a menor condição de oferecer resistência.
De acordo com o jornal “Daily Mail”, mesmo com as perdas durante a pesca, os pescadores gostam da presença de tubarões em volta do barco, já que isso traria boa sorte, de acordo com os costumes locais.
Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2014/05/tubarao-baleia-guloso-rouba-peixes-de-rede-de-barco-na-indonesia.html

Peixe 'guloso' é achado 'engasgado' com outro durante pescaria em lago

 
Tim Romano, um americano fanático por pesca, publicou um vídeo em seu canal no YouTube mostrando o momento em que encontra um largemouth bass (conhecido como anchigã) tentando engolir outro peixe, e consegue retirar ambos os animais da água e gravar em detalhes a cena (veja o vídeo).
De acordo com o jornal britânico “Metro”, o achado de sorte aconteceu no Lago Austin, no estado do Texas e, logo após mostrar os peixes, que ainda estavam vivos, Tim os devolveu para a água.
Apesar de muitos usuários desconfiarem da autenticidade do vídeo, a gravação foi extremamente compartilhada e vista mais de 980 mil vezes.