PESQUISE NA WEB

sábado, 28 de fevereiro de 2015

Cientistas avistam filhote de orca no litoral dos EUA


Cientistas americanos que estavam seguindo baleias ameaçadas de extinção de um navio avistaram uma orca filhote na costa do estado de Washington, nos Estados Unidos, o terceiro nascimento documentado nesta temporada de uma espécie que tem sua população perigosamente pequena. A equipe observou o “bebê orca” na quarta-feira (25) junto com outras baleias em uma das três famílias da espécie que frequentam as águas de Washington, disse o biólogo Brad Hanson. O filhote aparentou estar bem e muito ativo quando foi visto, a cerca de 23 km de Westport. Apesar de ser o terceiro nascimento documentado nos últimos meses, a população de orcas na região permanece pequena – seu número estimado é de 80 animais. As baleias sofrem com a poluição das águas e a falta de comida. Os nascimentos são ótimas notícias, mas não houve registro de filhotes que sobreviveram nos últimos anos, disse Ken Balcomb, cientista do Centro de Pesquisa de Baleias, que mantém um censo das orcas. “Nós sabemos que elas estão tendo filhotes, mas não houve um nascimento de sucesso na população por mais de dois anos”, afirmou. “Se elas ainda estiverem vivas em julho, poderemos então celebrar”. A população local perdeu quatro baleias no último ano, incluindo uma que estava grávida, um bebê e outras duas que desapareceram.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Criatura estranha achada em praia é identificada como polvo-véu nos EUA


Uma criatura estranha foi encontrada na quarta-feira (25) em uma praia de Hollywood, no estado da Flórida (EUA). Inicialmente, pensou-se que fosse uma lula gigante, mas era, na verdade, um polvo-véu (espécie Tremoctopus violaceus). O animal foi descoberto por Jack LaPenta, que mora em West Hartford, no Connecticut. Ele se deparou com o polvo-véu enquanto caminhava na praia com sua mulher. A criatura estava enrolada em linhas de pesca. Segundo o biólogo Charles Messing, professor do centro de oceanografia da Universidade Nova Southeastern (NSU), a espécie vive em mar aberto, mas, às vezes, as correntes marinhas fazem com que eles surjam ao longo da costa.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Cerca de 20 peixes-boi são resgatados em cano na Flórida


Cerca de 20 peixes-boi foram resgatados na madrugada desta terça-feira (24) de um cano próximo de Cabo Canaveral, na Flórida, onde aparentemente tentavam se aquecer, disseram autoridades e a mídia local. Imagens de vídeo mostraram um socorrista confortando um dos animais que boiava na entrada do cano de escoamento, que teve que ser cortado durante as várias horas que durou o resgate. O vídeo, publicado online pela rede de televisão Central Florida News 13 e pelo jornal "Florida Today", ainda exibiu um peixe-boi sendo içado até um canal próximo, onde foi solto sob aplausos, e dois outros peixes-boi sendo cuidados depois de serem retirados da água com equipamentos pesados. O resgate em Satellite Beach, cidade na costa do Atlântico a 24 quilômetros do Cabo Canaveral, começou no meio da tarde de segunda-feira, quando Ann Spellman, bióloga da Comissão de Conservação da Vida Marinha e Selvagem da Flórida, deu o alerta, de acordo com o diário "Florida Today". Ela disse ao jornal que um aviso seu levou os trabalhadores a verificarem o cano de escoamento. É comum os peixes-boi saírem da Lagoa Indian River em épocas frias em busca das águas mais quentes dos canais, e eles provavelmente seguiram uns aos outros pelo bueiro, afirmou ela. O resgate terminou às duas da manhã pelo horário local, e a polícia teve a ajuda de especialistas do aquário SeaWorld.

Cinco curiosidades sobre 'superjacaré' brasileiro mais forte que tiranossauro



O Purussaurus brasiliensis está extinto há 8 milhões de anos, mas ainda pode causar um certo frisson na comunidade científica. O antepassado do jacaré, que viveu na região da Amazônia no período mioceno, foi descoberto em 1892, pelo cientista e aventureiro brasileiro Barbosa Rodrigues. Mas um estudo publicado na semana passada tirou o réptil de décadas de esquecimento: uma equipe de pesquisadores brasileiros pela primeira vez fez estimativas detalhadas de suas dimensões e de sua fisiologia. A principal revelação foi a de que a mordida do Purussaurus era duas vezes mais forte que a do Tiranossauro Rex, o mais notório dos dinossauros. Mas essa não foi a única curiosidade, como a lista abaixo mostra. Segundo Aline Ghilardi, paleontóloga da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o Purussaurus precisava de uma imensa quantidade de comida para sustentar o corpanzil que podia passar dos 12 metros de comprimento. Ela e seus colegas calcularam que o jacaré pré-histórico precisava comer uma média de 40kg de carne diariamente para sobreviver. Isso é pelo menos 15 vezes mais do que um jacaré contemporâneo come. "O mioceno foi uma era marcada por grandes mamíferos na região da Amazônia. Havia preguiças de cinco metros, por exemplo. Isso era perfeito para o Purussarus", conta Ghilardi. O jacaré pré-histórico podia chegar a 12 metros de comprimento e pesar até oito toneladas O Purussaurus viveu há 8 milhões de anos, mais de 50 milhões depois da extinção do tiranossauro. Mas Ghilardi não tem dúvidas sobre quem levaria a melhor caso os dois animais se encontrassem pelo caminho. "O tiranossauro não teria vez numa luta. Para começar, o Purussaurus vivia numa região de pântanos, o que lhe dava mais vantagem territorial. E sempre vale lembrar que um antepassado do jacaré era predador do tiranossauro", conta Ghilardi. Uma lista dos animais de mordida mais poderosa tem detalhes impressionantes. Segundo a equipe de pesquisadores, a força da mordida média do jacaré pré-histórico brasileiro era de sete toneladas, com força mínima de 41 mil e máxima de mais de 115 mil. O tiranossauro, por exemplo, não passava de 57 mil. A pesquisa brasileira foi possível por causa da descoberta de um crânio no Acre pelos paleontologistas Edson Guilherme e Jonas Souza Filho.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Fotógrafo faz selfie com tubarões durante mergulho na África do Sul


O fotógrafo britânico Aaron Gekoski, de 34 anos, fez um dos selfies mais perigosos do mundo ao posar para um autorretrato ao lado de tubarões-galha-preta durante um mergulho perto de Aliwal Shoal, recife rochoso na costa da África do Sul. Segundo Gekoski, um dos tubarões chegou a morder sua câmera. Ele tirou o selfie durante a famosa "corrida das sardinhas", que ocorre entre maio e julho na costa leste da África do Sul, na qual cardumes gigantescos costumam ocupar mais de 1 mil km da região costeira. A presença das sardinhas acaba atraindo vários predadores, como tubarões de diversas espécies, golfinhos, baleias e leões marinhos. "A corrida das sardinhas é uma das migrações anuais mais espetaculares da Terra", destacou Gekoski.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Criatura misteriosa achada em praia assusta estudantes na África do Sul


Uma criatura misteriosa encontrada por um grupo de estudantes perto da Cidade do Cabo, na África do Sul, provocou frenesi nas redes sociais no país africano. Depois, no entanto, descobriu-se que era uma espécie de peixe relativamente conhecida. Descrito como uma criatura viscosa e com dentes pontudos horripilantes, o espécime foi encontrado pelos alunos durante uma excursão escolar em uma praia próximo a Muizenberg. Após a descoberta, fotos do animal se espalharam pelo Facebook e Twitter, levando especulações sobre o que seria. "Um dos estudantes o segurou e era muito assustador", disse Hannah-Rose Roughton, que está na oitava série. Segundo o jornal sul-africano Times, o espécime seria um peixe rêmora.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Cavalos Marinhos grávidos






Entre os Cavalos Marinhos, é o macho que fica grávido, a fêmea deposita os óvulos numa bolsa da região ventral; ali eles são fecundados e depois incubados durante dois meses. O cavalo-marinho tem cerca de 15 centímetros de comprimento. O tronco e a cauda são recobertos por anéis. A cabeça é separada do tronco por uma espécie de pescoço. Quando os ovos eclodem, o macho realiza violentas contorções para expelir os filhotes. Ao nascer, estes são transparentes e medem pouco mais de 1 centímetro.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Foca luta com polvo gigante no litoral do Canadá





Uma luta entre uma foca e um polvo gigante do Pacífico chamou a atenção de um grande grupo de pessoas na cidade de Victoria, na Columbia Britânica, no litoral pacífico do Canadá. Bob Ianson, de 59 anos, era uma das pessoas presentes. Ele passeava com a esposa, uma filha e um neto, quando avistou a foca envolvida pelos tentáculos do polvo. Como tinha uma câmera à mão, registou a batalha. "Foi inacreditável", disse Ianson. "Essa foca tem provavelmente mais de um 1,30 metro de comprimento", disse à rede CBC. O duelo ocorreu na segunda-feira (9). Ianson disse que a luta, que ocorreu a apenas uns 2 metros da margem, atraiu uma multidão de várias dezenas de pessoas. "Era quase como se a foca estivesse trazendo o polvo até a superfície para mostrar o que ela tinha capturado", contou. De acordo com o Aquário de Vancouver, as imagens são raras, mas esse tipo de "combate" não é. "Os polvos são parte regular da dieta da foca que vive no porto", explicou o biólogo do aquário Chad Nordstrom. O aquário tinha apenas uma fotografia de uma luta entre os dois animais, feitas por um mergulhador há muitos anos, disse Nordstrom. Segundo a CBC, o molusco fotografado por Ianson é um adulto de polvo gigante do Pacífico, que geralmente chegam a pesar 15 kg, mas podem também ser muito maiores.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Projeto usa sonar para pesquisar vida do peixe-boi em estuário na Paraíba



Pesquisadores da Fundação Mamíferos Aquáticos estão usando a tecnologia de sonar para pesquisar a população de peixe-boi marinho na Paraíba. O objetivo do Projeto Biologia Populacional do Peixei-Boi Marinho é localizar os peixes-bois marinhos no estuário da Área de Proteção Ambiental (APA) da Barra do Rio Mamanguape. O animal é considerado o mamífero aquático mais ameaçado de extinção no Brasil. O projeto é realizado em parceira com a Universidade Federal do Pernambuco (UFPE), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Universidade Federal do Ceará (UFC) e conta com o patrocínio da iniciativa privada. O sonar é colocado na lateral de uma embarcação e faz uma varredura no local. Além da distribuição e abundância, o projeto também estuda dados comportamentais e bioacústicos dos animais. Segundo a bióloga responsável pelo projeto, a ideia surgiu após um censo aéreo feito em 2010 no Nordeste. A APA da Barra do Rio Mamanguape foi escolhira por ser historicamente uma das principais áreas de concentração deste animais. "Estamos trabalhando para estimar a população desta localidade com uma nova metodologia que está sendo implantada aqui no Brasil nos últimos anos. Nós passamos pelo estuário com este aparelho que faz a captação de imagens com base no som acústico que estes animais emitem embaixo d’água", explica. Na frente da embarcação, a equipe fez uma cabine onde foi acoplado um monitor de vídeo, por onde os pesuisadores conseguem fazer a leitura das imagens captadas pelo sonar. Cinco profissionais participam das buscas no rio: dois observadores, um pesquisador, um responsável pela anotação dos dados e um piloto, que faz manobras pré-estudadas pelo projeto que facilitam a pesquisa. Ainda é usado um hidrofone, que capta o som feito pelos animais.

Ambientalistas arrecadam minissuéteres para salvar pinguins


Grupos de ambientalistas na Austrália, Tasmânia e Nova Zelândia pedem a voluntários do mundo todo que tricotem e enviem minissuéteres para salvar pinguins que foram vítimas de vazamentos de petróleo. O Penguin Jumper Program (Programa de Suéteres para Pinguins, em tradução livre) é mantido pela organização australiana Penguin Foundation e teve início em 2001 quando um grande vazamento de petróleo afetou 438 pinguins azuis. Naquela ocasião foram necessárias várias peças de roupas de lã sob medida pois, quando as penas de um pinguim ficam impregnadas com petróleo, elas perdem a capacidade de isolamento. A resposta dos voluntários foi ótima: os ambientalistas receberam cerca de mil suéteres de todo o mundo. E estes pequenos agasalhos eram muito necessários. Quando as penas de um pinguim perdem a capacidade de isolamento devido ao petróleo, a água gelada chega à pele, as aves sentem frio e, com as penas tão pesadas, fica muito difícil nadar, caçar e se alimentar. Uma das melhores formas de evitar que estes pinguins morram é dar um banho nas aves. Mas, os ambientalistas observaram que muitos deles, principalmente os mais fracos e os filhotes, acabavam morrendo de frio ou intoxicados antes de ser atendidos. Mas, com os minissuéteres, as aves ficam protegidas do frio e também da intoxicação. Quando os pinguins são atingidos por petróleo, eles tentam se limpar usando o bico e, com isso, acabam intoxicados.

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2015

Voluntários trabalham para salvar 200 baleias encalhadas na Nova Zelândia



Especialistas e voluntários conseguiram devolver ao mar, nesta sexta-feira (13), a maior parte das 198 baleias-piloto que ficaram encalhadas perto da baía Golden, na ilha Do Sul da Nova Zelândia. A triste notícia é que 50 exemplares não resistiram e acabaram morrendo. Segundo a emissora "Rádio New Zealand", o grupo de cetáceos libertados ainda tem que nadar para mar aberto. O porta-voz do Ministério de Conservação da Nova Zelândia, Mike Ogle, disse que espera-se que a maré contribua para levar esta comunidade de baleias-piloto mar adentro. Pessoas do departamento de Conservação e voluntários do Projeto Jonah colaboraram para salvar os animais encalhados em uma zona conhecida como Farewell Spit, indicou a rede de televisão "TV3". Dezenas ficam encalhadas anualmente nessa zona da Nova Zelândia, cujas águas fazem parte da rota que a espécie faz quando abandona a Antártica e quando retorna às águas antárticas em setembro. A baleia-piloto é um exemplar de corpo robusto que pode alcançar entre seis e sete metros de comprimento.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Biólogo flagra arraia em salto espetacular no litoral do México


Imagens impressionantes de arraias saltando a até três metros de altura foram capturadas pelo biólogo mexicano Octavio Aburto no Parque Nacional Cabo Pulmo, no México. Professor-assistente do Instituto Scripps de Oceanografia, na Califórnia, ele diz que não se sabe por que exatamente as arraias da espécie Mobula munkiana se comportam dessa maneira. "Você pode acordar muito cedo de manhã e ouvir o barulho ainda no escuro. De repente, quando o sol começa a sair, as silhuetas das arraias podem ser vistas em toda parte. Às vezes, o frenesi é tão grande que alguns dos animais pousam nos barcos", conta. Ele conta não ser possível determinar com precisão o número de arraias no aglomerado, mas elas chegam a milhares. "Em alguns anos, a quantidade de arraias é tão grande que por muitas milhas você pode vê-las pulando. Elas estão entre os maiores acrobatas do mundo marinho", diz.

Crocodilo abusado se dá mal ao caminhar nas costas de hipopótamos


Um crocodilo abusado se deu mal ao tentar caminhar sobre as costas de um grupo de hipopótamos em um rio na Tanzânia. O fotógrafo Garth Thompson registrou o momento em que o réptil escalou um dos hipopótamos e tentou cruzar a área em que estava a manada de mais de 50 enormes paquidermes. O crocodilo, no entanto, seu deu mal depois que dois hipopótamos ficaram irritados com sua presença e o atacaram. Com fortes mandíbulas, eles lançaram o réptil de volta à agua.

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Polvo caminha na terra e chama atenção nos Estados Unidos


Um polvo chamou atenção ao simplesmente sair da água e caminhar pela terra, em um vídeo registrado na Reserva Marina Fitzgerald, nos Estados Unidos. O animal, residente do parque localizado na Califórnia, nos Estados Unidos, não apresentou muitas dificuldades para se locomover no novo ambiente, provando a incrível capacidade de adaptação dos polvos. O vídeo foi postado no último dia 19 de junho já teve mais de 6 milhões de vizualizações. Impressionante? 

sábado, 7 de fevereiro de 2015

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Pequeno molusco ameaça biodiversidade do Rio Amazonas



O Rio Amazonas está sendo ameaçado por um inimigo minúsculo: um pequeno mexilhão invasor originário da China. Desde que chegou à América do Sul, no princípio da década de 1990, o mexilhão-dourado conquistou novos territórios em uma velocidade alarmante abrindo caminho entre a flora e a fauna nativa e se espalhado por cinco países. O Rio Amazonas está sendo ameaçado por um inimigo minúsculo: um pequeno mexilhão invasor originário da China. Desde que chegou à América do Sul, no princípio da década de 1990, o mexilhão-dourado conquistou novos territórios em uma velocidade alarmante abrindo caminho entre a flora e a fauna nativa e se espalhado por cinco países.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Mercado na Guiné Equatorial vende até crocodilos como alimentos


Mercados populares na Guiné Equatorial vendem pangolins, macacos e até crocodilos como alimentos. Na cidade de Bata, o fotógrafo Carl de Souza registrou o momento em que clientes circulavam em meio às barracas que vendiam os animais para consumo humano.

Polvo surpreende mergulhador com camuflagem incrível no Caribe



O usuário Jonathan Gordon publicou um vídeo no YouTube que mostra uma camuflagem incrível de um polvo. Gordon estava filmado corais durante um mergulho no Caribe, quando o molusco marinho saiu de seu esconderijo. Gordon contou que não tinha notado o polvo até que a criatura começou a se mover lentamente. Assista ao vídeo.
Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2015/02/polvo-surpreende-mergulhador-com-camuflagem-incrivel-no-caribe.html

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Crocodilo-do-Nilo






O crocodilo-do-nilo (Crocodylus niloticus) é uma espécie de crocodilo africano, cuja distribuição se estende desde a bacia do Nilo às regiões a sul do deserto do Saara a Madagáscar e ao arquipélago das Comores. Esta espécie, é uma das maiores do mundo (o maior crocodilo é o crocodilo-de-água-salgada), é bastante perigosa para o Homem e foi venerada como divindade no Antigo Egito. O crocodilo-do-nilo é, assim como as demais espécies de crocodilos, um animal carnívoro, embora sua boca longa e cheia de dentes curtos e afiados não seja própria para devorar pedaços de carne. Por esse motivo ele carrega a vítima para dentro da água e espera até que a carne fique mais macia. Os ovos da fêmea do crocodilo-do-nilo são colocados em ninhos na areia e os filhotes demoram de 11 a 14 semanas para nascer. Os ovos e os filhotes são alvos fáceis de predadores, incluindo outros crocodilos maiores. Como é próprio da espécie, os crocodilos-do-nilo fêmeas são mães atenciosas. Constroem grandes ninhos perto da água nos quais põem os ovos, tomam conta dos ninhos por dois a três meses até os filhotes saírem dos ovos e cuidam das crias nos dois primeiros anos. Na maior parte da vida, os crocodilos são solitários; grande número de crocodilos é encontrado junto a locais onde existem alimentos, mas sem formar grupos como manadas ou cardumes, que têm um sentido técnico em outras espécies.Se a temperatura do ninho está de 31°C a 34°C os filhotes são machos. Se a temperatura está de 30°C ou menos os filhotes são fêmeas. Habitam água doce ou de baixa salinidade, como rios e lagos da África subsaariana. Crocodilos-do-nilo têm uma coloração bronze escura na parte superior, com manchas pretas na parte de trás e na cauda, com um branco sujo no ventre. Os flancos, que são verde-amarelado na cor, têm manchas escuras dispostas em listras oblíquas. Existe alguma variação da coloração em relação ao meio ambiente; espécimes que habitam rios de águas velozes tendem a ser de cor mais clara do que os que habitam em lagos ou pântanos, onde água é parada e com um maior número de algas que se prendem á pele do animal. Eles têm olhos verdes. Crocodylus niloticus Como todos os crocodilos, o crocodilo do Nilo é um quadrúpede, com quatro curtas espalmadas pernas, uma longa e poderosa cauda e um par de mandíbulas destrutivas e poderosas. O seu couro grosso, com uma fileira de placas ósseas e escamas duras o protege de qualquer ataque, sendo os olhos o único ponto fraco. Geralmente vivem por muitos anos e seus dentes e patas crescem novamente se perdidos, além disso eles conseguem passar longos períodos debaixo da água e esta capacidade aumenta com os anos. Outra característica sofisticada é que seus olhos possuem pupilas que se dilatam de noite, assim como acontece com os gatos, permitindo que os crocodilos enxerguem muito bem no escuro. Também possuem membranas nictitantes para proteger os olhos e glândulas lacrimais, limpando os olhos com as lágrimas. As narinas, olhos e ouvidos estão situados na parte superior da cabeça, de modo que o resto do corpo pode ficar escondida debaixo de água. A coloração também ajuda a camuflá-lo; juvenis são cinzentos, amarelados ou marrons, com faixas transversais escuras na cauda e corpo. À medida que amadurece, tornam-se mais escuros e as faixas cruzadas desaparecem, especialmente aquelas sobre a parte superior do corpo.