PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador México. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador México. Mostrar todas as postagens

segunda-feira, 10 de julho de 2017

México vai usar golfinhos treinados pela Marinha dos EUA para salvar botos em extinção



O governo do México planeja usar golfinhos treinados pela Marinha americana para tentar salvar populações de botos-do-pacífico, o mamífero marinho mais raro do mundo e que está à beira da extinção. Rafael Pacchiano, ministro de Meio Ambiente do México, explicou que os golfinhos serão usados para localizar grupos de botos em pontos escondidos no oceano. Esses grupos serão então capturados e transportados a um santuário que o governo mexicano promete criar no mar de Cortés, no oeste do país, para que os animais se reproduzam sem a ameaça de predadores. Cientistas estimam que haja menos de 40 desses mamíferos ainda vivos em seu habitat natural, no Golfo da Califórnia. Pacchiano diz que o projeto com golfinhos deve começar em setembro. "Passamos o último ano trabalhando junto à Marinha americana com um grupo de golfinhos treinados para encontrar áreas inexploradas", afirmou o ministro à rádio Fórmula, do México. "Vamos capturar o maior número de botos possível para ter a oportunidade de salvá-los." Esses golfinhos já estão capacitados para encontrar mergulhadores perdidos no mar e agora praticarão a busca de seus "primos" botos. Na semana passada, o governo mexicano também anunciou o veto permanente ao uso de redes de pesca em uma área de mil quilômetros do Golfo da Califórnia. As redes -- usadas sobretudo na pesca de camarões e do peixe totoaba -- são a principal causa de morte dos botos-do-pacífico, conhecidos localmente como vaquitas. O ator americano Leonardo Dicaprio, que criou uma campanha para salvar os botos, elogiou o veto pelo Ttwitter e agradeceu o presidente do México, Enrique Peña Nieto. Uma proibição temporária, que vigorava desde 2015, foi considerada ineficaz, o que levou a organização ambiental WWF a pedir que ela fosse estendida e devidamente aplicada.

terça-feira, 21 de março de 2017

Ameaçada de extinção, vaquita marinha é encontrada morta em praia do México


Uma vaquita marinha, menor cetáceo do mundo, foi encontrada morta em uma praia no Golfo da Califórnia, no México. Em fevereiro, pesquisadores advertiram que há apenas 30 vaquitas restantes no mundo. Eles alertaram que a espécie pode ser extinta até 2022. Apesar das operações para interceptar redes de pesca ilegais no país, a situação dessa cetáceo é preocupante. "Com a taxa atual de perda, a vaquita seria extinta até 2022, a menos que a atual proibição a redes de pesca seja mantida e aplicada efetivamente", aponta. Uma análise realizada em novembro passado no Golfo da Califórnia, no noroeste do México, revelou que restavam apenas cerca de 30 vaquitas em seu habitat. Um censo anterior tinha encontrado, entre setembro e dezembro de 2015, o dobro de exemplares, enquanto em 2014 havia 100, e em 2012, cerca de 200. Em um esforço desesperado para salvar a vaquita, os cientistas propuseram capturar espécimes e transportá-los a um espaço cercado no Golfo da Califórnia, onde possam se reproduzir. Alguns ambientalistas se opõem a esta medida, devido ao risco de que as vaquitas morram durante o processo. Lorenzo Rojas-Bracho, membro do Cirva, disse à AFP que os cientistas tentarão capturar vaquitas em outubro. "A pesca ilegal continua, e se não as recolhemos vão morrer de todos os modos", assegurou. As autoridades e os ambientalistas estimam que as vaquitas morreram durante anos em redes destinadas a pescar ilegalmente outra espécie ameaçada, um grande peixe chamado totoaba, cuja bexiga natatória seca tem grande demanda no mercado negro da China. O Cirva recomenda colocar "urgentemente" as vaquitas em um santuário temporário nesta primavera (boreal) e mantê-las nesse lugar durante um ano, embora reconheça que pode ser difícil, ou até impossível, pôr em prática esta medida de conservação. "Ainda não está claro se as vaquitas podem ser capturadas de forma segura ou como reagiriam à manipulação, transporte e confinamento", afirma o comitê.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

Com apenas 30 exemplares, boto mexicano está à beira da extinção


Com apenas 30 exemplares restantes no mundo, a vaquita marinha do México, o menor cetáceo do mundo, está à beira da extinção, apesar das operações para interceptar redes de pesca ilegais no país, indicaram cientistas. "A situação, que já era crítica, piorou apesar das medidas de conservação", indicou um relatório do Comitê Internacional para a Recuperação da Vaquita (Cirva). "Com a taxa atual de perda, a vaquita seria extinta até 2022, a menos que a atual proibição a redes de pesca seja mantida e aplicada efetivamente", aponta. Uma análise realizada em novembro passado no Golfo da Califórnia, no noroeste do México, revelou que restavam apenas cerca de 30 vaquitas em seu habitat, indica o texto. Um censo anterior tinha encontrado, entre setembro e dezembro de 2015, o dobro de exemplares, enquanto em 2014 havia 100, e em 2012, cerca de 200. Em um esforço desesperado para salvar a vaquita, os cientistas propuseram capturar espécimes e transportá-los a um espaço cercado no Golfo da Califórnia, onde possam se reproduzir. Alguns ambientalistas se opõem a esta medida, devido ao risco de que as vaquitas morram durante o processo. Lorenzo Rojas-Bracho, membro do Cirva, disse à AFP que os cientistas tentarão capturar vaquitas em outubro. "A pesca ilegal continua, e se não as recolhemos vão morrer de todos os modos", assegurou. As autoridades e os ambientalistas estimam que as vaquitas morreram durante anos em redes destinadas a pescar ilegalmente outra espécie ameaçada, um grande peixe chamado totoaba, cuja bexiga natatória seca tem grande demanda no mercado negro da China. O Cirva recomenda colocar "urgentemente" as vaquitas em um santuário temporário nesta primavera (boreal) e mantê-las nesse lugar durante um ano, embora reconheça que pode ser difícil, ou até impossível, pôr em prática esta medida de conservação. "Ainda não está claro se as vaquitas podem ser capturadas de forma segura ou como reagiriam à manipulação, transporte e confinamento", afirma o comitê.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Crocodilo 'passeia' em praia do México e assusta banhistas


Um crocodilo deu um susto nos banhistas de uma praia mexicana em Cozumel ao "passear" na are ia entre cadeiras de praia antes de voltar à água. A cena foi postada no YouTube pela usuária Iliana Acosta. O vídeo mostra um homem nervoso pedindo que os banhistas da praia Palancar se afastassem da água e deixassem espaço na areia para a passagem do réptil. Pouco depois, o crocodilo aparece, andando calmamente entre as cadeiras, em linha reta, e de volta à água. Depois que ele entra na água, vários banhistas o seguiram, registrando a cena em fotos e vídeos.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Mais de 20 baleias morrem encalhadas em praia mexicana


Um grupo de 27 baleias ficou encalhado em uma praia da Baixa Califórnia, no norte do México, e apenas três conseguiram sobreviver, informou a Procuradoria de Proteção do Meio Ambiente (Profepa), no domingo (15) Por quase 15 horas, as autoridades tentaram salvar os animais, mas a maré baixa não ajudou. Da espécie Piloto (Globicephala macrorhynchus), sob proteção especial no México, as baleias ficaram encalhadas em uma praia de San Felipe, no município de Ensenada. Funcionários da Procuradoria, militares e pescadores tentaram devolvê-las às águas profundas entre a tarde de ontem (14) e a madrugada deste domingo. Com a maré atingindo seu mínimo na madrugada e os cetáceos continuando a buscar a costa, "somente foi possível resgatar duas baleias-piloto adultas e um filhote com vida", declarou a Profepa em um comunicado. As autoridades ainda investigam as causas do episódio, mas "estima-se que as baleias estavam desorientadas, porque nenhum dos exemplares apresenta danos, ou lesões visíveis, e tampouco são detectadas lesões por redes, artigos de pesca, ou atividades antropogênicas que possam ocasionar, ou influenciar, o evento do encalhe". A Profepa lembrou que as baleias dessa espécie "têm uma coesão social forte", porque "não abandonam outras baleias que estão em perigo, mesmo que isso signifique a morte".

sábado, 7 de março de 2015

Conhecido como 'aquário do mundo', mar no México é paraíso do mergulho




Conhecida como o "aquário do mundo", a região do Mar de Cortez, no México, atrai turistas apaixonados por mergulho. O apelido foi dado pelo famoso oeanógrafo francês Jacques Cousteau devido à rica biodiversidade da área, que abriga mais de 850 espécies de vida marinha. Entre as espécies encontradas na região, localizada na costa do Pacífico, estão tubarões-baleia, leões-marinhos e arraias-jamantas gigantes, além de muitos peixes tropicais. O lugar também atrai quem gosta de observar baleias, pois suas águas temperadas abrigam espécies como a jubarte, a baleia-azul, a baleia de barbatana e a baleia cinzenta. Uma das principais cidades da região é La Paz, capital do estado da Baja California Sur. Nas ilhas que rodeiam essa baía, há mais de 25 pontos de mergulho. Em um dos locais fica uma balsa naufragada, presa a um banco de areia, que forma um recife artificial repleto de vida marinha. A temporada de mergulho vai de junho a outubro.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Biólogo flagra arraia em salto espetacular no litoral do México


Imagens impressionantes de arraias saltando a até três metros de altura foram capturadas pelo biólogo mexicano Octavio Aburto no Parque Nacional Cabo Pulmo, no México. Professor-assistente do Instituto Scripps de Oceanografia, na Califórnia, ele diz que não se sabe por que exatamente as arraias da espécie Mobula munkiana se comportam dessa maneira. "Você pode acordar muito cedo de manhã e ouvir o barulho ainda no escuro. De repente, quando o sol começa a sair, as silhuetas das arraias podem ser vistas em toda parte. Às vezes, o frenesi é tão grande que alguns dos animais pousam nos barcos", conta. Ele conta não ser possível determinar com precisão o número de arraias no aglomerado, mas elas chegam a milhares. "Em alguns anos, a quantidade de arraias é tão grande que por muitas milhas você pode vê-las pulando. Elas estão entre os maiores acrobatas do mundo marinho", diz.

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Leão-marinho vira hit ao perseguir e 'saltar' dentro de barco no México



Um vídeo incrível publicado por Tony Pescho mostra um leão-marinho perseguindo seu barco em Cabo San Lucas, no México. Mais isso não é tudo: Pescho abriu uma pequena porta para que o animal entrasse na embarcação. Como prêmio, o leão-marinho ganhou um peixe. Publicado no dia 28 de outubro, vídeo recebeu mais de 40 mil acessos. Assista.
Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2014/11/leao-marinho-vira-hit-ao-perseguir-e-saltar-dentro-de-barco-no-mexico.html

sábado, 4 de outubro de 2014

Baleia com 2 cabeças encontrada no México surpreende comunidade científica





 
Está causando surpresa e curiosidade entre a comunidade científica internacional a carcaça de baleia-cinzenta encontrada em Laguna Ojo de Liebre, no México. Com dois metros de comprimento, ela mostra dois filhotes da espécie unidos pela barriga. Tanto tubarões como alguns tipos de baleia siameses já foram encontrados anteriormente, mas este é o primeiro caso documentado em baleia-cinzenta. Acredita-se que os filhotes não tenham resistido ao parto, até porque, como observou Alisa Schulman-Janiger, pesquisadora da Sociedade Americana de Cetáceos, eles não se desenvolveram totalmente. A carcaça foi recolhida para análise, sendo que os pesquisadores ainda procuram achar a mãe (não se sabe o que lhe poderá ter acontecido) e descobrir um pouco mais sobre esse fenômeno raro da natureza.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

'Monstro aquático' mexicano é visto em lago e dá esperança a cientistas


 
Após anunciarem que o axolote (Ambystoma mexicanum), um tipo de salamandra que só vive em lagos do México, podia ter desaparecido da natureza, cientistas anunciaram ter encontrado exemplares desta espécie durante uma segunda varredura realizada este mês. No ano passado, biólogos tentaram capturar axolotes com a ajuda de redes no lago Xochimilco, na Cidade do México, mas não encontraram nenhum espécime – o que aumentou a preocupação sobre o risco de que esses animais só sobreviveriam se fossem criados em cativeiro. Contudo, o biólogo Armando Tovar Garza, da Universidade Nacional Autônoma do México, disse que na última semana ele e sua equipe encontraram duas salamandras durante sua investigação, que deve seguir até meados de abril. “Não pudemos capturá-los, mas dois avistamentos representam que ainda temos chance”, disse Garza, referindo-se à conservação desses animais.
 
Conhecido como "monstro aquático" e como o "peixe mexicano que anda", seu único habitat natural é a rede de lagos e canais Xochimilco, que sofre com a poluição trazida pelo crescimento urbano. Nos últimos anos, os arredores dos lagos onde o bicho vive passaram a abrigar favelas que lançam esgoto nas águas. A Academia Mexicana de Ciências informou que 1998 havia em média 6 mil axolotes por quilômetro quadrado, número que caiu para 1 mil em 2003 e para 100 em 2008. A criatura é importante para o mundo científico devido à sua capacidade de regenerar membros amputados. Alguns exemplares vivem em aquários instalados em laboratórios, mas os especialistas advertem que essas não são as melhores condições, pois correm risco de acasalamento entre parentes e, com isso, perder a diversidade genética da espécie. Os axolotes crescem até 30 centímetros e usam as quatro patas atarracadas para se arrastar no fundo dos lagos ou as caudas grossas para nadar. Esses animais se alimentam de insetos aquáticos, peixes pequenos e crustáceos.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Leão-marinho esperto rouba peixe 'cabeçudo' de barco no México



Durante a gravação de um episódio para a série “Chef On The Water” em Cabo San Lucas, no México, um leão-marinho esperto, apelidado de “Pancho”, conseguiu roubar um peixe enorme que havia sido fisgado há pouco tempo por um dos participantes do programa (assista ao vídeo). Ao lado do apresentador americano Mike “The Griz" Ritz, que apresenta o programa, o outro chef Yvan Mucharrz exibia orgulhoso seu peixe dourado (Coryphaena hippurus, popularmente conhecido como “cabeçudo”) quando o leão surgiu e abocanhou o animal, deixando Yvan completamente sem reação. De acordo com o jornal “Metro”, pessoas que moram na região afirmam que essa não é a primeira vez que o leão-marinho aparece para “roubar” peixes de embarcações. “Vivo aqui e já vi Pancho fazer isso várias vezes. Ele nada todos os dias atrás de barcos de pesca atrás de iscas deixadas no mar”, contou Jose Castro. A gravação que flagra o “roubo” foi assistida mais de 409 mil vezes.