PESQUISE NA WEB

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Programa registra nascimento de mais de 450 mil tartarugas em Goiás




Entre os meses de setembro e início de dezembro, a desova das tartarugas foi monitorada nos rios Crixás-Açu e Araguaia, em Goiás. O projeto, realizado pela Secretaria do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Goiás (Semarh) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), registrou o nascimento de mais de 450 mil filhotes na temporada. De acordo com a Semarh, o Programa Quelônios da Amazônia (PQA/GO) acompanhou a desova dos animais da espécie podocnemis expansa, a tartaruga-da-amazônia. O objetivo foi levantar informações sobre as populações e identificar as principais ameaças no habitat natural. No Rio Crixás-Açu foram identificados o nascimento dos animais em 28 praias. Já no Araguaia, em 13. Os biólogos monitoraram uma área no Rio Crixás-Açu, que fica entre os municípios de Mundo Novo e Nova Crixás, totalizando 160 quilômetros. Já no Rio Araguaia foram percorridos 280 quilômetros, entre as cidades de Britânia e São Miguel do Araguaia. Ao todo, foram marcadas 90 tartarugas adultas e 20 mil filhotes, permitindo o monitoramento da população natural, sendo que foram identificados aproximadamente 2.800 ninhos no Rio Crixás e 2.500 no Araguaia. Para quantificar o número total de filhotes nascidos no período, foram amostrados 400 ninhos, onde se verificou uma média de 98,40 ovos por unidade e, destes, em média, 86,14 filhotes eclodiram. Com isso, segundo a Semarh, ocorreram mais de 241 mil nascimentos no Rio Crixás e 215 mil no Araguaia. A secretaria ainda informou que os trabalhos de monitoramento continuam, principalmente para coibir atos predatórios ilegais contra as tartarugas.

domingo, 1 de dezembro de 2013

Fotógrafo brasileiro clica de perto as presas do tubarão-tigre






Motivado pela causa da preservação dos tubarões, o fotógrafo brasileiro Daniel Botelho já perdeu a conta de quantos lugares visitou e de quantas espécies viu para registrar suas imagens. Ele acaba de voltar de uma expedição nas ilhas Bahamas, onde, em apenas um dia, mergulhou em meio a cinco tubarões-tigre, 30 tubarões-limão e 40 tubarões-de-recife. A intenção de Daniel era ver de perto os Galeocerdo cuvier (tubarões-tigre) e realizar uma série de fotografias que intitulou de “Anatomia da mordida de um tubarão tigre”. A bordo de um barco de operadores de mergulho e na companhia de outros fotógrafos, Daniel viajava cerca de duas horas da costa da cidade Freeport até Tiger Beach, região onde estão os tubarões. “Apesar do nome, de praia esse lugar não tem nada. É uma região de alto mar onde você não vê terra nenhuma em volta”, conta. Para atrair os animais, a equipe de mergulhadores joga uma mistura chamada “engodo” que, segundo Daniel, é uma mistura de sangue e óleo de peixe. “O cenário mais corriqueiro é que os tubarões apareçam depois de 10 minutos de jogado o engodo. Os primeiros a aparecer são os tubarões-limões e os de-recife. Depois vêm os tubarões-tigre, que são animais bem maiores que a média da população daquela região”, explica. O mergulho para se aproximar destas espécies requer alguns cuidados. Daniel explica que primeiro desciam do barco ele e um mergulhador de segurança. Depois dos primeiros contatos com os tubarões, mergulha o restante da equipe. “A primeira coisa que você deve ter é respeito e consciência de que se um animal desses quiser fazer alguma coisa contigo ele faria. Mas eu tento ser uma prova de que esse animal não é tão mau assim. É um predador que merece respeito, mas dentre os predadores está muito atrás do leão, do crocodilo e do hipopótamo”, afirma. O fotógrafo brasileiro Daniel Botelho registrou tubarões-tigres de perto nas Bahamas (Foto: Daniel Botelho)

A tubarão-tigre fêmea "Ema" é conhecida entre os frequentadores de Tiger Beach, nas Bahamas (Foto: Daniel Botelho) Dentre os anfitriões de Tiger Beach, um exemplar é muito conhecido pelos frequentadores do local. É a tubarão-tigre fêmea “Ema”, de 4 metros e mais de uma década de existência (segundo Daniel, esta espécie costuma viver por 50 anos). “A Ema é enorme e muito gulosa”, diz o fotógrafo. “No primeiro dia ela demorou 30 minutos para aparecer. Em outro dia, demorou quatro minutos. Quando a gente pulou, ela ficou tão excitada que demos uns cinco ou seis peixes para ela se acalmar”, afirma. Daniel diz que a prática de alimentar tubarões com peixes é criticada por algumas pessoas. “Mas não existe no mundo operação de mergulho com tubarão que não utilize esse tipo de prática”, diz. “90% da população de tubarões-tigre já foi morta. Então eu acredito que em lugares como nas Bahamas eles estão protegidos por causa desse turismo”. 

Causa: “Minha paixão é trabalhar com grandes tubarões, como o tubarão-branco e o tigre. Além de gostar desses animais, quando descobri anos atrás a condição atual da população de tubarões fiquei impressionado”, afirma Daniel. O comércio asiático de barbatanas de tubarões para a produção de sopa, segundo ele, “gera um desiquilebrio muito grande [na biodiversidade dos oceanos]”. “As barbatanas de um tubarão são 5% de toda a carcaça e têm um valor agregado para o mercado asiático. Eles pensam ‘por que vou colocar 95% do tubarão no barco se só 5% me interessam?’. Então cortam a barbatana e jogam o tubarão de novo no mar”, diz. “Eu mergulhava com 50 tubarões em alguns lugares que hoje não tem mais”. A proposta inicial da viagem do fotógrafo às Bahamas foi a realização de um workshop sobre fotografia de tubarão. Daniel ministrou aulas para fotógrafos e cinegrafistas internacionais. O dinheiro arrecadado com o curso será destinado a organizações que trabalham pela preservação de tubarões, como Sea Shepherd, Shark Angels e Shark Savers.

sábado, 23 de novembro de 2013

Pesquisador põe rastreador em maior tubarão já capturado na Austrália




O departamento de pesca do estado da Austrália Ocidental registrou o momento em que pesquisadores marcavam eletronicamente o maior tubarão branco já capturado para essa finalidade na Austrália. Assista ao vídeo. Os cientistas capturaram o predador de quatro metros para implantar cirurgicamente um dispositivo de rastreamento. Em seguida, o liberaram.
O departamento de pesca marcou mais de 300 tubarões em águas australianas, mas esse foi o maior já capturado. O vídeo foi feito no dia 27 de agosto na costa perto de Albany, no estado da Austrália Ocidental, mas foi divulgado recentemente pelo órgão australiano.
Fonte: http://g1.globo.com/planeta-bizarro/noticia/2013/10/pesquisador-poe-rastreador-em-maior-tubarao-ja-capturado-na-australia.html

Dupla salva tubarão que estava engasgado com alce no Canadá


Os canadenses Derrick Chaulk e Jeremy Ball salvaram um tubarão de 2,5 metros que estava engasgado com um grande pedaço de alce em Norris Arm North, na província de Terra Nova, no Canadá. O animal poderia ter morrido por asfixia. Em entrevista à emissora de TV "CBC", Derrick Chaulk disse que estava dirigindo por uma estrada perto do porto de Norris Arm North, no último sábado, quando viu o que ele pensava ser uma baleia encalhada. Quando se aproximou para investigar, ele percebeu que era um tubarão. O animal ainda estava vivo e tinha um grande pedaço de alce saindo de sua boca. Chaulk disse que ele e outro homem, Jeremy Ball, começaram a puxar o pedaço de alce para resgatar o tubarão. Em seguida, eles usaram uma corda e puxaram o tubarão de volta para o mar.

Pescadores fisgam peixe de mais de 350 quilos na Tailândia



Um grupo de pescadores fisgou um peixe de mais de 350 quilos na província de Ranong, na Tailândia. Assista ao vídeo. Eles levaram mais de uma hora para conseguir puxá-lo para o barco. O peixe chamou atenção depois de ser colocada em uma picape. A criatura foi vendida em um mercado de peixe de Ranong por 4.500 bahts tailandeses (R$ 323).

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Pesquisador de Belém documenta espécie de piranha herbívora



O pesquisador Marcelo Andrade, da Universidade Federal do Pará em Belém, documentou um novo tipo de piranha que não come carne: ao contrário das variedades mais comuns do peixe, conhecidas pela voracidade nos rios, o animal descrito pelo engenheiro de pesca se alimenta apenas de ervas aquáticas. Batizada de Tometes camunani, a espécie não é a única piranha herbívora do mundo: existem outros quatro tipos, sendo três no Brasil e um entre Suriname e Guiana, que são vegetarianas. Outras piranhas também podem, por falta de alimento, completar sua dieta com plantas - mas isto não é um comportamento comum nos animais que são estritamente carnívoros. Por isso, a descoberta de Andrade, publicada em artigo da revista científica Neotropical Ichthyology em junho de 2013, é apontada pela ONG ambiental WWF como uma das mais relevantes do ecossistema amazônico nos últimos 4 anos. Descoberta O peixe foi identificado no rio Trombetas, oeste do Pará, em 2008. "A espécie foi encontrada durante as coletas realizadas no rio Trombetas num estudo destinado a catalogar as espécies de peixes do rio. Quando os exemplares foram identificados constatamos que uma em especial, uma piranha herbívora, não se enquadrava taxonomicamente com nenhuma já reconhecida pela ciência", disse o engenheiro. Porém, o processo de descrição da espécie, para confirmar que se trata de um animal novo, é demorado. Os cientistas precisam comparar amostras para se certificar que o animal ainda não havia sido catalogado. "A partir disso estes exemplares foram comparados com exemplares de espécies de outras regiões da Amazônia, e pudemos então comprovar que se tratava de uma nova espécie do gênero Tometes". Segundo o engenheiro, apesar de ser novidade para os cientistas, animal já era conhecido pelos índios Wai-Wai, que vivem na região do alto rio Trombetas. "Os indígenas conhecem a espécie como 'camunani' mesmo, o chamam assim devido a capturar sob a árvore do camu-camu, planta típica de ambientes encachoeirados, assim com o peixe", afirma. As espécies de piranha são muito apreciadas, principalmente pelas comunidades e cidades ribeirinhas, que acreditam se tratar de um prato afrodisíaco" Marcelo Andrade, engenheiro de pesca.

Cientistas identificam nova espécie de golfinho


Um grupo de pesquisadores de diversas instituições internacionais analisou características físicas e genéticas de dezenas de espécimes de golfinho e concluiu que uma variedade que vive no Oceano Pacífico, ao norte da Austrália é uma nova espécie. O trabalho, publicado na revista “Molecular Ecology” explica que, com isso, o gênero Sousa fica com quatro espécies. Já eram conhecidas as espécies Sousa teuszii, que ocorre no Oceano Atlântico, a oeste da África; Sousa plumbea, que vive no Oceano Índico central e ocidental; e Sousa chinensis, que habita o Índico oriental e o Pacífico ocidental. E agora soma-se a elas a nova variedade identificada ao Norte da Austrália, que ainda não tem nome. Para propor a existência da nova espécie, os cientistas analisaram 180 crânios e 235 amostras de tecidos de golfinhos.

Nova espécie de tubarão-martelo é descoberta nos Estados Unidos


Uma equipe de cientistas da Universidade da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, descobriu nova espécie de tubarão, batizado de Sphyrna gilberti, ou "tubarão-martelo Carolina". Segundo os pesquisadores, a espécie demorou muito tempo para ser descoberta porque é muito parecida com o conhecido tubarão-martelo (Sphyrna lewini), praticamente indistinguível externamente. Ao examinar as coletas de tubarões-martelo feitas na costa do estado americano, a equipe percebeu que a espécie analisada, na verdade, tinha duas assinaturas genéticas diferentes, tanto nos genomas mitocondriais quanto nos nucleares. A partir de pesquisa em literatura, descobriram que em 1967 havia sido descrita um exemplar anormal de tubarão-martelo, que tinha 10 vértebras a menos. O exemplar, que estava no Museu de História Natural da Flórida, foi examinado pela equipe. Pela análise de sua estrutura física, a equipe concluiu que se tratava de uma espécie diferente, mas fisicamente quase indistinguível da espécie comum. A equipe publicou a evidência genética em 2006 e seguiu adiante com a pesquisa. Fez medições de 24 S. lewini e 54 exemplares da nova espécie, para finalmente descrevê-la neste ano. A diferença morfológica da nova espécie são as 10 vértebras a menos. Ela foi batizada de S. gilbert em homenagem a Carter Gilbert, ex-curador do Museu de História Natural da Flórida que havia feito a primeira descrição. Segundo Joe Quattro, que liderou as pesquisas, a população de tubarão-martelo diminuiu muito nas últimas décadas, mas não é possível saber o quanto foi reduzida a população da espécie S. gilbert, já que até então ela não era conhecida. A equipe também estabeleceu locais e assinaturas genéticas para diferentes espécies de peixes encontradas nos rios da Carolina do Sul, estuários e águas costeiras.

Nova espécie de peixe é descoberta em corais da Indonésia


Um novo tipo de peixe da família Labridae foi descoberta nos corais da Indonésia. A foto foi tirada no dia 28 de julho e divulgada nesta quarta-feira (13) pela ONG Conservação Internacional. Cientistas da CI e do Centro de Pesquisas em Biodiversidade da Indonésia descobriram a nova espécie na província East Nusa Tenggara. Ela recebeu nome científico de Paracheilinus rennyae, em reconhecimento às contribuições científicas do ictiólogo Renny Kurnia Hadiaty, do Instituto de Ciências da Indonésia. Segundo a ONG, o peixe é único por sua coloração e especialmente por suas barbatanas arredondadas, além de ser geneticamente distinto de outros 16 tipos de budião, como é conhecido popularmente o grupo a que ele pertence.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Países não entram em acordo para criar santuário marinho na Antártica


As negociações internacionais sobre a criação de santuários marinhos na Antártica terminaram nesta sexta-feira (1º) sem um acordo, após China e Rússia colocarem obstáculos à proteção dos ecossistemas, ameaçados pela pesca e pela navegação. Reunidos nesta semana em Hobart, na ilha australiana da Tasmânia, os membros da Convenção sobre Conservação da Fauna e Flora Marinhas da Antártica se separaram sem acordo pela terceira vez desde 2012. A convenção, criada em 1982 para cuidar dos recursos marinhos do continente austral, reúne 24 Estados, entre eles Argentina, Brasil, Chile, Espanha e Uruguai, além da União Europeia. As águas do oceano austral em torno da Antártica contêm ecossistemas excepcionais preservados, em boa parte, das atividades humanas, mas ameaçadas pelo desenvolvimento da pesca e da navegação. Dois projetos de santuário estavam sobre a mesa com o objetivo de criar uma ampla reserva marinha com uma extensão equivalente à Índia, potencialmente a maior do mundo, povoada por cetáceos, mamíferos marinhos e pinguins, com mais de 16.000 espécies no total.

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Jacaré de 3,6 m era mantido como 'guarda' e alimentado com gatos


Na cidade de Tampa, na Flórida (EUA), policiais e agentes da FWC (sigla em inglês para a Comissão de Conservação de Peixes e Vida Selvagem da Flórida) ficaram impressionados ao encontrarem um aligátor (conhecido como jacaré-americano) de 3,6 m de comprimento, amarrado à uma árvore como se fosse um animal de estimação. De acordo com o jornal “The Tampa Tribune”, a polícia foi chamada por moradores que viram o réptil enorme em um terreno próximo a um complexo de apartamentos, com uma corda no corpo e amarrada em uma árvore, como se fosse um animal de estimação. Os oficiais afirmam também que o animal pesava 181 kg estava saudável e bem alimentado, e que pessoas não identificadas estariam dando gatos da vizinhança como comida para o animal. “Quando um animal selvagem é alimentado, ele perde o medo de humanos e os associa a comida, o que é perigoso”, explicou o oficial da FWC Baryl Martin. Foi necessário, no entanto, abater o animal, já que ele era muito grande e perigoso e, de acordo com uma lei estadual, jacarés não podem ser realocados para muito longe de onde foram encontrados. 

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Leão-marinho esperto rouba peixe 'cabeçudo' de barco no México



Durante a gravação de um episódio para a série “Chef On The Water” em Cabo San Lucas, no México, um leão-marinho esperto, apelidado de “Pancho”, conseguiu roubar um peixe enorme que havia sido fisgado há pouco tempo por um dos participantes do programa (assista ao vídeo). Ao lado do apresentador americano Mike “The Griz" Ritz, que apresenta o programa, o outro chef Yvan Mucharrz exibia orgulhoso seu peixe dourado (Coryphaena hippurus, popularmente conhecido como “cabeçudo”) quando o leão surgiu e abocanhou o animal, deixando Yvan completamente sem reação. De acordo com o jornal “Metro”, pessoas que moram na região afirmam que essa não é a primeira vez que o leão-marinho aparece para “roubar” peixes de embarcações. “Vivo aqui e já vi Pancho fazer isso várias vezes. Ele nada todos os dias atrás de barcos de pesca atrás de iscas deixadas no mar”, contou Jose Castro. A gravação que flagra o “roubo” foi assistida mais de 409 mil vezes.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Peixe-morcego encontrado nas areias da praia de Santos - SP


Com tanta diversidade biológica marinha aparecendo, ultimamente, facilita muito a criatividade alienígena das criações hollywoodianas Um peixe de aparência estranha foi encontrado nesta segunda-feira (21) na areia da praia de Santos, no litoral de São Paulo. O espécime, identificado como um peixe-morcego, foi fotografado por um banhista e atraiu a atenção de curiosos que passavam pelo local. Além desse exemplar, milhares de outros peixes apareceram mortos após o incêndio de grandes proporções que atingiu seis terminais de açúcar do cais santista na última sexta-feira (18), mas a relação do acidente com a mortandade de espécies marinhas ainda não foi comprovada.
Fonte: Facebook, Mr. Daniel Brasil

'Peixe corcunda' é atração de feira internacional em Taiwan



Um ryukin, apelidado de peixe corcunda, é uma das atrações de uma feira internacional de peixes em Taipei, em Taiwan. O evento, que será realizado de 27 a 30 de setembro, reúne espécies de diversos países. 

Surgimento de ‘peixes monstros’ nos EUA seria 'premonição' de terremoto


O aparecimento em menos de uma semana de dois peixes-remos de 4,27 metros e 5,4 metros no estado na Califórnia (EUA), gerou especulações na internet. Alguns chegaram a afirmar que o surgimento dos peixes seria a "premonição" de um terremoto. Uma lenda japonesa diz que, quando um peixe-remo surge em terra, um terremoto acontece depois. Em cima de teorias que circulam na rede, californianos começaram a espalhar boatos sobre a ligação entre o aparecimento dos peixes e um possível terremoto. Para os cientistas , no entanto, não há qualquer ligação entre o aumento da atividade tectônica e a morte dos dois peixes-remos. O peixe-remo de 4,27 metros foi encontrado pelo americano Mark Bussey e outros banhistas na sexta-feira (18) em uma praia perto de Oceanside. A instrutora de ciência marinha Jasmine Santana achou o outro exemplar de 5,4 m no dia 13 de outubro. Os peixes-remo podem alcançar até 17 metros de comprimento, vivem normalmente em climas tropicais e acredita-se que podem submergir até 914 metros no oceano, o que faz ser uma espécie difícil de estudar.

sábado, 19 de outubro de 2013

Criatura apelidada de 'sanguessuga gigante’ causa pânico na Malásia


Trabalhadores de construção civil de Sungai Siput, na Malásia, ficaram aterrorizados ao encontrarem uma criatura bizarra durante uma escavação, que parecia uma mistura de moreia e sanguessuga. De acordo com informações da imprensa malaia, testemunhas disseram que o animal pesava mais de 25 kg e possuía cerca de 2 m de comprimento. Foi necessário chamar o Departamento de Defesa Civil (JPAM, em Malaio) e realizar uma operação com três homens para capturar a criatura, apelidada de "sanguessuga gigante" pelas testemunhas. A criatura, que “não estava se comportando de maneira agressiva”, foi classificada por alguns como uma moreia, enquanto outros especialistas apontaram que se trata de uma cobra não peçonhenta, que se alimenta de peixes, mas que é capaz de morder.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Canadá inaugura o maior aquário do país em Toronto




Depois de dois anos de construção, alguns atrasos e quase 130 milhões de dólares gastos, foi inaugurado nesta quarta-feira (16) o Ripley's Aquarium of Canada em Toronto, anunciado como o maior do país. O aquário é o lar de mais de 13 mil animais aquáticos e 450 espécies diferentes que se dividem em cerca de seis milhões de litros de água.

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Pesquisadora encontra 'peixe monstro' de 5,4 m nos EUA


Uma instrutora de ciência marinha levou um susto ao avistar no mar em Los Angeles, na Califórnia (EUA), um peixe remo (também conhecido como regaleco) com mais de 5,4 m de comprimento. Jasmine Santana, do Instituto Marinho da Ilha de Catalina (em tradução livre) precisou da ajuda de mais 15 pessoas para conseguir arrastar o peixe para a costa, e a criatura está sendo taxada como “a descoberta de toda uma vida” pelos funcionários do instituto. O peixe, que normalmente vive a mais de 900 m de profundidade, e faz parte de um grupo de bichos que raramente são estudados, morreu de causas naturais. Amostras de tecido, fotos e vídeos do regaleco foram enviados para biólogos da Universidade da Califórnia. O animal será enterrado na areia até se decompor, para que seu esqueleto seja remontado A instrutora contou que estava mergulhando quando encontrou o peixe a cerca de 9 m de profundidade. “Eu tenho que arrastar isso ou ninguém vai acreditar em mim”, afirmou Santana, pouco antes de receber a ajuda dos colegas para levar a carcaça à superfície.

domingo, 13 de outubro de 2013

Espécie de camarão europeu mata crustáceo exótico, sugere estudo

 
Pesquisadores da Universidade Queen, em Belfast, descobriram uma “arma natural” para combater uma espécie invasora de camarão, proveniente dos Estados Unidos, que invadiu rios e lagos da Europa. De acordo com um estudo divulgado nesta semana no periódico científico “NeoBiota”, os camarões nativos da Europa matam a espécie intrusa, considerada mais fraca, e evitam a proliferação dos animais exóticos. Esse método foi denominado pelos cientistas como “resistência biótica”, ou seja, uma resposta da própria natureza para a entrada de espécies exóticas. Eles obtiveram o resultado a partir de observações feitas no continente. Eles verificaram que o crustáceo Crangonyx pseudogracilis, o intruso, só conseguia se desenvolver em ambientes onde não havia presença de camarões nativos, como o Gammarus pulex e o Gammarus dueben. Segundo a investigação científica, o combate natural ajuda a evitar novas invasões e danos às culturas do camarão na Europa, que poderiam causar perdas para a biodiversidade e prejuízos bilionários para a economia. Os autores devem realizar outros trabalhos na Irlanda, Inglaterra, Canadá e África do Sul para entender como as espécies nativas e invasoras interagem e, com isso, obter um resultado para combater a proliferação de espécies não nativas.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

População de pinguins da Antártica é o dobro de estimativas anteriores



A população de pinguins-imperador da Antártida é o dobro do estimado anteriormente, segundo um estudo elaborado por cientistas britânicos com tecnologia de imagens por satélite. Os especialistas da Pesquisa Antártica Britânica (BAS, na sigla em inglês) utilizaram imagens de alta resolução para calcular o número de colônias de pinguins no litoral da Antártica, assim como o de exemplares. Segundo a apuração, a população atual de pinguins-imperador subiu para 595 mil, quase o dobro das estimativas anteriores, que previam entre 270 mil e 350 mil animais, informou a última edição da revista científica americana "PLoS One". A maior e mais pesada espécie de todos os pinguins se agrupa em grandes colônias na Antártica, visíveis para o satélite graças a sua plumagem branca e negra, que se destaca sobre o gelo. A estimativa atual é que haja 44 povoações, sete a mais que as conhecidas antes. Segundo o autor principal do estudo, Peter Fretwell, este é o primeiro censo da espécie realizado. A co-autora, Michelle LaRue, da Universidade de Minnesota (EUA), destacou que "os métodos empregados são um grande passo para a ecologia da Antártica, pois são seguros, eficientes e têm pouco impacto meio ambiental". Embora os pinguins-imperador não sejam uma espécie ameaçada, as pesquisas atuais indicam que os animais serão gravemente afetados pela mudança climática. Os cientistas temem que a alta das temperaturas registradas em algumas regiões da Antártica no início da primavera cause perda de gelo marinho e prejudique sobretudo os pinguins que vivem nas zonas mais ao norte. O estudo pode ser repetido com regularidade e possibilita conhecer com maior exatidão os perigos sobre a espécie, segundo outro co-autor do estudo, Phil Trathan, biólogo da BAS. "As pesquisas mais recentes nos fazem temer uma grande queda no número de pinguins-imperador durante o próximo século. No entanto, os efeitos do aquecimento na Antártica são regionais e irregulares. No futuro, prevemos que as colônias mais ao sul se manterão", explicou Trathan.

Peixe-boi de água salgada consegue captar ruído ultrassônico, diz estudo


Barulho de motores de lanchas e de motos aquáticas pode prejudicar a audição do peixe-boi-marinho (Trichechus manatus), de acordo com estudo realizado pelo Laboratório e aquário marinho Mote, dos Estados Unidos. O resultado de análises feitas durante 14 anos, publicado nesta semana no “The Journal of Experimenta Biology”, mostra que por viverem na profundidade em algumas regiões da costa dos EUA, onde normalmente tem pouca luminosidade, os mamíferos aquáticos "reforçaram" sua audição e conseguem captar frequências ultrassônicas. Isto o ajudaria, por exemplo, a distinguir ruídos como o de uma lancha se aproximando -- um potencial caçador. Entretanto, segundo os pesquisadores, a detecção de barulho pode não ocorrer de forma completa quando os animais estão dormindo. Apesar da audição "eficiente", que, teoricamente, ajudaria essa espécie a sobreviver e escapar de ameaças, os cientistas querem descobrir o motivo do peixe-boi-marinho corre risco de desaparecer. Segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), o peixe-boi de água salgada é considerado vulnerável na natureza.

Cientistas descobrem nova espécie de peixe na Suécia


Uma nova espécie de peixe foi encontrada na região de Väderöarna, na costa oeste da Suécia, ao ser clicado por um fotógrafo em uma reserva natural. Existem hoje 265 espécies de peixes no país, entre as quais pouco mais de 200 habitam no mar.

'Peixe-chinelão' é nova espécie de MT catalogada cientificamente


Uma nova espécie de peixe encontrada no Rio Aripuanã, em Mato Grosso, foi descrita cientificamente por pesquisadores brasileiros. Denominado Trachycorystes menezesi, a espécie é popularmente conhecida por "peixe-chinelão" devido à sua aparência achatada. O peixe-chinelão foi encontrado em uma área próxima ao município de Aripuanã pelo pesquisador Heraldo Britski, professor aposentado da Universidade de São Paulo, em 1976, durante expedição feita à região, na época considerada inóspita. Segundo Britsky, o animal só foi descrito em 2011, com artigo publicado na revista científica "Neotropical Ichthyology", devido à "falta de tempo". O nome "menezesi" foi uma homenagem ao explorador Naércio Menezes, um dos condutores da expedição em 1976. “Nós temos vários critérios a cumprir quando encontramos uma espécie nova. Contei com a ajuda do pesquisador Alberto Akama, que foi mais fundo na análise do gênero Trachycoystes, fazendo inclusive sua tese de doutorado sobre o assunto”, afirmou.(Foto: Divulgação/HeraldoBritski)

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Maior crocodilo do mundo faz 110 anos e ganha bolo na Austrália



Considerado o maior crocodilo em cativeiro do mundo, "Cassius" ganhou nesta terça-feira (21) um bolo feito com 20 quilos de carne de frango para comemorar seu 110º aniversário no parque Marineland Melanesia em Green Island, Queensland, na Austrália. Segundo o Guinness, livro dos recordes, o crocodilo de água salgada "Cassius" tem 5,48 metros de comprimento. O antigo recordista, o crocodilo chamado "Lolong", que foi capturado em 2011 nas Filipinas e tinha mais de 6 metros, morreu em fevereiro deste ano. Batizado com esse nome em homenagem ao famoso boxeador Cassius Clay (Muhammad Ali), o gigantesco réptil, que foi capturado em 1984 no Território do Norte, vive há 26 anos no parque de crocodilos Marineland Melanesia, no norte do estado de Queensland. "Cassius" poderia ser um pouco maior se não tivesse perdido em torno de 20 centímetros da cauda durante uma briga na época em que vivia livre.

Crocodilo e tartaruga cultivam amizade há 4 anos



Uma amizade inusitada na natureza chama a atenção na cidade de Myrtle Beach, na Carolina do Sul (EUA). Uma tartaruga de 15 anos, carinhosamente batizada com o nome da cidade, e uma jovem fêmea de crocodilo de 9 anos, Georgia, cultivam uma relação de respeito. Há quatro anos, os dois animais são vistos juntos em diversas ocasiões, inclusive quando estão à caça de comida. 

Crocodilo de 50 anos é nova atração de aquário na Austrália



Um crocodilo de 50 anos é a nova atração de um aquário na cidade de Melbourne, na Austrália, que foi reinaugurado nesta quinta-feira (19). O réptil chamado "Pinjarra" mede mais de cinco metros e cerca de 750 quilos.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Peixe com aparência 'humana' é eleito o animal mais feio do mundo


O peixe-gota ("Psychrolutes marcidus"), uma espécie do Pacífico que lembra um senhor velho e amargurado, foi eleito o animal mais feio do mundo em um concurso organizado na Grã-Bretanha. Mais de 3.000 pessoas participaram de uma consulta na internet para chamar a atenção sobre espécies pouco conhecidas e ameaçadas que desempenham seu papel no ecossistema. O "blobfish", como é denominado em inglês, uma criatura rosada capaz de suportar a pressão de grandes profundidades marinhas - e cujo aspecto parece fazer menção a esta circunstância - tem sido vítima da pesca de arrasto. Ele ganhou incontestavelmente, com 795 votos, disse Coralie Young, da Associação Britânica de Ciência (British Science Association), que anunciou o resultado em um festival anual em Newcastle, no nordeste da Inglaterra. Em segundo lugar ficou o kakapo, um pássaro que não voa, e parece uma mistura de papagaio e coruja, que vive na Nova Zelândia. Em terceiro lugar ficou o axolotl, anfíbio mexicano apelidado de "peixe-andarilho". Outros candidatos foram o macaco proboscis, que tem os testículos vermelhos e nariz grande, e a rã do Titicaca, também conhecida com o nome pouco científico de "rã escroto". Oitenta mil pessoas visitaram a página do concurso. "É um modo simpático de lembrar às pessoas sobre a conservação" dos animais, explicou por telefone Coralie Young.

sábado, 7 de setembro de 2013

Banhistas encontram tartaruga de cerca de 300 kg em praia de Maceió

Uma tartaruga da espécie Caretta Caretta, conhecida como “Cabeçuda”, foi encontrada morta na tarde desta sexta-feira (6), na praia da Pronta Verde, em Maceió, Alagoas. Os banhistas acionaram o Instituto Biota de Conservação para resgatar o animal. De acordo com Bruno Stefanis, biólogo do Biota, a tartaruga não tinha nenhuma marca de mordida e já apresentava sinais de decomposição. A tartaruga, de 1,45m e aproximadamente 300 quilos, já estava em estado de decomposição. Segundo Stefanis, um dos principais motivos para a morte de tartarugas é a ingestão de lixo, que é frequentemente confundido com alimento pelo animal. No fim do ano passado, várias tartarugas da mesma espécie foram encontradas mortas no litoral alagoano. “Tivemos um período de 15 dias em que praticamente se encontrava uma por dia”, explicou a bióloga Mariana Santiago. Por conta do tamanho, o animal precisou ser enterrado na areia da praia. "Quando encontramos um animal desse porte é necessário enterrá-lo na areia porque simplesmente não há logistica para o retirar do local", explicou Mariana.

sábado, 31 de agosto de 2013

Descobertas duas novas espécies de peixe elétrico na Amazônia

 
Cientistas brasileiros e americanos descobriram duas novas espécies de peixes elétricos na região central da Amazônia. A descrição de ambas foi publicada na quarta-feira (28) pela publicação científica "Zookeys". Os animais, do gênero Brachyhypopomus, ocorrem em geral sob a vegetação flutuante nas águas da porção central da bacia Amazônica, principalmente ao longo das margens do rio Solimões e de afluentes, diz a pesquisa. Eles foram batizados com os nomes científicos de Brachyhypopomus walteri e Brachyhypopomus bennetti, diz o estudo. Os peixes são classificados como "eletricamente fracos" e não representam riscos em comparação com um "parente", o chamado peixe poraquê (Electrophorus electricus), que chega a ter três metros de comprimento e realiza fortes descargas elétricas para defender-se ou capturar presas, aponta a pesquisa. Os animais recém-descobertos possivelmente utilizam descargas elétricas como forma de ajudar em sua movimentação noturna e na comunicação com outros espécimes, sugere o estudo.

Pescador afirma ter apanhado lagosta rara na costa dos EUA


 
Um pescador de lagostas do Maine, nos EUA, afirma ter pescado uma lagosta extremamente rara, que é metade alaranjada e metade marrom. A lagosta foi pega pelo pescador local Jeff Edwards, de Owl's Head. Alan Lishness, do Instituto de Pesquisa do Golfo do Maine, disse que a chance de aparecer uma lagosta assim é de uma em 50 milhões. "Parece que alguém vedou um lado e então passou spray no outro", afirmou. "Isso não é muito comum na natureza." As lagostas americanas são geralmente marrom-esverdeadas, e só ficam vermelhas após o cozimento.