PESQUISE NA WEB

segunda-feira, 25 de julho de 2016

Baleia morta é retirada do mar após 'operação de resgate' em Santos, SP



Uma operação de resgate foi montada na tarde deste domingo (24), em Santos, no litoral de São Paulo, para retirar uma baleia morta que apareceu boiando no mar da cidade. O animal, que é um filhote, foi trazido até a faixa de areia com ajuda de embarcações Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) e depois colocada dentro de um caminhão com auxílio de um trator. A cena chamou a atenção de centenas de pessoas que curtiam o fim de tarde na Ponta da Praia. Segundo apurado pelo G1, nove baleias já foram encontradas mortas em praias do Litoral Sul Paulista desde o mês de maio. Além de Santos, três baleias encalharam em Guarujá, três em Ilha Comprida, na região do Vale do Ribeira [sendo a última na manhã deste domingo], uma em Mongaguá e uma em Peruíbe. Segundo biólogos e veterinários do Instituto Gremar, responsável pela reabilitação e resgate de animais marinhos na região, a baleia encontrada em Santos é da espécie franca, comum no litoral catarinense. Pesquisadores farão exame necrológico para descobrir as causas da morte.

Baleia jubarte e tartaruga aparecem mortas em praia de Ilha Comprida, SP



Uma baleia e uma tartaruga apareceram mortas na manhã deste domingo (24), na praia Boqueirão Centro, em Ilha Comprida, na região do Vale do Ribeira, ainda no litoral de São Paulo. Apesar dos animais terem sido encontrados em avançado estado de decomposição, o biólogo Cristian Negrão acredita que a baleia de cerca de 9 metros de comprimento seja uma fêmea da espécie jubarte e, a tartaruga, da espécie verde. A baleia-jubarte é uma espécie ameaçada de extinção e não é típica da região Sudeste do Brasil. Segundo especialistas, elas costumam ficar na região Norte do país, no entanto, o litoral paulista está na área de passagem para esses mamímeros, por conta da grande biodiversidade marinha e muitos cardumes. Este é o terceiro encalhe de baleia em Ilha Comprida este ano. No mês de maio, duas baleias-jubarte também apareceram mortas em praias da cidade. Uma delas tinha 15 metros de comprimento.

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Aquecimento e degelo da Antártida têm breve pausa, diz estudo


O aquecimento e o degelo da Antártida tiveram uma breve pausa, segundo publicação de cientistas nesta quarta-feira (20). A península, um dos lugares da Terra que sofreu pelo aquecimento do clima no último século, voltou a se resfriar devido a alterações naturais no local. O aquecimento veloz registrado até o final dos anos 1990, que se estende rumo à América do Sul, desencadeou o rompimento de antigas plataformas de gelo, que são vastos fragmentos de gelo que flutuam no final das geleiras, e um declínio em algumas colônias de pinguins. Uma mudança para ventos mais frios e a chegada de mais gelo marítimo causaram um resfriamento na região, apesar do acúmulo de gases de efeito estufa na atmosfera. A análise foi publicada por cientistas na revista "Nature". "O aumento de gases de efeito estufa (...) está sendo sobrepujado nesta parte da Antártida" por variações naturais no clima local, disse o principal autor do estudo, John Turner, da Pesquisa Britânica na Antártida (BAS, na sigla em inglês). "Certamente não estamos dizendo que o aquecimento global acabou. Pelo contrário", disse ele em uma teleconferência a respeito do estudo. "Estamos destacando a complexidade da mudança climática." Desde aproximadamente 1998, as temperaturas do ar da Antártida diminuíram cerca de 0,5ºC por década, aproximadamente o mesmo ritmo que vinha subindo desde cerca de 1950. A estabilização do buraco da camada de ozônio sobre a Antártida, que protege o planeta dos raios ultravioleta, pode explicar em parte a alteração nos ventos que levaram ao resfriamento, segundo o estudo. Mas o aumento de gases de efeito estufa, sobretudo em razão da queima de combustíveis fósseis em todo o mundo, significa que o resfriamento deve ser só um evento isolado em um canto da Antártida. As temperaturas provavelmente devem voltar a subir e podem ter um acréscimo de 3ºC a 4ºC até o ano de 2.100, alertou Turner. Na cúpula climática de Paris em dezembro, quase 200 governos assinaram o acordo mais ambicioso até o momento para conter o aquecimento global, adotando a meta de eliminar o uso de combustíveis fósseis gradualmente até 2.100. Cerca de 10 plataformas de gelo diminuíram muito de tamanho ou se desintegraram na Antártida nas últimas décadas. Em 2014, no mesmo local, cientistas flagraram uma nova rachadura de dezenas de quilômetros de extensão em uma plataforma.

Cerca de 70 baleias são encontradas mortas no sul do Chile


Cerca de 70 baleias foram encontradas mortas na região de Aysén, no sul do Chile, informou o Serviço Nacional de Pesca (Sernapesca). Incidente acontece menos de um ano depois que mais de 330 animais ficaram encalhados em uma área remota da Patagônia chilena. Pelo tamanho dos animais foi descartado que pertencessem à mesma espécie das baleias-sei encalhadas no final de 2015. Os animais foram detectados a cerca de seis horas de navegação de Porto Chacabuco. "São menores dos que observamos na vez anterior", disse o diretor do Sernapesca, José Miguel Burgos. Elas estão em um lugar mais acessível, o que permitirá um processo de inspeção nos próximos dias. As autoridades afirmaram que os animais morreram há mais de dois meses, mas que os cadáveres ainda estão inteiros, por isso, eles estão otimistas de poder realizar autópsias para descobriu o que provocou as mortes. "A primeira coisa que temos que investigar é se houve intervenção humana ou não", afirmou Burgos. Embora tenha sido complicado determinar o que provocou o primeiro encalhe maciço, devido ao avançado estado de decomposição dos animais quando foram encontrados, os cientistas apontaram a "maré vermelha", uma floração de algas nocivas, como a causa mais provável.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Jacaré de papo-amarelo é encontrado na Prefeitura do Recife


Um jacaré de papo-amarelo foi encontrado no estacionamento da Prefeitura do Recife na manhã desta sexta-feira (15). De acordo com a administração municipal, o réptil mede, aproximadamente, 1,20 metro de comprimento. Ele foi achado pela assistência militar do órgão, enquanto era feita a ronda de segurança do local, por volta das 7h40. Ainda segundo a prefeitura, ele estava no caminho entre dois estacionamentos, em um local de pouco acesso e próximo a uma área de mangue. O animal foi capturado pelo Corpo de Bombeiros e pela Brigada Ambiental da Guarda Municipal. O jacaré foi levado para a sede do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Casa Forte, Zona Norte do Recife.

Pesquisadores monitoram mais de 200 jacarés em lagoas do ES


Um grupo de pesquisadores começou a monitorar mais de 200 jacarés que vivem nas lagoas da Grande Vitória. O Projeto Caiman trabalha para evitar a extinção da espécie e faz todos os exames necessários para conhecer o desenvolvimento do animal e identificar possíveis bactérias presentes nele. O presidente do Instituto Marcos Daniel, Marcelo Renan Santos, explicou que cada jacaré é cuidadosamente examinado. “Primeiro, a gente mede o jacaré, a cabeça, a cauda. Em seguida, a gente pesa e depois coleta amostras de sangue para os exames laboratoriais, como hemograma, glicose, triglicerídios, colesterol, que a gente faz na gente também”, falou. Além disso, são colhidas amostras para descobrir quais são as bactérias presentes na boca do jacaré, além de material do estômago do animal, para descobrir do que ele está se alimentando. Cada jacaré recebe um chip, de cerca de um centímetro, em que há um número, único no mundo, que permite o acompanhamento do animal por toda a vida. “O microchip permite que a gente individualize os animais e os acompanhe ao longo da vida inteira. Então, através dessa metodologia da individualização, a gente consegue determinar padrões de distribuição, ou seja, quantos animais andam, qual a taxa de crescimento deles e monitorar a saúde durante a vida inteira”, disse o coordenador do Projeto Caiman, Yhuri Nóbrega. Durante a navegação, os pesquisadores contam quantos jacarés existem na lagoa. Para isso, eles observam a quantidade de olhos vermelhos. Mas, para a contagem dar certo, existe uma metodologia importante. “Tem que andar sempre em linha reta, contando sempre os jacarés de apenas um lado do barco. Então, como naquele momento a gente contou, não vamos contar novamente aquele mesmo bicho”, explicou.

Jacaré surpreende ciclista em trilha nos EUA


Um jacaré de quase um metro foi encontrado em uma trilha de bicicleta próximo a uma cidade do estado americano de Minnesota. O ciclista Dan Fundingsland passeava pela trilha no sábado (9), próximo a Brainerd, quando viu o réptil, que não é nativo da região, tomando sol. Ele disse à TV local que esperava encontrar um cervo e até um urso, mas nunca um jacaré. A princípio, ele pensou que se tratava de um boneco, mas depois viu que era um jacaré de verdade. Ele entrou em contato com a polícia do condado de Crow Wing, que mandou agentes para o local. O policial Joe Meyer disse que foi o primeiro chamado que eles receberam sobre jacaré. Ele disse que os policiais ficaram apreensivos e temerosos na hora de capturar o animal. O dono de um safári próximo foi "convocado" e acabou fazendo a captura do réptil. A polícia acredita que o jacaré era um animal de estimação que ou fugiu ou foi abandonado ilegalmente.

Baleia de 10 metros é encontrada morta na praia do Tamborete



Uma baleia foi encontrada morta na beira da praia do Tamborete, em Laguna, no Sul catarinense, na quinta-feira (14). De acordo com a Polícia Militar Ambiental, o animal é uma baleia-de-bryde. Moradores da região avistaram a baleia no final da tarde de quinta e acionaram a polícia. Na manhã desta sexta-feira (15), técnicos do projeto de monitoramento de praias da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc) estão no local fazendo o isolamento da área. Segundo a bióloga e diretora do Projeto Baleia Franca, Karina Groch, o animal é adulto e tem aproximadamente 10 metros de comprimento. A "bola" que aparece nas fotos é a língua inchada do animal. "Ela tem hábito costeiro. Já temos registros dessa espécie aqui na região e mesmo em toda costa brasileira. Ainda não foi possível saber o sexo do animal e para isso estamos fazendo uma necropsia, até pra apurar as possíveis causas da morte", explicou a bióloga. De acordo com a prefeitura de Laguna, o animal será enterrado na mesma praia onde encalhou, após as análises dos biólogos.

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Peixe 'assustador' aparece na costa leste dos EUA



Um peixe assustador chamou a atenção de um grupo de surfistas em Virginia Beach, na costa leste dos EUA. O grupo East Coast Surfing Championships publicou no seu Facebook fotos do peixe, de nome científico Astroscopus guttatus, conhecido no Brasil como aranhuço. Ashley Raper Starr, autora das fotos, disse à TV americana que fez as imagens quando passeava com a família na praia. Esse tipo de peixe costuma viver em águas profundas, então Ashley surpreendeu-se em vê-lo na areia. Ela devolveu-o ao mar. Apesar de muito feioso e de ser um predador do mar, o peixe não representa ameaça para os humanos.

Pinguim é encontrado morto na Praia de Tabuba, Litoral Norte de Alagoas


Um pinguim foi encontrado morto na tarde do sábado (9), na praia de Tabuba, na Barra de Santo Antônio, Litoral Norte de Alagoas. Pescadores e banhistas localizaram o animal já morto dentro da água e o enterraram na areia. A banhista Mirian Sheyla, que estava no local, conta que um homem tomava banho no mar quando avistou um animal boiando na água. “Ele pegou o animal para o levar para a areia, quando percebeu que era um pinguim. Nunca vimos nada desse tipo nessa região, foi bem inusitado”, afirmou Mirian. De acordo com o Centro de Triagem de Animais Silvestres (CETAS), do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), existe a possibilidade, nessa época do ano, dos pinguins se desgarrarem de seus grupos e acabar sendo arrastados pelas correntezas marítimas até o litoral alagoano. Nos casos em que o pinguim ainda estiver vivo, o CETAS orienta que seja feita uma ligação pedindo o resgate do animal para o Batalhão de Polícia Ambiental (BPA), o Corpo de Bombeiros ou o próprio Ibama. Ainda segundo informações do CETAS, quando o animal for encontrado morto, o procedimento deve ser o mesmo, para que veterinários e biólogos investigao animal, a causa da morte, entre outros.

Com seca do Rio Acre, homem pesca peixe de 70 kg em Rio Branco


Pescador por hobby, o protético Luiz Alberto Moura Santos, de 45 anos, acredita que a seca do Rio Acre lhe trouxe sorte. Nesta segunda-feira (11), quando o nível do manancial alcançou 1,83 metro, segundo a Defesa Civil Estadual, ele pescou um peixe da espécie jaú de 1,66 metro e pesando 70 kg. Segundo um especialista, embora o animal seja comum na região Amazônica, é raro encontrar espécies desse porte no Rio Acre. Santos conta que costuma pescar sempre em um trecho do rio próximo à Ponte Juscelino Kubitschek, em Rio Branco, e há pouco mais de dois meses percebeu a presença da espécie no local. “Ele costumava quebrar muito as linhas de pesca da gente. Já tinha pegado outros como ele, mas de no máximo 15 quilos”, conta. Na tentativa bem-sucedida, ele diz que utilizou uma linha mais forte e um peixe da espécie curimatã como isca, além de esperar pouco mais de uma hora até atrair o animal. “Quando ele pegou, puxou de uma vez. Então, o fisguei e tive que tomar muito cuidado, para que ele não me jogasse dentro da água”, lembra. Dois amigos o ajudaram a puxar o peixe para o barco. Segundo o doutor em biotecnologia e nutrição de peixes Ricardo do Amaral Ribeiro, que administra a estação de piscicultura da Universidade Federal do Acre (Ufac), o jaú é uma espécie que compõe o grupo dos “grandes bagres da Amazônia”, que é composto ainda de espécies como surubim e jundiá. “São peixes que ficam sempre no fundo de lagos, rios e poços, principalmente no verão. É um animal carnívoro, comem material em decomposição no fundo dos mananciais e outros peixes”, explica. O especialista diz ainda que os animais costumam sofrer com a pesca predatória. “São muito perseguidos. Aqui no Rio Acre, em particular, como há uma pressão muito grande na pesca, é raro encontrar animais de grande porte”, explica. Ribeiro salienta ainda que embora a espécie capturada nesta segunda tenha um tamanho considerável, não é o maior que animais desse tipo podem chegar. “Não é nada de anormal para o jaú, ficam até maiores que esse tamanho. O que acontece que deixa as pessoas surpresas é porque foi pescado aqui no Rio Acre é raro”, acrescenta. O professor lamenta ainda que o animal tenha sido capturado em período de defeso. “É uma pena que esteja sendo feita pesca em período de defeso. Vai ter impacto no próximo ano em nossa produção, porque muitas fêmeas que iriam desovar foram capturadas”, finaliza.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Crocodilo 'passeia' em praia do México e assusta banhistas


Um crocodilo deu um susto nos banhistas de uma praia mexicana em Cozumel ao "passear" na are ia entre cadeiras de praia antes de voltar à água. A cena foi postada no YouTube pela usuária Iliana Acosta. O vídeo mostra um homem nervoso pedindo que os banhistas da praia Palancar se afastassem da água e deixassem espaço na areia para a passagem do réptil. Pouco depois, o crocodilo aparece, andando calmamente entre as cadeiras, em linha reta, e de volta à água. Depois que ele entra na água, vários banhistas o seguiram, registrando a cena em fotos e vídeos.

Algas 'guacamole' obrigam Flórida a declarar estado de emergência


O paraíso com sol e praia que os moradores e turistas da costa leste da Flórida (EUA) normalmente aproveitam no verão foi invadido por uma massa verde viscosa e com um cheiro horrível. A proliferação de algas tóxicas, que por seu aspecto foram batizadas de "guacamole", está prejudicando a economia local. O governador Rick Scott declarou estado de emergência para quatro condados que dependem fortemente do turismo. Estas algas, além disso, têm o potencial de destruir os ecossistemas da região, como explica o pesquisador Henry Briceño, da Universidade Internacional da Flórida. "É um espetáculo dantesco. As águas nos canais e rios têm um tapete verde, um limo cinzento e um cheiro de amônia", descreve Briceño à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC. As algas "guacamole" afetam desde o estuário do rio St. Lucie - onde há hotéis, residências privadas e clubes de iates - à lagoa Indian River, que abarca as localidades de Stuart, Port St. Lucie e Fort Pierce, e a parte das famosas praias de Palm Beach. Outros quatro condados foram obrigados a fechar praias e viram uma enorme queda na chegada de turistas nos últimos dias. "Isso destruiu nossa economia local e nosso modo de vida. Nossos cidadãos estão demandando ação rápida", disse a representante local Sarah Heard, do condado de Martin. E como chegou-se a esta situação? A "guacamole" é um tipo promitivo de alga, uma cianobactéria, microoganismo fotossintético de aspecto verde-azulado e viscoso, que se multiplicou nestes quatros condados, principalmente na água doce, mas, em menor medida, na água salgada. Em qualquer corpo de água do mundo existem algas, mas a reprodução deste microorganismo neste caso foi fora do comum. Isso se deve ao fato de que uma represa no lago Okeechobee, a oeste de West Palm Beach, estava liberando, até 1º de julho, cerca de 85 metros cúbicos de água por segundo, informou o Corpo de Engenheiros do Exército americano. "Essas águas têm altos conteúdos de nutrientes, especialmente fósforo e nitrogênio, e isso faz disparar a floração das algas", explica Henry Briceño.

Peixe-boi resgatado no rio Amazonas pode ser levado para instituto no Pará



O peixe-boi resgatado no rio Amazonas, em Macapá, no dia 26 de junho pelo Batalhão Ambiental, deve ser transferido para um instituto no Pará. A possibilidade é estudada por profissionais que acompanham o animal ameaçado de extinção. Ele estava encalhado em bancos de areia quando foi encontrado por banhistas. O instituto, localizado em Santarém, demonstrou interesse em cuidar do animal e entrou em contato com os policiais. O peixe-boi, que tem pouco mais de 1 mês de vida, está desde o dia 28 de junho no Parque Zoobotânico de Macapá, na rodovia JK. “A gente não tem o intuito de ficar com esse animal em cativeiro. Estamos cuidando dele e, assim que possível, ele deve retornar à natureza através dessa ONG de Santarém que vai fazer todo um trabalho pela experiência que tem em retornar o animal à natureza”, comentou o diretor-presidente da Fundação Parque Zoobotânico, Márcio Pimentel. A transferência depende de um pedido formal da instituição paraense para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) no Amapácom informações de como será feito o trabalho. O órgão é o responsável pelo monitoramento de mamíferos aquáticos. Caso a transferência não aconteça, o animal permanecerá no parque de Macapá. Um dos profissionais que estão se dedicando ao animal é o veterinário Luiz Sabioni. Ele é do instituto de pesquisa Mamirauá, que estuda mamíferos aquáticos amazônicos, e se ofereceu voluntariamente para observar o animal. “É uma espécie que requer cuidados detalhados. Há poucas instituições no Norte que tem uma logística bem definida para fazer a reabilitação com o intuito de reintroduzir o animal na natureza por ser uma espécie ameaçada de extinção. Minha vontade e a de todos que se preocupam com a conservação da espécie é devolver esse animal ao ambiente natural”, disse Sabioni. O especialista comentou que o animal resgatado é uma fêmea e pode ser da espécie de peixe-boi amazônico ou híbrido, que seria a mistura genética do amazônico com o marinho. Sabioni explicou que o mamífero está trocando de pele, fenômeno natural que indica poucos meses de vida do animal. O peixe-boi é amamentado com leite especial e hortaliças. Ele está sob os cuidados de veterinários do zoobotânico e do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (Iepa). Por enquanto, o mamífero está em uma caixa d’água no parque. O diretor informou que o animal deve ser transferido para uma piscina maior em poucos dias.

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Filhote de foca é morto após mulher levá-lo para casa em sacola de plástico

Um filhote de foca teve de ser sacrificado em Washington, nos Estados Unidos, após uma mulher tirar o bichinho da praia e levá-lo para casa em uma sacola plástica. Ela achou que a foca havia se perdido de sua mãe. “Ela o levou para casa e percebeu que não sabia o que fazer ou como tomar conta dele”, afirmou Michael Milstein, porta-voz da Administração Nacional Atmosférica e Oceânica (NOAA, na sigla em inglês), à ABC News. Depois disso, a mulher ligou para o Aquário de Westport, o mais próximo dela. Marc Myrsell, diretor do aquário, contou que, ao chegar à casa da mulher, funcionários encontraram a foca com “vida, mas extremamente letárgica”. Depois de tentarem reanimá-la, não encontraram solução a não ser fazer uma eutanásia no animal. Esse caso ocorreu em maio, mas a NOAA só o divulgou nesta quinta-feira (28), depois de a ONG Seal Sitters, de proteção à vida marinha, iniciar uma campanha para que as pessoas não perturbem animais que estejam na praia. Segundo a organização, essa é a época do ano em que as focas dão à luz no nordeste do Oceano Pacífico. Depois disso, elas e os filhotes, assim como outros animais marinhos, vão descansar na costa de Seattle. Nessa temporada, em pelo menos outras cinco vezes, pessoas bem intencionadas tomaram posse ilegalmente focas bebês no Oregon e em Washington pensando que eles estavam abandonados ou precisavam de ajuda, mas essa inferência resultou em duas mortes, afirmou Milstein.