PESQUISE NA WEB

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Tubarão é encontrado morto por pescadores de Itaúnas no ES


Um tubarão de quase dois metros foi encontrado morto por pescadores da Vila de Itaúnas, em Conceição da Barra, no Norte do Espírito Santo, nesta terça-feira (25). O animal, da espécie Tigre, e pesando cerca de 150 quilos, foi encontrado por três pescadores pela manhã, quando foram buscar as redes de pesca no mar. O tubarão estava preso nas redes. Após a morte do animal ser confirmada por uma equipe do Parque Estadual de Itaúnas, o tubarão foi levado para a vila e a carne foi dividida entre comerciantes e moradores. Segundo o biólogo Luciano Cabral, o animal é perigoso e, provavelmente, chegou próximo da costa em busca de alimento. “Ele pode ter seguido um cardume e acabou preso nas redes”, disse.

Monitores improvisam piscina na praia para salvar golfinho encalhado em SP


Um golfinho vivo foi encontrado nesta quarta-feira (26) em uma praia de Peruíbe, no litoral de São Paulo. Bastante debilitado, o animal precisou ser colocado em uma piscina improvisada até ser transferido para uma unidade de tratamento em Guarujá. O animal de cerca de dois metros de comprimento da espécie pintado-do-Atlântico (Stenella frontalis) encalhou por volta das 7h na praia de Santa Cruz, próximo à divisa com a cidade de Itanhaém. Técnicos do Instituto Biopesca, que realiza o monitoramento de praias na região dentro de um programa ambiental do Ibama, foram chamados para verificar o estado de saúde do golfinho. Como os monitores perceberam que o animal estava debilitado, comunicaram também um dos veterinários do Gremar, instituto responsável pela reabilitação de animais marinhos na região da Baixada Santista. No local, os técnicos e o veterinário tiveram que colocar o golfinho em uma picina adaptada já que não era possível devolvê-lo à água em função das condições adversas do mar. Em seguida, ele foi transferido para a unidade do Gremar em Guarujá, onde deve passar por avaliações detalhadas nos próximos dias. O Programa de Monitoramento de Praias da Baixada Santista realizado pelos institutos faz parte de um licenciamento ambiental federal do Ibama para verificar possíveis impactos de atividades da Petrobras com a produção e escoamento de petróleo e gás natural na Bacia de Santos.

Helicóptero da polícia fotografa jacaré de 3 metros no Texas


O helicóptero da polícia de Dallas, no Texas, fotografou um "suspeito" diferente: um jacaré de 3 metros de comprimento. A conta do Twitter do helicóptero Dallas Air One publicou a foto nesta quarta-feira (26). O réptil aparece às margens do Rio Trinity, perto do depósito de lixo da cidade. Os policiais disseram ter ficado impressionados porque o jacaré não teve medo quando o helicóptero se aproximou para a foto.

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Peru investiga morte misteriosa de 10 mil rãs gigantes na região do Lago Titicaca


A agência ambiental do Peru está investigando a morte de 10 mil rãs conhecidas como "gigantes do Titicaca". Os animais foram encontrados no Rio Coata, que desemboca no famoso lago peruano, na região sul daquele país. O Comitê de Luta Contra a Contaminação do Rio Coata diz que o motivo das mortes é a poluição das águas. De acordo com a organização, o governo peruano ignorou pedidos pela construção de uma estação de tratamento de esgoto no local e tem falhado em resolver o problema da poluição. A rã gigante do Titicaca (Telmatobius culeus) é uma espécie considerada em risco de extinção e é encontrada apenas nas águas frescas do lago que fica entre o Peru e a Bolívia, assim como em seus afluentes. Em protesto, ativistas levaram cerca de cem rãs mortas para a praça central da capital regional, Puno. "Tive que trazer as rãs mortas. As autoridades não sabem como estamos vivendo", disse a líder do comitê, Maruja Inquilla, à agência de notícias AFP. "Eles não têm ideia de que a poluição é enorme. A situação está fora de controle." O Serviço Nacional Florestal e de Fauna Silvestre (Serfor) informou que está investigando o ocorrido. "Com base nas declarações dos moradores e nas amostras retiradas dias depois do incidente, acredita-se que mais de 10 mil rãs foram afetadas ao longo de cerca de 50km", diz a Serfor em comunicado. A rã gigante do Titicaca tem enormes dobras na pele, o que aumenta sua área de superfície e ajuda o anfíbio a absorver mais oxigênio do ar. A espécie corre sério risco de extinção porque os humanos capturaram muitas dessas rãs para comer. Além disso, seu hábitat natural está sendo perdido e espécies invasivas têm dominado o que restou.

Jacaré em extinção é visto em Rodovia Norte-Sul, na Serra


Um jacaré em extinção foi visto atravessando a Avenida Norte-Sul, no bairro Barcelona, na Serra, na região da Grande Vitória, por volta de 3h da madrugada desta quinta-feira (20). Capturar ou matar o animal sem autorização prevê multa de R$ 5 mil e até um ano de prisão. A analista ambiental do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Natuais (IBAMA), Andreia Diogo, explicou que apesar das raras aparições de jacarés-de-papo-amarelo, a espécie é comum na região pela quantidade de lagoas próximas, como a lagoa de Jacunem e as que ficam na área da empresa Arcelormittal. A espécie está em extinção segundo a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (Cites). Para a analista, o deslocamento do animal pode ter acontecido pela superpopulação da espécie nas lagoas da Arcelormittal, e que pode ter ido em busca de mais alimento e menos competição. Andreia orientou para que, caso um animal silvestre seja avistado, as secretarias municipais de meio ambiente devem ser acionadas. E alertou que pessoas despreparadas não devem tentar espantar um jacaré, por serem grandes e apresentarem riscos. “Encontrou um animal na área urbana, se ele não apresenta risco tem que espera o animal se deslocar. Se o animal apresenta risco, deve entrar em contato com a secretaria de meio ambiente. Se o jacaré estiver em um valão, ele está caminhando. Se o animal estiver debilitado, pode entrar em contato com o IBAMA”, explicou. Todos os animais silvestres são protegido pela lei 9.605/98 do Código Ambiental. O artigo 29 da lei prevê prisão de seis meses a um ano e multa de R$ 500, para um animal não ameaçado, a R$ 5 mil, para espécies em listas de extinção. O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente informou que estão recolhendo apenas animais feridos e que capacitou os municípios para que façam o serviço. A Polícia Ambiental Militar informou que foi acionada, porém o animal já havia retornado para a mata.

Lagosta de mais de 6 kg aparece na costa das Bermudas após furacão


Dois pescadores de Bermudas pescaram uma lagosta de mais de 6 kg e estão creditando o feito à passagem do furacão Nicole pela região. O capitão Matthew Jones disse à AP que ele e um de seus funcionários, Tristan Loescher, estavam pescando longe da costa na sexta (14), um dia após a passagem da tempestade pela ilha. ones disse que Loescher pensou que fosse um peixe. Quando chegou mais perto, ele viu que se tratava de um grande crustáceo. Jones disse que se trata de uma das maiores lagostas que já viu. Eles tiraram fotos do bicho antes de devolvê-lo às águas. Jones disse que esse tipo de lagosta geralmente aparecem na costa depois das tempestades.

O truque do molusco que se 'traveste' para enganar rivais por acasalamento



O cientista marinho Sheree Marris filmou o acasalamento de milhares de chocos (um tipo de molusco bem parecido com a lula) na costa australiana. Marris notou que, para conseguir acasalar, alguns chocos machos usavam a tática de “se vestir” como uma fêmea. Imitando os tentáculos delas, eles se disfarçavam em meio a chocos maiores e conseguiam "ultrapassá-los" para chegar até as fêmeas. Segundo os cientistas, esses machos "travestidos" de fêmeas são responsáveis por 36% dos acasalamentos. Ou seja: vale a pena usar essa tática no “jogo do amor” submarino. Ali, a inteligência pode vencer a força.

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Conferência estuda criação de novos santuários marinhos na Antártica


A criação de dois santuários marinhos na Antártica voltou à ordem do dia em uma reunião internacional na cidade australiana de Hobart, onde todos os olhares estarão voltadas para a Rússia - principal freio a este projeto. A Comissão para a Conservação dos Recursos Vivos Marinhos Antárticos (CCRVMA), criada 1982 por uma convenção internacional, não consegue desde 2011 levar adiante estas duas gigantescas Áreas Marinhas Protegidas (AMP). O primeiro projeto, dirigido por Austrália, França e União Europeia (UE), cobre vastas áreas marinhas da Antártica oriental. O segundo, apresentado pelos Estados Unidos e pela Nova Zelândia, afeta o mar de Ross, uma imensa baía do lado do Pacífico, sob jurisdição neozelandesa. Este mar é conhecido como "o último oceano" por ser considerado o último ecossistema marinho intacto do planeta, sem contaminação, nem sobrepesca, nem espécies invasoras. Dentro da CCRVMA, que reúne 24 países e a União Europeia, as organizações de defesa do meio ambiente apoiam quase totalmente estas duas áreas protegidas. Mas a Rússia põe um freio aos projetos. Também é o caso da China, mas em menor medida posto que aceitou a ideia de transformar em santuário o mar de Ross, na última reunião da CCRVMA, em 2015. "Chegou a hora de proteger as águas da Antártica, motor de circulação oceânica", declarou Mike Walker, encarregado da Antarctic Ocean Alliance, que exortou os líderes de todo o mundo a seguirem o caminho dos Estados Unidos.

Mergulhador lembra encontro com tubarão branco em jaula no México



O mergulhador que passou vários segundos em uma jaula com um grande tubarão branco diante da costa do México - cujo vídeo deu a volta ao mundo -, não ficou traumatizado com seu encontro com o predador, um animal "adorável", explicou à AFP. De volta à China, Chan Ming, um cidadão de Hong Kong de 51 anos, relatou sua aventura, quando um tubarão, atraído por uma isca, se lançou em alta velocidade contra a jaula metálica de observação na qual se encontrava, sozinho. Ming, que trabalha em uma agência de publicidade em Xangai, explicou que se esforçou para manter a calma "porque disse a mim mesmo que se entrasse em pânico seria terrível". "O grande tubarão branco estava entrando na jaula, tinha a cabeça presa entre as grades, e eu pensava: 'ei, nem pense em entrar aqui'", disse. No vídeo, assistido mais de 15 milhões de vezes no YouTube, é possível ver o tubarão avançar contra a jaula, abrindo um buraco, antes de voltar a sair, ensanguentado, através de uma entrada superior que um membro da tripulação do barco abriu. Vinte segundos depois da saída do animal, Chang Ming deixa a jaula, ileso. O incidente ocorreu no dia 4 de outubro e não o impediu de voltar ao mar no dia seguinte. "Continuo pensando que o tubarão, o grande tubarão branco, é um animal magnífico, magnífico e adorável ao mesmo tempo", disse à AFP. A empresa Solmar V Luxury Live Aboard, que organiza este tipo de encontros no mar com tubarões, declarou que o animal não sofreu ferimentos graves ao atravessar as barras da jaula. Incidentes como este são muito raros, informou a empresa em um comunicado, acrescentando que a partir do ocorrido reforçou a segurança das jaulas.

Morte de 10 mil rãs gigantes intriga Peru



O Peru investiga a morte de cerca de 10 mil rãs gigantes, por suspeita de contaminação do rio Coata, que desemboca no Lago Titicaca, na região Puno, fronteiriça com a Bolívia - informou o Serviço Nacional Florestal e de Fauna Silvestre (Serfor). "Com base nas declarações dos moradores e das amostras encontradas dias depois do incidente, presume-se que mais de 10 mil rãs foram afetadas por cerca de 50 km", relata o comunicado do Serfor. A instituição indicou que especialistas analisaram os espécimen mortos ao longo do rio Coata, na Reserva Nacional do Lago Titicaca (sur), a 3.812 metros de altitude. As rãs são do tipo Telmatobius spp., conhecida como rã gigante do Titicaca, uma espécie considerada em risco de extinção. Em uma primeira inspeção, os especialistas encontraram 500 rãs em uma faixa de 200 metros. O Serfor acrescentou que agiram imediatamente depois de receber o alerta de Maruja Inquilla, representante do Comitê de Luta contra a Contaminação do rio Coata. As amostras obtidas pelo Serfor, em coordenação com os especialistas Roberto Elías e Enrique Ramos do Zoológico Denver, serão avaliadas para determinar o motivo da morte dos espécimen e iniciar as investigações.

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Sapo-cururu faz 'ligações de longa distância' para acasalar, afirma estudo


O sapo-cururu é capaz de fazer "ligações de longa distância" para acasalar e seus sons podem chegar a ser escutados a cerca de 120 metros, segundo um estudo divulgado na terça-feira, 03/10, na Austrália. "Isto significa que podem ser escutados por mais indivíduos e podem atrair mais casais potenciais para acasalar que outras espécies", disse o autor da pesquisa, Benjamin Müller, da Universidade James Cook, em comunicado. A maioria das rãs e dos sapos só respondem aos chamados de alguns poucos metros de distância, segundo o estudo, realizado por um grupo de pesquisa que trabalha para erradicar a praga bichos na Austrália. O trabalhou acrescenta, no entanto, que as fêmeas são mais seletivas e perdem o interesse a mais de 70 metros da chamada de acasalamento. "Provavelmente porque (as fêmeas) necessitam escutar mais informação complexa relativa ao tamanho, ao nível de energia e à saúde de seus casais potenciais", detalhou o especialista. Müller também destacou que os machos destes sapos respondem fortemente e de longe aos chamados de outros machos, provavelmente porque estes sons sugerem a presença de água e de outras fêmeas com as quais podem acasalar. A pesquisa pretende desenvolver armadilhas sonoras mais efetivas nas quais se utilize como isca este poderoso chamado de acasalamento do sapo. O "Rhinella marina" foi introduzido na Austrália em 1935 para combater uma praga de escaravelhos nas plantações de açúcar do estado de Queensland, um plano que fracassou já que o sapo não comeu esses insetos e, por não ter predadores, se multiplicou sem controle por quase todo o país. A praga do sapo-cururu, que pode medir 15 centímetros de comprimento e tem a pele rugosa e com protuberâncias, também causou estragos no Havaí (Estados Unidos), Filipinas, Papua Nova Guiné e outras ilhas do Pacífico.

Pescadores são 'convocados' a capturar 80 mil trutas que fugiram de cativeiro na Dinamarca


Um acidente causou a liberação de até 80 mil trutas-arco-íris criadas em cativeiro no mar na Dinamarca, levando ambientalistas a "convocar" pescadores para tentar capturar os peixes, que podem ameaçar espécies locais. O acidente aconteceu quando um cargueiro atingiu uma fazenda de piscicultura nos fiordes de Horsens, na península de Jutland. Ambientalistas temem que os peixes, cada um pesando cerca de três quilos, atrapalhem a reprodução das espécies locais de trutas. Soren Knabe, presidente do grupo ambientalista Vandpleje Fyn e membro da Associação de Pesca da Dinamarca, pediu que "qualquer um com equipamento de pesca vá pescar". Em entrevista ao jornal local Copenhagen Post, Knabe explicou que agora é o pior momento possível para uma "invasão" de trutas-arco-íris em águas dinamarquesas. "As trutas marinhas estão indo para a corrente da (ilha de) Funen para desovar e ovos de truta marinha são a comida predileta da truta-arco-íris", contou o ambientalista, em referência à ilha ao sul da fazenda onde ocorreu o acidente. O cargueiro estava a caminho do porto de Kolding na terça-feira quando acertou a fazenda de piscicultura. Jon Svendsen, pesquisador do Instituto Nacional de Recursos Aquáticos da Dinamarca, afirmou que as trutas-arco-íris que escaparam com o acidente podem ameaçar a reprodução da truta marinha ao devorar os ovos da truta local enquanto ela mesma tenta desovar. Para Svendsen, o acidente terá impacto ambiental imediato e o momento em que tudo aconteceu foi "muito infeliz". O pesquisador aprovou a convocação de pescadores para tentar capturar os peixes. Mas acrescentou que a ameaça não é duradoura, já que a truta-arco-íris não deve se estabelecer como população natural permanente na Dinamarca. Ele alerta, no entanto, que existem ameaças maiores para o ambiente local: a extração de areia para construção, espécies invasoras, mudanças climáticas e as próprias fazendas de piscicultura que criam estas trutas. "Fazendas de piscicultura são ameaças bem maiores para o ambiente marinho local, principalmente pela liberação de nutrientes no ambiente, que podem estar associados com a proliferação de algas e a subsequente hipóxia (queda nos níveis de oxigênio na água)", afirmou Svendsen à BBC.

Elefante-marinho bate recorde ao nadar quase 6 mil km para oeste


Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Santa Cruz disseram que um elefante-marinho bateu um recorde ao chegar mais longe para o oeste do que qualquer exemplar rastreado de sua espécie. Quando Phyllis chegar de volta à Califórnia em janeiro, ela terá completado uma aventura de quase 12 mil km. A fêmea completou quase 6 mil km antes de mudar a direção para voltar para casa. A distância média que essa espécie geralmente nada durante a migração de oito meses é de 3,2 mil km.O diretor da reserva Año Nuevo, Patrick Robinson, disse que pesquisadores estão rastreando os mamíferos marinhos há 22 anos na reserva em Pescadero, na Califórnia. Foto: Rachel Holser/University of California, Santa Cruz via AP