PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Sapo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Sapo. Mostrar todas as postagens

terça-feira, 4 de julho de 2017

Como o asteroide que extinguiu os dinossauros levou à multiplicação de espécies de sapo


A enorme diversidade de sapos que existe hoje é sobretudo uma consequência do asteroide que extinguiu os dinossauros, afirma um estudo. A pesquisa diz que populações de sapos explodiram após a extinção dos dinossauros, há 66 milhões de anos. Trata-se de uma contradição a evidências anteriores que sugeriram uma origem mais antiga de muitos grupos de sapos. O trabalho, realizado por uma equipe de pesquisadores chineses e americanos, foi divulgado na publicação científica "PNAS". Os sapos se tornaram um dos grupos mais diversos de vertebrados, com mais de 6,7 mil espécies descritas. Mas a falta de dados genéticos dificultou as tentativas de determinar sua história evolutiva. O novo estudo mostra que as três maiores linhagens de sapos modernos - que juntos correspondem a 88% das espécies de sapos - apareceram quase simultaneamente. Essa impressionante diversificação de espécies parece ter ocorrido logo após o choque do asteroide com a Terra, na região que hoje é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México. Ao liberar um bilhão de vezes mais energia do que uma bomba atômica, o impacto eliminou três quartos da vida na Terra. Mas também parece ter estabelecido a base para o surgimento dos sapos. Os cientistas recolheram uma amostra de 95 genes do DNA de 156 espécies de sapos. Eles então combinaram esses dados com informações genéticas de 145 outras espécies para fazer uma "árvore genealógica" de sapos com base em suas relações genéticas. Usando fósseis de sapo como "o verdadeiro embasamento" dos dados genéticos, os pesquisadores puderam criar um cronograma de sua árvore genealógica. Os três grandes grupos de sapos - Hyloidea, Microhylidae e Natatanura - têm suas origens na expansão que ocorreu há 66 milhões de anos.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

De forma inédita, nova espécie de sapo com presas dá à luz girinos



Pela primeira vez, cientistas encontraram um sapo que dá à luz girinos. A maioria dos sapos bota ovos e, embora algumas espécies deem à luz filhotes de sapo, girinos recém-nascidos são novos para a ciência. Mas, há décadas, cientistas procuravam uma nova espécie de sapo com presas - uma espécie de "sapo-vampiro" que vive na ilha de Sulawesi, na Indonésia. Eles suspeitavam que os sapos apresentavam este comportamento único. Agora, uma equipe internacional descreveu a espécie pela primeira vez, em um estudo divulgado na publicação científica "Plos One". Jim McGuire, da Universidade da Califórnia, em Berkeley, achava que estava segurando um sapo macho na primeira vez que testemunhou o nascimento de um girino. Na verdade, ele tinha em mãos uma fêmea grávida e, de repente, vários novos girinos. Quase todas as 6.000 espécies de sapos do mundo usam fecundação externa: a fêmea põe os ovos durante o acasalamento, enquanto o macho libera esperma para fertilizá-los. "Mas há muitas modificações diferentes deste modo padrão de acasalamento", disse McGuire. "Este novo sapo é uma das 10 ou 12 espécies que evoluíram para a fertilização interna e, desses, é o único que dá à luz girinos, em vez de filhotes de sapo ou ovos fertilizados." Como os sapos machos conseguem fertilizar óvulos dentro da fêmea ainda é um mistério, porque os sapos não têm órgãos sexuais convencionais para transferir o esperma. Duas espécies encontradas na Califórnia desenvolveram uma cauda semelhante a um pênis que consegue fazer a fertilização, mas os cientistas não encontraram este artifício nas novas espécies indonésias. Djoko Iskandar, um colaborador de McGuire, do Instituto de Tecnologia de Bandung, na Indonésia, viu pela primeira vez este novo tipo de sapo com presas na década de 1990, mas não eles haviam sido confirmados como uma espécie diferente até agora. Os cientistas batizaram a nova espécie de Limnonectes larvaepartus. A família Limnonectes é conhecida como sapos com presas por causa de projeções gêmeas em suas mandíbulas inferiores semelhantes a dentes, que são usados em combates. Ben Tapley, líder da equipe de herpetologia da Zoological Society of London (ZSL), disse que a nova descoberta era "totalmente inesperada". "Eles são sapos relativamente sem graças, na verdade," disse Tapley à BBC News. "Descobrir algo totalmente surpreendente sobre um sapo que você mal prestaria atenção na floresta é muito legal." Acredita-se que existam até 25 espécies de sapos Limnonectes em Sulawesi, mas apenas quatro foram descritas até agora - incluindo o novo larvaepartus. Pouco se sabe sobre a biologia dos animais. "Encontrar uma nova espécie não é tão raro - mas a descoberta de um novo modo de reprodução é", disse Tapley. "Há mais de 40 formas de reprodução em anfíbios, mas este é, obviamente, totalmente único." Ele acrescentou que a região onde o sapo foi descoberto tem um dos maiores índices de desmatamento do mundo. "Este tipo de descoberta é realmente importante, especialmente em Sulawesi, onde a maior parte da floresta está desaparecendo. É ótimo que estejamos aprendendo sobre essas espécies antes que seja tarde demais."

domingo, 2 de novembro de 2014

Casal de sapos faz sexo, ignora o perigo e não vê crocodilo à espreita


Durante um passeio fotográfico em Jacarta, na Indonésia, o fotógrafo Fahmi Bhs, de 39 anos, flagrou uma cena espetacular envolvendo uma dupla de sapos "amorosos" que não percebeu que durante o acasalamento, logo atrás, havia um crocodilo à espreita dos dois. Bhs contou ao site do jornal britânico "Daily Mail" que havia passado 4 horas fotografando animais na região, quando se deparou com esse momento curioso. No entanto, o fotógrafo indonésio afirmou que o réptil "xereta" chegou a abrir a boca, como se fosse dar o bote, mas "desistiu" de devorar os anfíbios, deitando próximo deles apenas para descansar. Além disso, segundo Bhs, um dos motivos para o crocodilo ter ficado com a boca aberta foi para auxiliar na regulação de sua temperatura corporal, depois de ter passado toda a manhã exposto ao sol.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

Pesquisadores identificam novas espécies de sapo na Amazônia

 
Pesquisadores identificaram três novas espécies de sapo na amazônia brasileira. Um deles, descoberto no Pará, ganhou um nome que homenageia os nativos do estado: batizado de Chiasmocleis papachibe, o sapo faz referência aos paraenses, que também são chamados de "papa chibé" em alusão a um prato típico feito com farinha. O animal tem entre 24 e 32 milímetros, com as fêmeas pouco maiores que os machos, e é considerado de tamanho médio pelos biólogos. Além do sapo paraense, os autores relatam no mesmo estudo, publicado em março, a descoberta de outras duas espécies. Uma delas, chamada de haddadi, é encontrada no Amapá e na Guiana Francesa, enquanto a outra, royi, é localizada no leste amazônico, entre Acre e Rondônia. "O povo paraense nos acolhou de braços abertos em Belém desde o primeiro dia em que pisamos aqui", explica o pesquisador Pedro Peloso, pesquisador do Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque. "Achamos legal dar este presente para o povo do estado", justifica o cientista. Segundo a equipe que estuda o animal, ainda se conhece pouco sobre o novo sapo. "A espécie é conhecida por somente três exemplares adultos, proveninetes de duas localidades, e não conhecemos nada sobre a biologia deste animal", pontua Marcelo Sturaro, do Museu Paraense Emílio Goeldi. "É importante que novos estudos sejam conduzidos para buscar essa espécie em outras localidades, e também para entender sobre a sua capacidade de sobrevivência em ambientes alterados, visto que ela parece estar restrita ao leste do Pará, uma área onde existe uma forte fragmentação dos ambientes naturais", avalia Peloso.

sábado, 15 de março de 2014

Sapo audacioso

 
O fotógrafo Fahmi Bhs, de 39 anos, flagrou no mês passado um sapo descansando no nariz de um crocodilo em Jacarta, na Indonésia. Fahmi viu o anfíbio saltar na cabeça do réptil, ficando a poucos centímetros de sua poderosa mandíbula.

sexta-feira, 4 de outubro de 2013